Pages

Corte de Haia ignora pedido de cessar-fogo e ordena que Israel adote medidas contra genocídio

Principal tribunal da ONU só não acatou uma das solicitações feitas pela África do Sul: a suspensão imediata das ações


Do Brasil de Fato | São Paulo | 26 de janeiro de 2024 



Conselheiro da embaixada da Palestina em Pretória, África do Sul, beija apoiador da causa palestina em comemoração da decisão da CIJ - Phill Magakoe / AFP

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), principal tribunal da ONU, ordenou nesta sexta-feira (26) que Israel limite os ataques à população palestina durante sua ofensiva na Faixa de Gaza, além de garantir a provisão de serviços básicos e assistência humanitária, evitar a destruição de casas e infraestrutura civil, assim como tomar medidas efetivas para prevenir e punir incitações diretas ao genocídio.

No entanto, a CIJ não acatou uma das solicitações da África do Sul, realizada durante a primeira audiência, há 15 dias, que seria ordenar a suspensão imediata das ações militares israelenses na Faixa de Gaza, apesar de o massacre israelense contra a Palestina já ter matado mais de 26 mil cidadãos e cidadãs. A decisão foi anunciada na forma de medidas emergenciais tomadas pelos juízes do tribunal. Eles também pedem que o Hamas libere os reféns israelenses e insistem que todos devem estar submetidos ao direito internacional.

:: México e Chile pedem investigação internacional sobre crimes de Israel em Gaza ::

O Estado de Israel deve "tomar todas as medidas ao seu alcance para prevenir a prática de todos os atos abrangidos pelo Artigo II da Convenção sobre o Genocídio", disse Joan Donoghue, presidenta da corte, ao ler a primeira sentença em resposta a um pedido da África do Sul, que acionou a CIJ sob acusação de genocídio contra Israel.

"A corte está ciente da extensão da tragédia humanitária que está em curso na região e está profundamente preocupada com a contínua perda de vidas", declarou Donoghue.




Naledi Pandor, ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, sorri ao perceber que a maioria dos argumentos contra Israel foi acatada pela corte / Remko de Waal / ANP / AFP

Dos 17 juízes, a imensa maioria votou a favor de medidas urgentes, que cobriram a maior parte do que a África do Sul solicitou. Em alguns itens, apenas um juiz votou contra; em outros, dois juízes. A corte ordenou que Israel se abstenha de quaisquer atos que possam se enquadrar na convenção sobre genocídio e também garanta que suas tropas não cometam atos genocidas em Gaza.

:: Brasil apoia denúncia contra Israel por genocídio; 'Vai fazer a diferença', diz embaixador palestino ::

Apesar das considerações emitidas, a corte não entrou no mérito propriamente dito da acusação sul-africana, que aponta a existência de um genocídio contra a população palestina. Sobre isso, o pronunciamento dos juízes pode levar meses ou até anos.

Repercussão

Para o governo sul-africano, trata-se de uma "vitória decisiva" para o estado de direito internacional, um "marco significativo na busca por justiça para o povo palestino".

Sami Abu Zuhri, representante do Hamas, disse que a decisão da corte é um sinal do "isolamento" de Israel e apelou para que Israel cumpra a decisão.

O Ministério de Relações Exteriores da Autoridade Palestina apontou que a decisão é um alerta de que "ninguém está acima da lei". "A Palestina saúda as medidas provisórias ordenadas hoje pela Corte Internacional de Justiça", afirmou o chefe da chancelaria, Ryad Al Maliki. "Os juízes da CIJ avaliaram os fatos e a lei. Eles decidiram em favor da humanidade e do direito internacional", disse.

"Pedimos a todos os Estados que garantam que todas as medidas provisórias ordenadas pela Corte sejam implementadas, inclusive por Israel, a potência ocupante. Essa é uma obrigação legal vinculante", afirmou.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que seu governo "continuará a fazer tudo o que for necessário" para se defender.

Israel alega que suas tropas cumprem as leis internacionais, fazem o possível para minimizar danos à população civil e que as acusações são distorcidas, uma vez que o país está praticando legítimo direito de defesa em virtude do ataque realizado pelo Hamas em 7 de outubro de 2023.

O que diz a convenção

A África do Sul aponta que Israel, com suas ações sobre a Faixa de Gaza desde o dia 7 de outubro, quebra a Convenção de Prevenção e Punição ao Crime de Genocídio (Convenção do Genocídio).

O artigo 2 lista cinco pontos que definem se uma ação militar vai além de um crime de guerra e constitui crime de genocídio: matar membros do grupo; causar sérios danos físicos ou mentais a membros do grupo; deliberadamente infligir sobre o grupo condições de vida calculadas para levar à sua destruição física no todo ou em parte; impor medidas com intenção de prevenir nascimentos dentro do grupo; forçosamente transferir crianças de um grupo para outro grupo.

:: Organizações sociais de todo o mundo pedem apoio à iniciativa sul-africana de condenar Israel por ataques à Palestina ::

O pedido sul-africano argumenta que, a partir do enquadramento da Convenção, os atos de Israel nos últimos três meses incluem “matar palestinos em Gaza, causar a eles sério dano físico e mental e infligir sobre eles condições de vida calculadas a trazer sua destruição física”, ou seja, se encaixariam em pontos da definição da Convenção.


Com informações da Reuters, Financial Times e coluna do Jamil Chade.

Edição: Matheus Alves de Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário