Pages

As máfias de call centers e o desamparo dos idosos

O desconhecido caso da “telemáfia” indiana, que faturou U$ 10 bi em golpes nos EUA. Interpol a investiga. O alvo principal: pessoas acima dos 60. Pesquisa associa engodos a um dos dramas sociais contemporâneos: perda de vida comunitária e apoio familiar



De OUTRASMÍDIAS, 26 de Janeiro 2024
Por Alexander Zaitchik, na Jacobin Brasil


A barreira financeira para iniciar um “call center” indiano não é muito alta. Por US$ 15.000, um franqueador experiente pode ajudá-lo a encontrar um andar adequado em um prédio de escritórios de vidro preto, instalar dezenas de estações de computador e treinar uma equipe de graduados ambiciosos, falantes de inglês, para realizar fraudes telefônicas. Geralmente, você pode recuperar seu investimento em um ou dois meses.

As receitas entram em dólares, a folha de pagamento e outras despesas em rúpias. A polícia local será, na pior das hipóteses, um custo operacional irritante, com o risco de prisão — sem falar em processo — praticamente nulo. A paranoia pode ser gerenciada lembrando o nome de Samarth Bansal, que escreveu uma exposição abrangente sobre os centros de golpes na área de Delhi para o Hindustan Times, apenas para receber uma única mensagem de texto em resposta: um emoji de polegar para cima de um colega.

Mais de uma década após a ascensão da Índia como uma superpotência de golpes telefônicos, os centros fraudulentos ainda prosperam por todo o subcontinente. O golpe é agora uma indústria madura cujo crescimento, assim como a entrega de alimentos e álcool, explodiu exponencialmente durante a pandemia de COVID-19.

Mais de US$ 3 bilhões desse montante foram drenados das contas de noventa mil americanos com sessenta anos ou mais. Isso representa um aumento seis vezes maior do que os $500 milhões que os idosos perderam para golpistas em 2021, de acordo com o Centro de Reclamações de Crimes da Internet do FBI — o crescimento mais rápido de qualquer faixa etária. Mas até esses números podem ser estimativas conservadoras. As autoridades admitem que estão lutando para acompanhar um adversário internacional esquivo e em constante evolução.

A explosão do telefraude na era da pandemia levou ao surgimento de uma nova era de cooperação internacional entre as forças policiais dos EUA e da Índia. Em 2020, o FBI abriu um escritório permanente dentro da embaixada americana em Nova Delhi. Essa parceria foi fundamental para a neutralização, em junho de 2023, de um golpe com base na cidade ocidental indiana de Ahmedabad. A prisão de seu líder de vinte e nove anos, Vatsal Mehta, e de seus principais deputados foi o culminar de uma operação conjunta de cinco anos do FBI, INTERPOL dos EUA e “unidades especiais” da polícia nacional indiana.

Durante a maior parte de uma década, os agentes de Mehta fraudaram idosos americanos em milhões de dólares usando chamadas automáticas que imitavam as vozes de autoridades do governo. Quando as vítimas retornavam a ligação para o número fornecido, os operadores informavam que seus números de Seguro Social estavam envolvidos em um crime grave. Para evitar a prisão, eles teriam que pagar uma multa imediatamente — por transferência bancária, criptomoeda ou cartão de crédito. Se necessário, os funcionários baseados nos EUA de Mehta eram enviados à casa da vítima para coletar dinheiro ou cartões de presente em uma loja local da Walgreens.

O roteiro favorito de Mehta pedia que seus agentes se passassem por Uttam Dhillon, o administrador interino da Drug Enforcement Agency. É uma suposição justa que o promotor de carreira, de postura rígida, tenha levado o uso de seu nome para o lado pessoal. Em uma reorganização burocrática que pode ter selado o destino de Mehta, Dhillon foi transferido para dirigir o escritório da INTERPOL em Washington na primavera de 2021. Na época, a organização ainda estava em alta por desmantelar o sindicato que se acreditava ter pioneirizado o golpe de impessoação de autoridades do governo. Em dezembro anterior, um juiz federal no Texas condenou o indiano Hitesh Madhubhai Patel, de quarenta e quatro anos, a vinte anos de prisão, além de uma ordem de restituição de $9 milhões, por acusações de fraude de identidade, conspiração de fraude eletrônica, fraude de dispositivos de acesso, lavagem de dinheiro e impessoação de funcionário federal. Vinte e quatro agentes e subalternos baseados nos EUA de Patel receberam sentenças semelhantes no Texas, Arizona e Geórgia.

As prisões de Patel e Mehta provaram que mesmo os operadores de golpes mais sofisticados podem ser rastreados, capturados e processados. Mas nenhum deles chegou perto de derrotar a hidra que se tornou o telefraude indiano. As forças policiais estão em desvantagem, limitadas a shows simbólicos de justiça, como as paradas de perpétuos mascarados favoritas da polícia indiana. Diante dessa enorme assimetria, outras agências federais foram forçadas a intervir. Em abril, a Comissão Federal de Comércio (FTC) lançou o Projeto Ponto de Não Retorno, que visa provedores de serviços de Voz sobre Protocolo de Internet (VoIP) que permitem chamadas automáticas internacionais baratas pela internet. Trabalhando com a Comissão Federal de Comunicações (FCC) e procuradores gerais estaduais, a FTC agora tem uma equipe dedicada a enviar cartas de cessação e desistência a empresas VoIP baseadas nos EUA. Mas mesmo nesse front, o governo está jogando um jogo vertiginoso de Whac-A-Mole digital. Chamadas automáticas podem ser simplesmente roteadas de outros países. A colheita descontrolada de dados gerou inúmeras listas telefônicas vendidas por um número crescente de corretores de dados legais e pelo menos tantos na dark web.

A melhor defesa contra os golpistas pode acabar sendo a mais antiga: consciência e educação. Se assim for, o grupo mais importante na proteção dos idosos não é o FBI, a INTERPOL ou a FTC, mas a Associação Americana de Pessoas Aposentadas (AARP).

Quando Ethel Percy Andrus fundou a Associação Americana de Pessoas Aposentadas (AARP) em 1958, a professora aposentada tinha fraudes contra idosos firmemente em sua mira. Os golpes do último século podem parecer antiquados hoje, mas agravaram a vulnerabilidade financeira de milhões de idosos americanos. Sua persistência indignou Andrus, uma reformadora ao longo da vida que começou trabalhando com imigrantes na Hull House de Jane Addams. Mesmo na nova “era da opulência” da América, o atemporal “vendedor de remédios” percorria o país sem impedimentos, com pouca regulamentação visando anúncios de curas milagrosas que prometiam erradicar os males e dores do envelhecimento. Uma das primeiras conquistas legislativas da AARP foi uma supervisão mais rigorosa da Administração de Alimentos e Medicamentos sobre a venda e publicidade de medicamentos.

Ao contrário da fraude de medicamentos, as origens do segundo golpe mais comum contra idosos podiam ser rastreadas até uma das maiores realizações da esquerda americana: a aprovação da Lei de Seguridade Social de 1935. Golpes iniciais da Seguridade Social assumiram várias formas, incluindo uma versão primitiva do golpe de impessoação de autoridades de agências governamentais de hoje. Mas o golpe dominante era o simples roubo e falsificação. Em 1963, ano do protagonismo de Andrus como principal testemunha durante audiências no Congresso sobre “Fraudes e Quackery Afetando o Cidadão Idoso”, o Departamento do Tesouro estimou que um terço dos cinquenta mil cheques falsificados relatados a cada ano eram cheques de benefícios da Seguridade Social.

“Nada poderia ser mais odioso do que as pressões que afligem as pessoas idosas e que reduzem ainda mais seus rendimentos reduzidos”, disse Andrus ao Comitê Especial do Senado sobre o Envelhecimento. Ela propôs uma campanha nacional de educação liderada pela AARP e um corpo de serviço nacional para “prevenir ou expor qualquer prática ou atividade contrária à preocupação da Nação por seus cidadãos idosos”.

O corpo de serviço nacional nunca se concretizou, mas a AARP avançou em sua missão. Sessenta anos depois, a conscientização sobre fraudes é central para o trabalho da organização. Ela opera a Rede de Alerta contra Fraudes, mantém uma linha direta gratuita de ajuda contra fraudes e publica atualizações constantes sobre como identificar os golpes mais recentes. Mas hoje esses crimes são fundamentalmente diferentes em tipo e escala do que aqueles que Andrus combateu, tendo se transformado em uma indústria completa de maneiras que estamos apenas começando a compreender. Até 2017, David Graeber sustentava em Bullshit Jobs que fraudes e golpes deveriam ser considerados “um ato, não uma profissão”, porque ninguém está pagando “salários ou um salário” para os golpistas. Isso ignorava a profissionalização dos golpes que ocorreu na Índia ao longo dos anos 2010, onde “call centers” competiam por recrutas oferecendo salários base e comissões suculentas, semelhantes a qualquer outro emprego de vendas.

Outra diferença dos golpes do passado é o volume absoluto de fundos sendo roubados, individual e coletivamente. Em 2022, golpistas visando idosos fugiram com uma média de US$ 35.000 por vítima, de acordo com o FBI. É um valor absolutamente avassalador, especialmente para os idosos, mais de 90% dos quais dependem da Seguridade Social para complementar suas economias — se tiverem alguma. O golpe moderno resulta em situações muito piores do que um cheque perdido da Seguridade Social — ele transforma aposentadorias confortáveis em pobreza da noite para o dia. Tratamentos caros contra o câncer não podem mais ser pagos. Cuidadores são dispensados. Casas familiares são vendidas. Suicídios são relatados.

Geralmente se assume que os idosos são alvo porque são facilmente confundidos ou sofrem alguma forma de declínio cognitivo. Mas a pesquisa não apoia isso. Os indicadores de risco mais importantes, de acordo com os dados, são o isolamento social e a solidão. Quando as pessoas estão sozinhas e sem conexões humanas diárias, é mais provável que fiquem ao telefone e conversem com estranhos. Viver sozinho também priva as pessoas de segundas opiniões. Um estudo da Universidade do Sul da Califórnia descobriu que idosos com “solidão e insatisfação social” relataram maior “vulnerabilidade à exploração financeira”. O fato de esses fatores de risco estar afetando constantemente mais e mais americanos mais jovens é quase certamente o que impulsiona o aumento dos números de golpes. Um quarto dos americanos com sessenta e cinco anos ou mais atende aos critérios de “isolamento social crônico”; um terço dos adultos com mais de quarenta e cinco anos relatam “solidão”.

A conexão entre vulnerabilidade e solidão foi um tema recorrente nas audiências de 1963 sobre fraude convocadas pelo Comitê Especial do Senado sobre o Envelhecimento. Em um dos exemplos mais tristes dos procedimentos, foi detalhado um golpe em que idosos foram enganados a pagar antecipadamente por aulas de dança que na verdade não existiam. “Com o desejo de companhia e uma possível substituição pela solidão que frequentemente acompanha a velhice, esses idosos são iludidos a acreditar que, ao fazerem aulas de dança e se tornarem frequentadores regulares das aulas, poderão ter um antídoto para sua existência isolada”, observou Paul Rand Dixon, então presidente da FTC.

A importância do isolamento é bem compreendida pelos golpistas modernos, que visam muito mais do que o preço das aulas de dança. A jornalista indiana Snigdha Poonam ouviu isso durante sua própria investigação. “A América está cheia de idosos que vivem sozinhos”, disse uma jovem golpista no centro de tecnologia de Gurugram. “Eles não têm para quem recorrer.”

O centro de atendimento, assim como o telefone, é nativo dos Estados Unidos. Ele assumiu sua forma moderna durante os anos 1960 e desfrutou de uma era dourada que durou aproximadamente três décadas. A partir de meados da década de 1990, as empresas americanas começaram a enviar empregos de suporte ao cliente para o exterior, um corolário dos empregos fabris enviados para o México e China. A terceirização de centros de atendimento se acelerou com a recessão econômica pós-11 de setembro, à medida que a maioria dos grandes bancos, companhias aéreas e empresas de telefonia movia seus escritórios de suporte ao cliente para a Índia, lar de um excedente de mão de obra formada por graduados universitários que estudavam inglês desde a terceira série. Em hubs em rápido crescimento perto de Delhi, Kolkata e Mumbai, jovens indianos ganhavam uma fração do salário inicial nos Estados Unidos. Enquanto isso, as empresas de tecnologia também voltaram sua atenção para o subcontinente, onde agora podiam contratar equipes de programação e suporte técnico fluentes em Java por meros US$ 5.000 por ano – US$ 60.000 a menos do que um americano igualmente treinado.

Até meados dos anos 2000, 90% das principais empresas americanas não viam mais a terceirização como uma medida de economia de custos, mas sim como um componente central de seus negócios. Uma nova indústria de consultoria anglófona surgiu para ajudar empresas americanas e britânicas na transição. Para cada mil empregos de atendimento ao cliente enviados para a Índia, segundo a Associação Internacional de Profissionais de Terceirização, eles poderiam esperar economizar US$ 20 milhões.

Os tempos de prosperidade não duraram muito. Poucos anos após a chegada, muitas grandes empresas americanas abandonaram os recém-construídos arranha-céus de Kolkata e Gurugram em busca de pastos mais verdes mais a leste. Em 2011, as Filipinas se juntaram à Índia no seleto grupo de destinos de centros de atendimento; cerca de quatrocentos mil trabalhadores de atendimento ao cliente atendiam chamadas para a Expedia, JPMorgan Chase e AT&T em parques de escritórios nos arredores de Manila. Ao mesmo tempo, outras empresas terceirizaram suas operações de suporte ao cliente para prisões nos Estados Unidos, atraídas pela canção de sereia da UNICOR, uma corporação do governo dos EUA, para imaginar “todos os benefícios da terceirização doméstica a preços internacionais”.

Enquanto a indústria de centros de atendimento da Índia se contraía, suas indústrias de desenvolvimento de software e suporte de TI foram impulsionadas pela contínua terceirização do setor de tecnologia dos EUA em expansão, uma mudança de mão de obra simbolizada pela decisão da Microsoft em 2010 de terceirizar todos os seus serviços de suporte e aplicativos para a Infosys Limited, sediada em Bangalore. No entanto, em um eco das próprias crises trabalhistas induzidas pela globalização dos Estados Unidos, os indianos que trabalhavam nos antigos empregos de centros de atendimento nem sempre estavam qualificados para os novos empregos de TI. No entanto, o que qualquer jovem graduado indiano que falasse inglês poderia fazer era fingir trabalhar para os gigantes da tecnologia que chegaram à Índia assim que os bancos e as companhias aéreas estavam partindo.

O número de chamadas de funcionários fraudulentos representando Microsoft, Apple, Norton e Amazon cresceu constantemente ao longo dos anos 2010, atingindo dramaticamente o pico no início da pandemia. Em 2022, a fraude de suporte técnico era o golpe mais comum em todas as faixas etárias, com os idosos sendo desproporcionalmente afetados. E 95% das chamadas eram da Índia.

Todos os elementos necessários para o surgimento do golpe de suporte técnico – a espinha dorsal da indústria de golpes – estavam em vigor até o início dos anos 2010: imóveis, experiência na administração de centros de atendimento, expectativas de renda elevadas de jovens indianos graduados na faculdade e experiência em navegar no terreno psicológico de idosos americanos lidando com isolamento social e sobrecarga tecnológica. Que essa experiência muitas vezes foi conquistada com dificuldade provavelmente ajudou pelo menos alguns ex-funcionários de centros de atendimento a racionalizar sua transição para golpistas profissionais. A partir do final dos anos 90, as conversas com operadores indianos proporcionaram uma saída conveniente para a raiva e confusão dos americanos impactados pela aceleração da globalização. Uma reportagem da TIME de 2007 descreveu os torrents de abusos rotineiramente absorvidos pelos operadores indianos, incluindo as palhaçadas de um apresentador de rádio da Filadélfia que ligava para os representantes de atendimento ao cliente baseados na Índia com o único propósito de chamá-los de “comedores de ratos sujos” ao vivo no ar.

Ressentimentos mais profundos também podem pairar sobre a indústria de golpes da Índia. Uma de suas capitais, Kolkata, anteriormente serviu como sede de outro golpe global que era maior, mais cruel e mais lucrativo em uma ordem de grandeza: a Companhia das Índias Orientais. A partir da década de 1750, a empresa, com os fundos e bênçãos da coroa britânica, sistematicamente drenou a riqueza de Bengala e, eventualmente, do resto do país, para criar fortunas sem precedentes para “alguns comerciantes, que ainda não aprenderam a lavar suas partes traseiras”, nas palavras de um contemporâneo indiano. Quando relatos de fome em massa forçada e pilhagem violenta chegaram à Europa, os satiristas zombaram dos diretores da empresa como “Senhores Abutres” – “uma tropa de bandidos desesperados… uma confederação escandalosa para saquear e saquear”.

Hoje, um debate está em curso na Índia sobre o dano que a indústria de golpes está causando à reputação do país, com um ressentimento desviado sobre a colonização da Índia visível nas margens. Sob uma denúncia do Times of India sobre golpes de centros de atendimento, o principal comentarista instou os “trapaceiros indianos” a “concentrar sua atenção no Reino Unido, pois é o Reino Unido que saqueou trilhões de dólares da Índia. Mesmo agora, eles criaram paraísos fiscais e estão dando refúgio a todas as pessoas que fugiram da Índia com dinheiro saqueado.”

Assim como a onda de terceirização que a antecedeu, o setor de golpes da Índia agora gerou indústrias secundárias em seu rastro. Os trabalhadores em provedores de segurança na internet devem seus empregos à ansiedade em massa criada por esses golpes, assim como os funcionários nas crescentes divisões antifraude das gigantes da tecnologia e agências federais.

Mas a profissão secundária mais lucrativa é uma nova geração de celebridades do YouTube que transforma a justiça vigilante online em entretenimento: os “scambaiters”. Normalmente patrocinados por provedores de VPN e empresas de segurança na internet, os principais “scambaiters” acumulam centenas de milhares e até milhões de visualizações. Programas de alteração de voz permitem que eles se façam passar por senhoras idosas confusas, apenas para depois virar o jogo contra os golpistas desavisados. Às vezes, o propósito é irritar ou interrogar; outras vezes, é esvaziar as próprias contas dos golpistas em atos sofisticados e engenhosos de fraude reversa. Se não pode se livrar dos golpistas, pelo menos pode beber suas lágrimas.

A estrela mais destacada do grupo é a dupla baseada em Los Angeles, Ashton Bingham e Art Kulik. Sob o nome Trilogy Media, Bingham e Kulik aperfeiçoaram uma estética que se assemelha ao filho amoroso de MrBeast e dos Jerky Boys. No verão passado, eles se uniram aos colegas “scambaiters” Mark Rober e Jim Browning para organizar a audaciosa infiltração de uma ampla operação de golpes baseada em Kolkata. Usando agentes indianos, a equipe do YouTube liberou baratas, bombas de fedor com temporizador e granadas de glitter no chão do centro de atendimento, interrompendo sua operação por dias. Os vídeos dessas brincadeiras acumularam centenas de milhões de visualizações.

Mas tão populares quanto os vídeos são, raramente resultam em algo mais do que um incômodo breve. “Adoramos desperdiçar o tempo dos golpistas”, disse Bingham em um Q&A em vídeo com a Wired. “Quanto mais tempo eles passam no telefone conosco, menos tempo estão no telefone com sua avó.” Mesmo quando os vídeos geram calor suficiente para forçar operações da polícia indiana, o resultado muitas vezes é uma prisão seguida por uma exibição estilo desfile perpétuo mexicano.

Jim Browning tinha esperanças maiores quando começou seu canal de “scambaiting” em 2013. Considerado o “padrinho” do “scambaiting”, Browning é o nome do YouTube de um tecnólogo irlandês especializado em invadir os sistemas de circuito fechado de televisão (CCTV) de centros de atendimento e mostrar os feeds para o mundo. “Pensei que, se continuasse gravando assim, talvez as autoridades pudessem fazer algo a respeito”, diz ele. “Eu estava muito errado sobre isso.” Ele descreve a Índia como um refúgio seguro para uma indústria de golpes que conseguiu se manter um passo à frente das autoridades, em uma espécie de adaptação darwiniana. Com expectativas reduzidas sobre os impactos, agora ele faz “scambaiting” em tempo integral, o que descreve como a “arte de tirar os golpistas de seus scripts e virar o jogo.”

Se o fluxo constante de informações e evidências coletadas pelos “scambaiters” – localizações de centros de golpes, imagens de CCTV, nomes e informações de folha de pagamento – será eventualmente aproveitado pelas forças da lei dependerá do futuro da cooperação entre EUA e Índia. O escritório do FBI na embaixada de Nova Delhi só pode fazer muito por conta própria em um sistema legal que luta contra a corrupção. Os pedidos para que as autoridades indianas dediquem mais recursos ao problema estão crescendo, tanto de Washington quanto de vozes influentes dentro da diáspora indiana baseada nos EUA. “Tentamos construir uma reputação para a Índia neste país”, disse o jornalista Yudhijit Bhattacharjee ao concluir sua série de podcasts Scam Likely. “Quando falo com autoridades do governo indiano, continuo repetindo o quão grande erro eles estão cometendo ao não levar isso a sério. Isso está custando bilhões de dólares às vítimas americanas e causando danos incalculáveis ​​ao relacionamento entre esses dois países.”

Um dos informantes de Bhattacharjee, um investigador do Departamento de Segurança Interna, ecoou seus sentimentos. A indústria de golpes, segundo ele, é “a maior comunicação intercultural já ocorrida. Eles fizeram milhões de chamadas da Índia. Isso é algo incrível que as pessoas estão recebendo de forma negativa. O que isso faz para o diálogo futuro entre americanos e indianos?”

Uma versão mais enfática dessa mensagem foi entregue por Suhel Daud, o chefe do FBI para o Sul da Ásia e o adido legal da agência na embaixada de Delhi. Falando ao Times of India, Daud disse que o país corre o risco de ser rotulado como um “exportador” de fraudes, um eco pontual da retórica da era Bush sobre a “guerra ao terrorismo”, que implica que a inação contínua é equivalente a beligerância “patrocinada pelo Estado”. Se isso foi apenas uma formulação diplomática descuidada ou não, há sinais de que as autoridades indianas começaram a levar a indústria de golpes mais a sério. A mais recente iniciativa anti-fraude do governo é chamada de Operação Chakra, como se nada menos que a alma ou o “eu real” da Índia estivesse em jogo.

A cultura de golpes está se expandindo de maneiras que apenas Philip K. Dick poderia ter imaginado quando Ethel Percy Andrus fez seu apelo ao Congresso por recursos federais em 1963. A inteligência artificial (IA) em breve permitirá que golpistas imitem os timbres e inflexões das vozes de entes queridos e autoridades federais, se não todos os outros aspectos de sua semelhança. Em breve, outros golpes baseados em IA sem dúvida serão generalizados – chamemos isso de “Um Golpista Obscuro” – à medida que as sociedades envelhecem e se tornam mais demograficamente desequilibradas. Até 2030, um em cada cinco americanos terá sessenta e cinco anos ou mais; até 2060, será um em cada quatro, incluindo um triplo da atual população com mais de oitenta e cinco anos.

O que ainda precisa ser determinado, no entanto, são as condições sociais subjacentes que essa população idosa irá habitar. Combater o isolamento e a solidão que assombram os idosos exigirá intervenções e programas estatais, enfrentando os muitos escândalos do cuidado aos idosos – desde cadeias de casas de repouso pertencentes a fundos de hedge até a pobreza endêmica – bem como lidar com a questão cultural mais profunda do abandono geracional. Isso significará fomentar uma revitalização de organizações civis e engajamento político.

Nem todos podem ou querem se tornar um Pantera Cinza, mas há lições que valem a pena explorar no declínio dos sindicatos e do ativismo que ocorreu ao lado do aumento constante da solidão. Há também lições valiosas na abordagem dos estados de bem-estar nórdicos que priorizam o cuidado social tanto quanto o cuidado de saúde, oferecendo uma versão patrocinada pelo Estado dos sistemas de apoio intergeracionais encontrados em países de renda média e baixa. Juntamente com campanhas de educação, teremos que repensar como os idosos podem levar vidas mais gratificantes e socialmente conectadas.

Se as últimas duas décadas nos ensinaram alguma coisa, é que não devemos contar com a internet para compensar a perda da vida pública comunitária e do apoio familiar. Em uma reavaliação crítica de Bowling Alone: The Collapse and Revival of American Community de Robert Putnam publicada nestas páginas, Anton Jäger rastreou como a solidão piorou nos vinte anos desde a publicação do livro em 2000, mesmo enquanto pessoas de todas as idades passavam porções crescentes de suas vidas acordadas em plataformas “sociais” dedicadas à comunicação constante. Contrariando as promessas iniciais dos utópicos da internet, a evidência mostra que participar de comunidades online não impede a atomização social, mas sim “a acelera e a consolida”. A internet, escreveu Jäger, “só se torna compreensível no mundo do boliche solitário. A cultura online prospera na atomização que a ofensiva neoliberal infligiu à sociedade – agora há amplo pesquisa mostrando correlação positiva entre o declínio do comprometimento cívico e o acesso à banda larga.”

Há apenas o conforto mais frio no fato de que os idosos terão cada vez menos a ser roubado do que a atual geração de baby boomers aposentados. Os Estados Unidos já têm a maior taxa de pobreza entre idosos no mundo desenvolvido, com um em cada três pessoas com sessenta e cinco anos ou mais vivendo abaixo ou perto da linha da pobreza. E à medida que o país envelhece, o idoso médio também ficará mais pobre. As economias de cinco e seis dígitos e os pagamentos de pensão perdidos para golpistas em 2023 se tornarão cada vez mais escassos.

Na ausência de grandes conquistas, o equivalente digital ao cheque falso da Previdência Social pode ver um renascimento – um século de golpes que se completa.

Alexander Zaitchik é um jornalista freelance que vive em Nova Orleans, Estados Unidos. É autor, mais recentemente, de Owning the Sun, uma história da medicina monopolista.

Jacobin Brasil
A revista Jacobin é uma voz destacada da esquerda radical no mundo. Agora, em português, contribui no Brasil para uma perspectiva socialista na política, economia e cultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário