Pages

O que é cibercomunismo?

Do Complexidade e Economia, 15 de Janeiro 2023
Por CIBCOM na Jacobin – Tradução: Maurício Ayer, 04/11/2022



I
No calor da revolução digital das últimas quatro décadas, as tecnologias da informação e da computação permearam nossas sociedades a ponto de se tornarem praticamente onipresentes, conectando bilhões de pessoas entre si. O movimento socialista não ia deixar por menos e, nos últimos anos, surgiram vários grupos sob o guarda-chuva do que poderia ser chamado de cibercomunismo.

Apesar do que possa parecer, não se trata apenas de comunistas usando computadores. Neste artigo pretendemos argumentar que o comunismo cibernético é descrito como tal porque consideramos que a cibernética, como ciência da informação e do controle, complementa a crítica da economia política marxista de tal forma que nos permite vislumbrar o substrato informacional oculto por trás realidades burguesas e compará-las com instituições alternativas em termos de eficiência e adaptabilidade.

Para compreender as características essenciais desse novo paradigma teórico, convém fazer uma revisão histórica dos conceitos, autores e correntes que o nutrem. Esta será a intenção última deste escrito: traçar uma espécie de “árvore genealógica” do cibercomunismo.

Esta é a história de como dois conceitos relativamente díspares acabam se unindo de forma coerente: comunismo e cibernética. O primeiro é mais conhecido nos círculos em que nos encontramos. Estamos falando da expressão política do movimento operário desde a Primeira Internacional Operária, sistematizada, entre outros, por Karl Marx e Friedrich Engels. Teoricamente, ela partiria da crítica à economia política exposta em O Capital. A desnaturalização das instituições burguesas (mercados, dinheiro, preços, incentivos à lucratividade etc.) e a análise de suas leis internas abririam caminho para exigir um planejamento radicalmente democrático da economia: o programa político revolucionário capaz de romper com essas leis.

Agora, e a cibernética? Estamos falando de um campo de estudo interdisciplinar que deu seus primeiros passos projetando armas antiaéreas para a Segunda Guerra Mundial e se consolidou projetando abordagens inovadoras em campos como neurociência ou ecologia. [1] Os seres vivos começaram a ser conceituados como sistemas complexos que obtêm informações de seu ambiente por meio dos sentidos, que são transmitidas ao cérebro para que ele as processe e tome decisões com eficiência. Um comportamento que poderia ser modelado como um sistema de controle que reage a determinados sinais de entrada (input), gerando um sinal de saída (output) e criando o que é conhecido como um ciclo de realimentação (entre o indivíduo e seu ambiente).

Pois bem, a façanha da cibernética foi descobrir que, na realidade, esse tipo de comportamento ocorre, de uma forma ou de outra, em muitas realidades. Norbert Wiener — considerado por muitos o pai da disciplina — definiu a cibernética como “o campo das teorias de controle e comunicação, seja na máquina ou no animal” [2], explicando que esses processos de controle não apenas não se limitavam ao mundo animal, mas poderiam ser emulados, criando autômatos que também seriam capazes de se adaptar e interagir com um ambiente mutável.

O desenvolvimento de tais autômatos, em toda a sua complexidade, teria sido impossível não fosse por dois dos maiores desenvolvimentos teóricos do século passado: a teoria da informação de Claude Shannon [3] e a máquina de Turing de Alan Turing. [4] Shannon forneceu uma formalização matemática ao conceito de “informação”, dotando um arsenal de ferramentas teóricas que permitiram o desenvolvimento de mecanismos de transmissão e armazenamento de informação muito mais eficientes do que os utilizados até aquele momento.

Turing, por sua vez, demonstrou a possibilidade de codificar passo a passo qualquer função matemática computável; ou seja, qualquer algoritmo, em uma sequência finita de bits conhecida hoje como programa ou aplicativo. Além disso, ele também foi capaz de demonstrar que o referido código binário poderia ser processado por uma máquina de Turing universal, capaz de implementar qualquer outra máquina de Turing, estabelecendo assim as bases dos computadores atuais, capazes de executar qualquer programa.

Influenciados por essas abordagens, autores como William Ross Ashby demonstraram certas relações entre a teoria da informação e o controle de sistemas complexos. Um dos mais relevantes é o que é conhecido como lei da variedade requerida ou teorema do bom regulador: todo “bom controlador” deve ser capaz de lidar com a complexidade do sistema sob controle, expressa pelo número de situações possíveis, tendo uma resposta para cada um deles. Caso contrário, a redução forçada da complexidade do sistema reduz seriamente sua capacidade de resposta. [5]

A essa altura, o leitor pode perguntar: o que tudo isso tem a ver com o comunismo? Bem, e se essa análise informacional de sistemas complexos fosse aplicada à economia? É possível e frutífero? É curioso ver como o próprio Wiener fez declarações como as seguintes:

Escrevo este livro principalmente para os cidadãos dos Estados Unidos, em cujo ambiente as questões de informação serão avaliadas com os critérios normais, típicos desse povo: uma coisa vale enquanto pode produzir algo em um mercado aberto a todos. […] O destino da informação em um mundo tipicamente americano é comprá-la ou vendê-la. […] Não é minha tarefa determinar se essa atitude mercantilista é moral ou imoral, grosseira ou sutil. Mas é meu dever mostrar que isso leva ao mal-entendido e ao manuseio incorreto da informação e seus conceitos associados.[6]

Surpreendentemente anticapitalista, certo? Pelo menos foi o que alguns setores da URSS e da Alemanha Oriental começaram a pensar depois de 1955. Wiener considerava que as relações mercantis manipulam mal a informação porque convertem descobertas e criações tecnocientíficas — que são produto do esforço coletivo e acabam afetando toda a humanidade — em propriedade privada, gerando opacidade social e, portanto, uma gestão irresponsável delas. Kitov, Sobolev e Lyapunov declararam que isso equivalia a “uma crítica aguda da sociedade capitalista” pouco explorada até então. [7]

II.
Uma vez desvendado esse mistério, a aplicação da análise cibernética para fins socialistas não tardou. Os mercados e empresas capitalistas começaram a ser explicados como autômatos ou sistemas de controle defeituosos.

O economista polonês Oskar Lange, com base em Wiener, desenvolveu uma nova compreensão dos problemas econômicos. Em sua polêmica com a Escola Austríaca, Hayek e companhia tentaram criticar sua proposta de “socialismo neoclássico” insinuando que os computadores que Lange pretendia usar para calcular os preços dos produtos sem a necessidade de competição entre empresas eram uma “versão digital do mercado”; que este último, de fato, é um “sistema de telecomunicações” essencial para as sociedades industriais. [8]

Bem, invertendo esse argumento, Lange argumentou que o mercado nada mais é do que um computador sui generis que resolve sistemas de equações por meio de interações sociais por meio de informações meramente estatísticas e dinâmicas de tentativa e erro. Uma afirmação consistente com os desenvolvimentos de Turing acima mencionados: o mercado, sendo um “programa descentralizado”, deve ser equivalente a um que pode ser realizado em qualquer máquina de Turing universal. Desta forma, se entendermos claramente como funciona, poderíamos reproduzir um mecanismo de retroalimentação capaz de fazer a mesma coisa e muito mais, sem todos os inconvenientes do “mercado analógico” convencional.[9]

Do outro lado da cortina de ferro, a britânica Stafford Beer levou a lei da variedade exigida de Ashby às últimas consequências, considerando que a economia de mercado, ao ter que restringir a geração espontânea de necessidades e iniciativas sociais dentro dos limites do lucrativo e simplificar toda informação às variáveis monetárias redutoras, obrigou o metabolismo social a dinâmicas ciberneticamente “torpes” cujas consequências humanas são dramáticas.[10] Para ambos, o planejamento socialista superou claramente os mercados ao ser capaz de ter acesso transparente a todas as informações econômicas, ser capaz de agir em reação imediata às novas necessidades dos cidadãos sem a mediação da lucratividade e ter a capacidade de previsão de fazer cálculos econômicos a longo prazo.

As concreções histórico-políticas mais marcantes dessas abordagens foram: 1) o OGAS de Víktor Glushkov na URSS,[11] 2) o Cybersyn de Beer no Chile da Frente Popular [12] e 3) os projetos de “geografia econômica” que, à luz das obras de Leonid Kantorovich e Nikolai Veduta, orquestrou o Instituto de Novosibirsk. Os primeiros são mais conhecidos. Este último é muito menos explorado, mas é de interesse pela sensibilidade ecológica que desenvolveram ao urbanizar a estepe siberiana.[13]

III.
Após a extensão das ditaduras neoliberais por toda a América Latina e o subsequente desmantelamento da URSS, todos esses projetos foram abortados. No entanto, inesperadamente, surgiu no Ocidente em 1993 uma obra que, pouco a pouco, reavivaria o interesse dos pequenos círculos por essas abordagens: Towards a New Socialism, dos escoceses Paul Cockshott e Allin Cottrell.[14] Esta, juntamente com Classical Econophysics, publicada uma década e meia depois em conjunto com Gregory John Michaelson, Ian P. Wright e Victor Yakovenko, resgatou todas as intuições dos autores supracitados, levando-as a graus de formalização e refinamento sem precedentes.

Pode-se dizer sem rodeios que essas obras fundaram o atual cibercomunismo, fornecendo duas interessantes armas teóricas ao movimento revolucionário: a econofísica, como análise das economias de mercado, e o planejamento ciberssocialista, como proposta política que aspira a superar as deficiências estruturais das formas tradicionais de planejamento.

Começando pela primeira, merece uma atenção especial a obra de 1983, Laws of Chaos (Leis do Caos – Uma Abordagem Probabilística à Economia Política), de Emmanuel Farjoun e Moshé Machover. Isso, reproduzindo a passagem da física determinística clássica para a física estatística, explicaria que a dinâmica da economia política só é exprimível matematicamente por meio da estatística, já que o objeto de estudo é um sistema fundamentalmente caótico.[15] As técnicas matemáticas do marxismo seriam atualizadas, permitindo o desenvolvimento de modelos mais precisos capazes de captar toda a complexidade mercantil. Como Lange havia insinuado, a dinâmica competitiva pela qual preços, salários e afins são estabelecidos joga com informações de natureza meramente estatística.

Essa tarefa se aprofundaria em Classical Econophysics (Econofísica Clássica), onde o marxismo acabaria se conjugando com a cibernética. Assim, autores como Wright explicariam que o capital, como relação social de produção, é, em termos cibernéticos, um “sistema de controle” que visa se adaptar ao nosso ambiente biofísico, mas também geopolítico, por meio de um certo ciclo de retroalimentação: unidades sociais atomizadas competem entre si por determinados nichos de consumo para rentabilizar monetariamente a sua atividade.[16]

A lei do valor e sua fórmula básica, D – M – D’,[17] atuam como um padrão de validação que filtra iniciativas não lucrativas como “irracionais”. A conceituação de Marx do capital como um “sujeito automático” cuja “vontade” está acima até mesmo dos próprios capitalistas não é uma metáfora.[18] Os capitalistas, encorajados pela opulência ligada aos seus privilégios e assustados com a possibilidade de serem varridos pela concorrência, na realidade, nada mais fazem do que personificar ou executar os sinais de saída do sistema de controle ao qual estão subordinados.

Esses sinais de saída, supostamente, garantem a adaptação social às novas circunstâncias, otimizando os gastos monetários em torno de um certo “equilíbrio”. Na prática, como Farjoun e Machover mostram, o equilíbrio é inatingível, pois os sinais são muito simplistas para capturar toda a complexidade do sistema, derivando assim em dinâmicas de inversão e recortes impulsivas e rudimentares. Isso não apenas forçaria a maioria social a um certo salário e nível de consumo, uma certa taxa de crescimento ou, em suma, uma certa taxa de lucro, mas também estaria por trás da contínua instabilidade social e crises periódicas que observamos hoje.

Por esta razão, os mercados são chamados de autômatos defeituosos. Eles supercomplexificam o metabolismo social ao gerar paralelismos e opacidade, dando origem a informações ora redundantes, ora diretamente inúteis. Isso se traduz em esforço excessivo e no desperdício de recursos em períodos de crescimento e subutilização das capacidades produtivas em períodos de crise. Vamos pensar que centenas de empresas são lançadas diariamente para produzir diferentes variantes do mesmo bem em quantidades que os cidadãos não podem pagar nem consumir.

No entanto, isso não é tudo. Paradoxalmente e ao mesmo tempo, o mercado ignora e até obstrui a consideração de informações de vital importância para o nosso futuro. Em certo sentido, isso ocorre porque o mercado simplesmente “não detecta” como sinal de entrada aquilo que transcende os estreitos limites das variáveis monetárias.

Mas o verdadeiro problema é que, mesmo quando estes se tornam politicamente visíveis, sua consideração contradiz o imperativo da lucratividade, de modo que são negligenciados. Assim, uma infinidade de questões que os especialistas não deixam de apontar como cruciais (desertificação da terra, escassez progressiva, estresse crônico etc.) são jogadas na lixeira das “externalidades negativas”, abandonando-nos à mercê de administrações públicas que, a médio prazo, dependem tanto da rentabilidade empresarial quanto as próprias empresas.[19]

A essa altura, podemos intuir qual é a conexão entre a econofísica e o planejamento cibersocialista. A primeira permite explicar que, em comparação com a economia de mercado, esta otimiza ou ajusta o uso da informação social, aumentando consideravelmente a nossa capacidade de adaptação. O planejamento é ciberneticamente superior quantitativa e qualitativamente. Ao se livrar de informações redundantes, ele faz o que o mercado faz (otimiza custos e distribui o trabalho entre os setores com base na demanda) com mais rapidez e precisão. A possibilidade, aberta pelas TICs, de coletar, armazenar e processar grandes quantidades de informação de forma viável nos permite prescindir dela.[20]

O planejamento também é claramente diferente e superior em termos qualitativos. Como explicou Otto Neurath, graças ao cálculo em espécie e à democracia direta, surge um novo tipo de racionalidade apreensiva dos fatores multidimensionais e focada na satisfação das necessidades sociais.[21] Falaríamos de um sistema de controle com a capacidade de decidir conscientemente o que fazer e como. Os planos são a expressão consciente da vontade popular em um determinado momento por meio de objetivos e restrições autoimpostos.

Isso pode assumir a forma de expansões e retrações de diferentes setores produtivos, dependendo do que for considerado. Por quê? Porque ao varrer a classe capitalista do mapa e centralizar os meios de produção, a reprodução social não depende mais de um determinado empregador ver expectativas de lucro em um setor ou de jogos monetários pobres, mas sim, as diferentes áreas da vida humana (saúde, consumo, ecologia, etc.) seriam geridos, caso a caso, com base em estudos científicos particulares e considerações ético-políticas expressas em deliberação pública.

Para essa nova forma de organizar o metabolismo social, a democracia – algo muito diferente do despotismo representativo do parlamentarismo burguês, prostrado diante do poder do capital e cuja tarefa essencial é garantir suas condições gerais de reprodução – não é um floreio retórico. Somente a participação popular massiva e recorrente pode garantir uma reprodução social não turbulenta, desde que consensual.

Da mesma forma, o registro objetivo, ou seja, que se expressa de maneira matemática, de necessidades sociais e, portanto, o próprio planejamento, é impossível sem uma transmissão fluida de informações de baixo para cima.[22] Algo que, felizmente, foi reconhecido em nosso meio por – se podemos usar a expressão – cibercomunistas avant la lettre como Felipe Martínez Marzoa:

A integração de toda a produção em um único cálculo só é possível por meio da transparência total do aparelho produtivo […], [o que] só pode ser alcançado se a informação e o controle constituem um fato de comunicação social geral; pois é evidente que essas condições só podem ser cumpridas em uma situação política de democracia sem restrições.[23]

IV.
Esperamos que com este breve esboço tenha ficado um pouco mais claro a que nos referimos por complementar a crítica da economia política com as modernas teorias de informação e controle. É curioso que até a etimologia da palavra nos pareça sugerir algo assim. “Cibernética” vem do verbo grego kybernao, que significa “conduzir” ou “timonear” um navio.[24] Assim, uma maneira visual de explicar nossa abordagem seria que o mercado significa deixar o navio (sociedade) ao destino dos ventos e das marés, enquanto o planejamento cibernético nos permitiria assumir o leme e navegar para onde quisermos.

Em todo caso, e como conclusão, gostaríamos de salientar que nossa intenção última é advertir que qualquer programa político revolucionário do século XXI deve ter entre suas prioridades a promoção de projetos de pesquisa que ajudem a conceituar a socialização dos meios de produção e sua gestão radicalmente democrática através do uso das tecnologias disponíveis. Assim, ainda há muito a ser feito, daí a importância dos novos teóricos e grupos de trabalho.[25] Temos um longo caminho a percorrer, mas a rápida proliferação dessa abordagem nos últimos cinco anos nos diz que suas bases são sólidas e seu futuro é promissor.

Notas

[1] O sucesso da cibernética tem sido tal que tem se disseminado em diferentes ramos do conhecimento, sendo o mais inovador o chamado aprendizado de máquina. Se a cibernética é hoje “invisível” é porque está em toda parte: telecomunicações, engenharia de controle, biotecnologia, neurologia, inteligência artificial, robótica, etc.

[2] Norbert Wiener. Cybernetics: Or Control and Communication in the Animal and the Machine. 1948.

[3] Claude Shannon. Una teoría matemática de la comunicación. 1948.

[4] Alan Turing. Maquinaria computacional e inteligência. 1950.

[5] Roger C. Conant e W. Ross Ashby. Every Good regulator of a system must be a model of that System. 1970.

[6] Norbert Wiener. The Human Use of Human Beings: Cybernetics and Society. 1950.

[7] O texto que dá início a todo esse interesse é o artigo dos já mencionados soviéticos, Las principales características de la cibernética, de 1955. No caso da Alemanha Oriental, seu principal promotor foi Georg Klaus, sobre quem você pode ler em: https: //cosmonautmag.com/2021/07/the-introduction-of-cybernetics-in-the-gdr-by-jerome-segal/ .

[8] Friedrich August von Hayek. El Uso del Conocimiento en la sociedad. 1945.

[9] Oscar Lange. La computadora y el mercado, 1966; Introduction to economic cybernetics, 1969.

[10] Cerveja Staffor. Brain of the Firm. Segunda edição (muito estendida). 1981.

[11] Vasily Pikhorovich. Glushkov y sus ideas: La cibernética del futuro. 2014. Disponível em: https://cibcom.org/glushkov-y-sus-ideas-la-cibernetica-del-futuro/ .

[12] Jeremy Gross. Stafford Beer: Eudemony, Viability and Autonomy. 2020. Disponível em: https://www.redwedgemagazine.com/online-issue/stafford-beer-eudemon .

[13] West, D. K. Cybernetics for the command economy: Foregrounding entropy in late Soviet planning. 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0952695119886520 .

[14] Estamos cientes de que Elena Veduta, filha de Nikolay Veduta, parece ter desempenhado um papel semelhante na Rússia pós-soviética, influenciando coletivos cibercomunistas como Tsifrovoy Sotsiaizm (Socialismo Digital) (https://vk.com/@digital_socialism ). Mas, até alguns meses atrás, houve um desenvolvimento de forma relativamente paralela.

[15] Uma boa abordagem para essas abordagens pode ser encontrada na resenha de I. Wright de How labor powers the global economy, o último livro que Farjoun e Machover publicaram junto com David Zachariah: https://weeklyworker.co.uk/ worker /1395/compreensão-dinâmica-capitalista/ .

[16] I. Wright. Marx on Capital as a Real God. Disponível em: https://ianwrightsite.wordpress.com/2020/09/03/marx-on-capital-as-a-real-god-2/ .

[17] Sem entrar em muitos detalhes, a fórmula D – M – D’ é a expressão formal da dinâmica básica dos mercados: um determinado agente faz um primeiro investimento monetário (D) para comprar capital e produzir uma determinada mercadoria (M) que espera poder vender depois gerando certo lucro; ou seja, mais dinheiro do que tinha no início (D’).

[18] K. Marx. O capital. Crítica da Economia Política. 1867. Ver fragmento em: https://webs.ucm.es/info/bas/es/marx-eng/capital1/4.htm .

[19] E, Altvater. Notes on some problems of state interventionism.1973; W. Müller e Christel Neusüss, The illusion of state socialism and the contradiction between wage labor and capital.

[20] Ver Paul Cockshott e Allin Cottrell, Hayek, information and knowledge, em “Classical Econophysics”; Contra Hayek, em “Ciber-comunismo. Planificación económica, ordenadores y democracia”.

[21] J. O’Neil. Cálculo Socialista y Valoración Ambiental: Dinero, Mercado y Ecología. 2021. Disponível em: https://cibcom.org/calculo-socialista-y-valoracion-ambiental-dinero-mercado-y-ecologia/ ; A. Benavav. Cómo fabricar un lápiz. 2020. Disponível em: https://cibcom.org/como-fabricarun-lapiz/ .

[22] Essa ideia é amplamente desenvolvida na obra de Marzoa: “um cálculo total só é possível quando todos os dados do sistema produtivo são de tal natureza que podem ser expressos em termos rigorosamente objetivos, e isso implica a substituição de um processo produtivo com uma infinidade de microoperações humanas contingentes para um de natureza automática, em que as decisões se concentram nos processos de cálculo técnico-científico” (Felipe Martínez Marzoa. La Filosofía de El Capital. 1983. Capítulo IX.).

[23] Ibid. Capítulo X.

[24] Etimologia de CIBERNÉTICA: http://etimologias.dechile.net/?ciberne.tica .

[25] Tomas Härdin, Jan Phillip Dapprich, David Zachariah, Grigory Kopanev, Spyridon Samothrakis, Nicolas D. Villarreal, etc. São bons exemplos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário