Pages

PL do Veneno avança no Senado e pode ser votado nesta terça-feira (20)

Projeto que libera agrotóxicos cancerígenos é aprovado em Comissão; especialista aponta "manobra" de parlamentares


Por Murilo Pajolla
Do Brasil de Fato | Lábrea (AM) | 19 de Dezembro de 2022 





PL do Veneno enfrenta oposição de especialistas e órgãos do próprio governo federal
- Foto: Divulgação
A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado aprovou nesta segunda-feira (19) relatório favorável ao projeto de lei (PL) 1.459/2022, o PL do Veneno, que flexibiliza a aprovação e a comercialização de agrotóxicos.

Caso seja colocado em pauta pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o texto pode ser votado em plenário pelos senadores a partir de terça-feira (20). Caso seja aprovado, estará livre para ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda em
2022.

:: Intoxicação por agrotóxicos mata um brasileiro a cada dois dias, diz relatório ::

O PL do Veneno abre caminho para o uso de novos tipos de agrotóxicos, além dos mais de 2 mil já liberados durante o governo Bolsonaro. Segundo o Greenpeace, o texto permite o registro de substâncias comprovadamente cancerígenas e atualmente proibidas no Brasil.

"Votação às escuras"

O PL do Veneno propõe abolir o termo "agrotóxico" e substituí-lo por "pesticida". A matéria contraria pareceres da Anvisa, Fiocruz e Instituto Nacional de Câncer (INCA). O projeto não foi apreciado por outras comissões do Senado, conforme demandam organizações da sociedade civil, especialistas e parlamentares.

"Foi uma votação às escuras, no apagar das luzes da legislatura", afirmou o assessor Legislativo do Instituto Socioambiental Kenzo Jucá. Segundo ele, o projeto recebeu dez alterações significativas na sessão de hoje (19), mas apenas 30 minutos foram concedidos para apreciação das mudanças.

"Esse PL vai gerar nível de contaminação que praticamente eliminaria a possibilidade de coexistência de outros modelos agrícolas baseados na produção de alimentos saudáveis, sem uso de agrotóxicos, como a agroecologia, por exemplo", avalia Jucá.

:: Quebradeiras de coco reforçam luta contra os agrotóxicos e por acesso livre aos babaçuais ::

Marina Lacôrte, porta-voz de Agricultura e Alimentação do Greenpeace Brasil, concorda. "É inaceitável avançar com um projeto de tamanha gravidade para a saúde da sociedade e para a natureza. Precisamos de menos veneno no prato e mais comida de verdade", declarou.

Digitais de ruralistas

O PL do Veneno tem as digitais de dois grandes empresários do agronegócio com atuação na política. Um eles é Blairo Maggi, ex-senador e ex-ministro da Agricultura, que propôs o projeto de lei original há 20 anos.

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) foi o responsável por protocolar em 2022 um substitutivo ao projeto de Maggi, atualizando o texto. Gurgacz acumula ainda a presidência da Comissão de Agricultura e a relatoria do PL do Veneno na Câmara.

Gurgacz minimizou possíveis danos à saúde pública causados pela flexibilização das regras. Segundo a Agência Senado, o parlamentar afirmou que uma das mudanças feitas hoje (19) ao PL do Veneno elimina a possibilidade do uso "de qualquer que seja o pesticida que venha a trazer risco a doenças crônicas".

Edição: Nicolau Soares

Nenhum comentário:

Postar um comentário