Pages

Indígena yanomami é assassinada em Roraima e associações pedem “investigação minuciosa”

Segundo entidade, dois homens atiraram contra um grupo que estava acampado na Zona Sul de Boa Vista


Por Caroline Oliveira
Do Brasil de Fato | São Paulo (SP) | 13 de Novembro de 2022 



Local em que ataque a índigenas yanomami ocorreu - Reprodução/Redes Sociais

A Hutukara Associação Yanomami (HAY) publicou uma nota neste sábado (12) pedindo a investigação do assassinato de uma indígena por dois homens, na noite desta sexta-feira (11), no bairro São Vicente, na Zona Sul de Boa Vista, em Roraima. O caso foi registrado como homicídio no 3º Distrito Policial, sob investigação da Polícia Civil.

De acordo com a associação, dois homens passaram de bicicleta e atiraram contra um grupo de indígenas acampados na avenida Venezuela. Dois dos disparos atingiram uma mulher na cabeça, que morreu no local. Um homem foi socorrido e está internado no Hospital Geral de Roraima.

“As autoridades precisam investigar com diligência os responsáveis pelos ataques e o que os motivou. A disposição em assassinar indígenas de passagem pela cidade, reunidos pacificamente em local público, configura crime de ódio e deve ser investigado como tal”, disse a organização dirigida por Dario Yanomami, filho do líder Davi Kopenawa.

::Em grupos virtuais, garimpeiros ilegais que atuam na Amazônia atacam Lula e exaltam Bolsonaro::

O Conselho Indígena de Roraima (CIR) se somou à Hutukara Associação Yanomami e pediu uma “investigação minuciosa” sobre o caso, “que não deverá e nem pode ficar impune, pois uma criança está órfã e uma família perde um de seus membros em um ato covarde e sem precedentes, novamente a um povo que saiu de suas terras devido ao contato forçado com invasores e garimpeiros onde perderam parte de suas terras, e sua territorialidade ancestral”.

A Hutukara Associação Yanomami afirma que o caso faz parte de um ciclo de ódio e violência contra os povos indígenas. O grupo que sofreu o ataque pertence à região do Ajarani, no sul de Roraima, que vem sendo ocupada por não-indígenas desde a década de 1970, com a construção da perimetral Norte (BR-210), que avançou cerca de 100 quilômetros pelas terras tradicionais dos Yanomami. Com o avanço sobre as terras, os indígenas foram obrigados a se deslocar para outras regiões.

“A presença do grupo de yanomamis que foi alvo de ataques na cidade [de Boa Vista] tem sido constante motivo de queixas preconceituosas contra os mesmos, ignorando não só a situação de vulnerabilidade a que ficam sujeitos quando estão na cidade, como também alimentam a discriminação contra os indígenas em razão de suas particularidades culturais e modos de vida”, destaca a organização.

::Nove crianças Yanomami morrem por falta de atendimento em dois meses, diz associação::

“Não é admissível que a cidade, capital do estado de maior presença de indígenas em relação ao total da população, permaneça como lugar de hostilização e ataques contra indígenas que nela circulam. Ao contrário, a Funai e demais órgãos públicos precisam criar condições para que este e outros grupos de passagem tenham um local de referência com boas condições para recebê-los durante sua estadia na cidade enquanto encaminham questões de seu interesse.”

Leia a nota na íntegra:

Nós povo Yanomami queremos cumpram justiça!! pic.twitter.com/BM9i5rpezy — Dário Kopenawa Yanomami (@Dario_Kopenawa) November 13, 2022

Edição: José Eduardo Bernardes

Nenhum comentário:

Postar um comentário