Pages

Capitalismo subsidiado

Do Site Economia E Complexidade, 30 de Outubro 2022
Por Paul Sweeney [1], Social Europe, 6/10/2022



O Estado, hoje, é uma grua que levanta um capitalismo arruinado

Para lidar com a crise climática, os governos devem reconhecer que apenas o Estado foi capaz de conter as crises nas três últimas crises.

Eventos climáticos extremos, como as inundações no Paquistão, que deixam um enorme número de mortes e espalham miséria em seu rastro, tornam a crise climática uma ameaça existencial.

Houve uma transformação revolucionária do capitalismo, o sistema econômico ocidental, em pouco mais de uma década. Quatro eventos extraordinários demonstraram que, na maioria dos países, a relação entre o Estado e o mercado se transformou, alterando radicalmente o sistema econômico. O impacto na política está sendo sentido, mas ainda não foi totalmente reconhecido, especialmente pelos progressistas.

A primeira grande mudança foi a resposta dos Estados-nação ao colapso em 2008 do modelo de neoliberalismo – atores “racionais” operando em mercados “livres” – com a crise financeira. O resgate estatal de empresas financeiras privadas custou grandes somas aos contribuintes de todos os países. No Reino Unido, o National Audit Office colocou o resgate dos bancos em £ 1 trilhão em seu pico. Nos Estados Unidos, entre muitas estimativas, foi adiantado um valor de US$ 500 bilhões. Quanto à Irlanda, custou € 64 bilhões – mais que o dobro da receita tributária total em 2010 – para resgatar seus bancos.

A pandemia precipitou uma segunda intervenção maciça de estados em todo o mundo por meio de subsídios às empresas. Nos EUA, por exemplo, em uma estimativa, isso totalizou US$ 600 bilhões diretamente – 2,7% do produto interno bruto – mais US$ 1.350 bilhões em juros e outros apoios.

A terceira crise, da energia, fez com que os Estados mais uma vez interviessem no mercado para gastar ainda mais bilhões em apoios às empresas e aos cidadãos. Os governos dos EUA e da Europa têm gastado grandes fortunas em subsídios para empresas continuarem suas operações e para cidadãos pagarem suas contas. Os governos também estão gastando bilhões no resgate de empresas importantes, como a importadora de gás da Alemanha (Uniper).

Essas três enormes intervenções estatais de estilo keynesiano no mercado ocorreram na maioria das economias modernas, sob governos de direita e esquerda. Eles não foram planejados, mas foram executados com razoável sucesso. O sistema econômico foi salvo, três vezes. Ele foi bem alterado, mas não fundamentalmente.

Ameaça existencial

O capitalismo foi transformado de um sistema em que os mercados são “livres” de intervenção para um sistema em que as empresas são subsidiadas pelo Estado. Aconteceu três vezes, em rápida sucessão — e a quarta crise está em andamento. A ameaça existencial da mudança climática já está exigindo uma ação ainda maior liderada pelo Estado no mercado.

Nas três primeiras crises, o Estado tomou as medidas necessárias porque políticos de todos os matizes acreditavam que não tinham escolha a não ser gastar muito, salvar empresas, empregos e sociedades. Na quarta crise, no entanto, muitos líderes políticos ainda acreditam que têm escolhas. A maioria reconhece que a mudança climática exige ações maciças lideradas pelo Estado, nacional e multilateralmente. Mas eles temem que os investimentos públicos necessários em escala, os novos regimes regulatórios e os novos impostos necessários para nos levar à transição para o carbono zero os tirem do poder.

Os conservadores se opõem à mudança e querem que as coisas permaneçam as mesmas. No clima, no entanto, a inação significa que as coisas não permanecerão as mesmas, mas mudarão radicalmente – para pior. Assim, os políticos conservadores devem se unir aos social-democratas e verdes para acelerar as ações necessárias para reparar o ecossistema.

Os governos não estão conseguindo cumprir metas que já são inadequadas. No entanto, as ações de todos os políticos no enfrentamento das crises bancárias, do Covid-19 e de energia mostram o que pode ser feito, com grande sucesso, pelos governos.

Profundamente interdependente

A intervenção estatal não é nova. Em 100 anos, o tamanho do Estado moderno se expandiu de menos de 20% da renda nacional na década de 1920 para cerca de metade hoje. Os gastos dos governos da União Europeia atingiram em média 51,5% do PIB em 2021. Tem sido assim há muitas décadas, embora com flutuações e com alguns países, como Bélgica, França e Alemanha, mais altos e Reino Unido e Irlanda mais baixos.

A economia moderna é uma economia mista onde o Estado e o setor privado são profundamente, simbioticamente, interdependentes. O grande tamanho do estado de hoje é necessário para a vida e os negócios modernos. O que mudou é que grandes partes do sistema de mercado tornaram-se, por períodos, quase totalmente dependentes do Estado.

A crença da ex-primeira-ministra do Reino Unido, Margaret Thatcher, de que o setor privado deve ser dominante e o público dependente foi profundamente desafiada e, de fato, derrubada pelas respostas dos governos a essas três crises e pelo sucesso do Estado em manter – até mesmo salvar – o setor privado. A ambição de alguns da direita de encolher o estado inevitavelmente falha, porque o estado moderno é muito importante para sustentar o sistema de mercado. Grande parte da política envolve mudanças relativamente pequenas nos gastos públicos e sua alocação e na regulação do mercado.

A política seria mais eficaz se o paradigma dominante – segundo a qual um setor privado dinâmico impulsiona toda a economia e que os serviços públicos dependem dele – fosse reconhecido como extinto. O Estado não é apenas um facilitador da geração de riqueza, mas também um criador. O estado tem sido o principal propulsor de algumas das maiores inovações da tecnologia moderna, como a internet, o Sistema de Posicionamento Global e outras tecnologias de comunicação, como Mariana Mazzucato mostrou em seu livro O Estado Empreendedor.

Poder do estado

Churchill disse a famosa frase: “Nunca deixe uma boa crise ser desperdiçada”. Embora tenha havido gastos estatais sem precedentes nessas três crises, os governos receberam pouco em troca e não usaram as crises para reduzir a desigualdade. Em suma, eles salvaram o sistema, mas deixaram as crises serem desperdiçadas.

Desde a crise financeira, os bancos estão mais bem regulamentados e mais bem capitalizados; muitos investimentos dos contribuintes foram reembolsados. Permanece, no entanto, um grande setor bancário paralelo não regulamentado, onde a “inovação financeira” ainda está prosperando, com o capital privado entrando ameaçadoramente até mesmo na saúde e na habitação. Os principais salários dos bancos estão subindo por meio dos “pagamentos de incentivo”. Ora, isso tem aumentado o risco moral. alimentando possivelmente ainda mais colapsos. Os bancos públicos estão novamente sendo privatizado, apesar de seu histórico ruim em mãos privadas, seu tamanho (grande demais para falir) e importância.

A crise do Covid-19 interrompeu brevemente a marcha da hiperglobalização não gerenciada, onde o vencedor leva quase tudo. À medida que as cadeias de suprimentos entraram em colapso, os governos intervieram nos mercados de maneiras sem precedentes. Agora, porém, parece haver um retorno às grandes desigualdades da globalização neoliberal. Durante a pandemia, os governos não insistiram que as empresas subsidiadas não deveriam se envolver em demissões em massa (como fizeram a British Airways e outras) ou recompras de ações ou pagar dividendos desses subsídios estatais (como fez a Tesco). Alguns políticos da oposição sinalizaram que tais condições deveriam ser impostas antes que os subsídios fossem concedidos, mas eles foram geralmente ignorados.

A invasão da Ucrânia pela Rússia, no entanto, fez perceber o quão dependentes dos combustíveis fósseis ainda é a Europa. Com a necessidade de mudanças rápidas reconhecida, a escala massiva da intervenção estatal no mercado de energia mostra que podemos acelerar com sucesso o caminho para a economia de carbono zero.

Desperdiçando as crises

Esses três grandes golpes keynesianos de gastos públicos funcionaram. Eles demonstraram o poder do Estado intervencionista moderno. Assim, a quarta grande intervenção, a transição climática para quase zero carbono, também pode ser alcançada – pelo menos na perspectiva da esperança.

A mudança climática é existencial. Contudo, ela já está começando a danificar irreparavelmente partes do mundo e pode acabar com a humanidade. Mas o sucesso dos governos em todo o mundo em lidar com as três primeiras crises demonstrou claramente que é possível lidar com a crise existencial das mudanças climáticas de forma eficaz e rápida, desde que haja vontade política e condições estruturais.

A maior dificuldade para os políticos em lidar com a crise climática é a desigualdade. Consiste em garantir que as empresas pobres e vulneráveis não sofram durante este período de grandes mudanças econômicas e sociais. É por isso que o conceito de “transição justa”, originário do movimento sindical, tornou-se amplamente aceito na UE como parte da nova narrativa política.

Precisamos agora de um novo contrato social entre os povos e os Estados. A redução da desigualdade deve estar no centro de grandes programas de gastos liderados pelo Estado para fazer a transição para zero carbono. Este caminho está o melhor chance de sucesso.

[1] O autor economista-chefe do Congresso Irlandês de Sindicatos por uma década.

COMPARTILHE:
E-mail
Imprimir
Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn

Publicado em Economia Política | Marcado com capitalismo, capitalismo subsidiado, Crises do capitalismo, estagnação secular, financeirização, ilusão neoliberal, longa depressão

Nenhum comentário:

Postar um comentário