Pages

O combate à pobreza depende da conservação da biodiversidade. Entrevista especial com Carlos Joly

Para o pesquisador, é falso o argumento de que as soluções contra a miséria dependem do aumento das grandes áreas produtivas, e desfaz a confusão retórica entre crescimento e desenvolvimento, este último inexistente no Brasil

Foto: PixNio

Do IHU, 25 Agosto 2022

Por: João Vitor Santos | Edição: Ricardo Machado


“A conservação da biodiversidade está na base da redução da pobreza”, afirma Carlos Joly. Simples e direto, o pesquisador e presidente da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos lembra que, no mundo, “cerca de 1,5 bilhão de pessoas vivem do uso direto da biodiversidade. Ou seja, vivem de coletar organismos, sejam eles marinhos – e uma grande parcela vive desses organismos – ou de frutos, animais silvestres e outras formas de vida”, explica em entrevista por videoconferência ao Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Os dados acima se opõem ao discurso dominante, ainda que falso, de que o combate à miséria depende dos grandes produtores ligados ao agronegócio que, ao fim e ao cabo, é nocivo à agricultura. “O que nós temos é crescimento e uma condição de não desenvolvimento. Estamos aumentando a quantidade de alimentos produzidos, mas provocando uma destruição que vai reduzir a nossa própria capacidade de produzir alimentos”, assevera Joly.

“Há um outro modelo de desenvolvimento, em que você põe a biodiversidade como um dos sustentáculos”, propõe o pesquisador. “A pobreza e a fome são primordiais, vêm antes de tudo. O que nós entendemos é que não é preciso destruir ecossistemas da biodiversidade para resolvê-los. Pelo contrário, só estamos empurrando o problema para frente, só vai se agravar”, complementa.



Carlos Alfredo Joly (Foto: Arquivo pessoal)

Carlos Alfredo Joly possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, PhD em ecofisiologia vegetal pela Universidade de Saint Andrews, Escócia e pós-doutorado pela Universidade de Berna, Suíça. É professor titular em Ecologia do Instituto de Biologia da UNICAMP, membro titular da Academia Brasileira de Ciências, coordenador da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos e membro do Painel Multidisciplinar de Especialistas/MEP da Intergovernamental Platform on Biodiversity and Ecosystem Services/IPBES e do Comitê Científico do Inter-American Institute for Global Change Research/IAI.

Confira a entrevista.

IHU – Qual é o conceito de biodiversidade que melhor representa o tempo que temos vivido? Quais os desafios para compreender a inserção do humano nesse conceito?

Carlos Joly – Costumo usar a definição de biodiversidade da Convenção sobre a Diversidade Biológica, que é: a biodiversidade é a diversidade de genes dentro de uma espécie, a diversidade entre as espécies, a diversidade de ecossistemas, a diversidade de biomas e suas relações independente de serem organismos marinhos, terrestres ou de água doce. O humano faz parte e é uma espécie importante dentro desta definição. Eu tenho trabalhado com o conceito de “one health”; é tudo uma saúde só, a saúde do planeta, a saúde da humanidade.

Eu tenho trabalhado com o conceito de “one health”; é tudo uma saúde só, a saúde do planeta, a saúde da humanidade – Carlos Joly Tweet

IHU – Como compreender a relação entre a conservação da biodiversidade e a redução da pobreza?

Carlos Joly – A conservação da biodiversidade está na base da redução da pobreza. Devemos lembrar que cerca de 1,5 bilhão de pessoas vivem do uso direto da biodiversidade. Ou seja, vivem de coletar organismos, sejam eles marinhos – e uma grande parcela vive desses organismos – ou de frutos, animais silvestres e outras formas de vida. Portanto, quando falamos de conservação, jamais podemos colocar como contraponto o desenvolvimento. O que nós temos é crescimento e uma condição de não desenvolvimento. Estamos aumentando a quantidade de alimentos produzidos, mas provocando uma destruição que vai reduzir a nossa própria capacidade de produzir alimentos.

Outro desenvolvimento

É possível praticamente dobrar a capacidade de produção de alimentos do mundo sem destruir nada da natureza; basta que otimizemos a utilização daquilo que já destruímos. Há um outro modelo de desenvolvimento, em que você põe a biodiversidade como um dos sustentáculos.

A conservação da biodiversidade está na base da redução da pobreza – Carlos Joly Tweet

Hoje, o que temos no mundo, em grande parte, é mais um problema de distribuição de alimentos do que a produção de quantidade de alimentos necessários. Por razões políticas de diversas ordens, temos uma má distribuição, o que faz com que uma parte da população passe fome. É evidente que, para uma população que está passando necessidades, o diálogo sobre a conservação não vai funcionar, pois a iminência dela é conseguir alimento para sobreviver mais um dia. É preciso, então, trazer alimentos de forma que eles possam continuar sendo produzidos nos próximos séculos, e não apenas nos próximos três ou quatro anos, em que a terra fica exaurida e não é mais possível produzir nada ali e tenho que derrubar um pedaço de floresta ou Cerrado para plantar.

A questão da pobreza e da fome são primordiais, vêm antes de tudo, para resolver o problema. O que nós entendemos é que não é preciso destruir ecossistemas da biodiversidade para resolvê-los. Pelo contrário, só estamos empurrando o problema para frente, só vai se agravar.


 

IHU – Por que há tanta resistência em relação a propostas como a que o senhor apresenta?

Carlos Joly – De fato existe uma resistência de uma parcela do agronegócio, a fatia mais conservadora e que usa técnicas ultrapassadas. Quando se trabalha com um médio ou grande agricultor que planta café ou soja é possível demonstrar para ele que se mantiver pedaços, fragmentos da vegetação nativa, a reserva legal e as Áreas de Proteção Permanente - APPs, ele terá uma maior produtividade. Por quê? Porque está mantendo os polinizadores durante o ano todo, mantendo populações de abelhas e de outros organismos que são importantes para a polinização.

A pobreza e a fome são primordiais, vêm antes de tudo. O que nós entendemos é que não é preciso destruir ecossistemas da biodiversidade para resolvê-los. Pelo contrário, só estamos empurrando o problema para frente, só vai se agravar – Carlos Joly Tweet

A soja não depende da polinização, ela é autofecundada, mas se ela tiver essa polinização as sementes e os frutos serão maiores, então ganha em produtividade - algo na casa dos 18% quando se tem os polinizadores. Não é um ganho marginal, é um ganho significativo. Com o café isso chega a 20%. Quando se faz esses experimentos e o produtor sente no bolso a diferença, passa a ser um defensor dessas paisagens multifuncionais, paisagens onde há áreas agrícolas remanescentes e onde se mantém a vegetação nativa, de preferência interconectadas para ter uma maior capacidade de conservação, mantendo a presença da população de polinizadores.

Quando a soja entra na florada, ela começa a atrair abelhas, só que leva um tempo para essa população crescer e se desenvolver. Se o agricultor mantém as populações de abelhas na área do entorno - porque fora da florada da soja ela tem a florada das espécies nativas para se alimentar e se manter -, quando a soja floresce, rapidamente há um aumento da população com efeito da polinização bastante positivo.

A soja não depende da polinização, ela é autofecundada, mas se ela tiver essa polinização as sementes e os frutos serão maiores, então ganha em produtividade, algo na casa dos 18% – Carlos Joly Tweet

Conservação e crescimento do PIB

A polinização no Brasil representa R$ 43 bilhões de um aumento de produção do que estamos exportando para o PIB. Não é uma coisa marginal, é algo que tem um impacto sério na nossa balança comercial. Mas se o agricultor não quer ouvir, ele pulveriza tudo e acha que os polinizadores atrapalham a lavoura, e com isso ele perde produtividade. Esse tipo de cálculo que tem sido feito mostrando os ganhos no cultivo do café, da laranja, da soja, do morango, vai convencendo o agricultor. O pequeno agricultor é facílimo de ser convencido, porque qualquer ganho que ele tenha é fantástico. O médio e o grande são um pouco mais difíceis. Há, porém, grandes agricultores que estão intercalando a produção com áreas de proteção, a reserva legal, entrando no que preconiza o Código Florestal Brasileiro para se ter essa garantia.

O que almejamos agora? Ter uma política nacional de polinizadores. Por quê? Por uma preocupação com as abelhas? Não, pela preocupação em regulamentar agrotóxico, preocupação em não administrar agrotóxicos que sejam nocivos para as abelhas. Isso tiraria de circulação uma quantidade enorme de agrotóxicos que estamos usando e que não são somente nocivos às abelhas, mas para nós, humanos, também. Se a gente não consegue avançar na regulamentação por conta dos lobbies, podemos avançar estabelecendo uma política que preveja o que é ou não permitido usar.

A polinização no Brasil representa R$ 43 bilhões de um aumento de produção do que estamos exportando para o PIB. Não é uma coisa marginal, é algo que tem um impacto sério na nossa balança comercial – Carlos Joly Tweet

IHU – E como está esta situação? Há projetos em tramitação?

Carlos Joly – Há um projeto de lei – PL 4.429/2020 – que está na câmara e o relator foi o deputado Rodrigo Agostinho, de São Paulo, mas no momento está parado. Pretendemos avançar nisso e tem uma discussão que avançou muito com os técnicos do Ministério do Meio Ambiente e no Ministério da Agricultura, onde foi feita uma câmara mista para discutir isso.

O corpo técnico é o pessoal que permanece. Certamente em um novo governo haverá novos ministros, mas os técnicos de carreira, que são pessoas altamente qualificadas, permanecem, então esperamos retomar essa discussão assim que tivermos uma nova legislatura e o Congresso voltar a funcionar, pois é algo que está bastante avançado.

IHU – Do que se trata esse projeto?

Carlos Joly – Ele valoriza muito as abelhas nativas, não as abelhas europeias, as sem ferrão. O PL 4.429/2020 estabelece uma série de critérios de manutenção da vegetação mínima, as áreas proporcionais, as espécies que são, digamos assim, amigas das abelhas – com flores que sejam polinizadas por elas; estabelece os defensivos e quando podem ser utilizados, os tipos e as classes etc.

Agora há uma atividade comercial que está ganhando escala e cuja expressão popular que melhor explica é “Uber de abelha”. As pessoas alugam as colmeias. Os proprietários de colmeias as levam para uma região onde tenha soja e deixam elas lá um tempo para fazerem a polinização. Mas isso precisa ser regulamentado, pois não é adequado, por exemplo, que se pegue uma espécie de abelha do Sudeste e leve para a Amazônia. Isso tudo está sendo previsto pelo projeto. O uso das abelhas locais, a questão da capacitação que se precisa ter para trabalhar com as abelhas nativas, com exigências diferentes das europeias.

Existe uma coalizão internacional de proteção aos polinizadores, da qual desejamos que o Brasil faça parte, em que eles têm bastante experiência, mas que não desejamos importar o texto na íntegra, porque eles não têm as nossas abelhas, razão pela qual precisamos desenvolver as nossas tecnologias. Temos excelentes grupos trabalhando com polinização, reprodução e comercialização de produtos de espécies nativas de abelha. Essa é uma área que deve avançar bastante em um futuro muito próximo.

IHU – No que consiste a bioprospecção e identificação de novas moléculas de valor econômico?

Carlos Joly – Essa seria uma área que poderia render muitos recursos para o país, mas infelizmente não rende. Até a virada dos anos 2000, havia muitos pesquisadores da área de química de produtos naturais que olhavam a estrutura molecular dos organismos de nossas plantas. Por exemplo, as plantas de Cerrado têm uma gama muito grande do que chamamos metabólicos secundários. A maior parte deles são de defesa para evitar herbívoros pequenos, lagartas e borboletas que vão comer a folha. Mas estes compostos também podem ser interessantes para a indústria farmacêutica. Por exemplo, a estrutura da molécula do veneno da jararaca foi utilizada para o desenvolvimento dos remédios que hoje nós tomamos para a pressão. Todos os medicamentos que usamos para controlar a pressão vêm dessa estrutura. O Brasil ganhou algum retorno financeiro com isso? Nada. Não havia legislação, o químico faz o trabalho dele, descreve a molécula, faz a parte tridimensional e publica. Aí um químico em uma indústria farmacêutica olha para aquela publicação e pensa “Ahhh, essa molécula aqui, se eu mexer nela, assim, assim, assado, eu posso eventualmente transformar isso em um remédio”.

Em geral, até o final do século XX muita gente trabalhava com o conhecimento tradicional, não era uma busca aleatória de qualquer planta. Por exemplo, o barbatimão serve para quê? Aí a partir disso se fazia a análise molecular. Hoje não é mais assim, vai-se a uma área de Cerrado e se coleta folhas de 50 espécies, fazendo uma triagem e identificando em placas de teste quais têm reação, e isolando estas para compreender como elas atuam.

Nós temos grupos de Norte a Sul com trabalhos voltados à química de produtos naturais excelentes. Fazemos todas as etapas, descobrimos a molécula, fazemos a estrutura da molécula, a estrutura tridimensional; somos inclusive capazes de replicar a molécula. A partir desse processo deveria entrar a indústria farmacêutica e começar os testes, possivelmente em ratos, depois em outros organismos até chegar nos humanos. Esse caminho leva uns dez anos para ter efetivamente um remédio na prateleira. Esta segunda parte, porém, nós não fazemos.

Por exemplo, a estrutura da molécula do veneno da jararaca foi utilizada para o desenvolvimento dos remédios que hoje nós tomamos para a pressão. O Brasil ganhou algum retorno financeiro com isso? Nada – Carlos Joly Tweet

Indústria sem pesquisa

A indústria farmacêutica brasileira não faz pesquisa, ela é copiadora; ela copia remédios cujas patentes estão vencendo e os transforma em genéricos. Nós não temos pesquisa em indústrias nacionais nem em indústrias multinacionais. Todo o desenvolvimento de pesquisa química de identificação para nesta etapa. Onde conseguimos avançar? Cosméticos. Porque essa área não depende de liberações da Anvisa e o processo de desenvolvimento é muito mais rápido. A Natura, que usa aqueles princípios amazônicos, consegue rapidamente colocar no mercado os produtos com uma molécula que ela extrai da raiz de uma planta e que as pessoas passam no rosto e acreditam que rejuvenesceram.

Isso avançou um pouco na indústria de defensivos agrícolas. Uma boa parte desses metabolismos secundários foi feita para combater a herbivoria. A planta do Cerrado chegou àquele ponto ao longo de toda sua evolução, mas, de repente, esse combate à herbivoria pode ser usado no cultivo de cana, pode ser usado para criar um defensivo, por exemplo, com um potencial tóxico muito menor, voltado às lagartas que comem a folha da cana.

A bioprospecção é isso, essa parte da identificação da estruturação e caracterização da molécula. A partir daí se dá o desenvolvimento tecnológico para a molécula se transformar em um fármaco, cosmético, defensivo ou eventualmente em um item alimentar.

A indústria farmacêutica brasileira não faz pesquisa, ela é copiadora; ela copia remédios cujas patentes estão vencendo e os transforma em genéricos – Carlos Joly Tweet

IHU – Mas isso é diferente da engenharia genética aplicada nos transgênicos?

Carlos Joly – Neste caso, não se está mexendo na configuração genética da planta. O que se está fazendo é trabalhar com o metabolismo que a genética da planta produz. O que se pode fazer posteriormente é mudar um radical de posição ou coisa assim, mas é química, não entra genética. É puramente químico para que aumente o potencial de uma determinada característica que se considerou importante. Isso poderia ser a base de uma forte indústria farmacêutica em parceria com a base de pesquisa que temos. Imagina se o Brasil ganhasse 1% a cada comprimido de pressão vendido no mundo? Pense na fortuna que isso representaria em termos de riqueza.

Hoje, devido ao Protocolo da Nagoia, estamos um pouco mais protegidos de outros países usarem nossos recursos. Seu regulamento visa essas utilizações, mas ainda está em uma fase de implementação e tem muita coisa por proteger. Um país como os Estados Unidos, que não ratificou a proteção da biodiversidade e, portanto, não participa do Protocolo da Nagoia, é obrigado a obedecer às regras? Então nós é que temos que mexer nossa legislação, pois, além de termos essa riqueza enorme em biodiversidade, a que chamamos de quimiodiversidade, nós também usamos uma quantidade enorme de espécies importadas.

Imagina se o Brasil ganhasse 1% a cada comprimido de pressão vendido no mundo? Pense na fortuna que isso representaria em termos de riqueza – Carlos Joly Tweet

Toda a nossa agricultura de larga escala é com espécies importadas, todas nossas criações de gado são com espécies importadas, grande parte da produção de peixes é com espécies importadas. Nós também estamos nos beneficiando ao usar os recursos biogenéticos de outros países e nossa legislação não está preparada para ser esse receptor.

Todas essas questões são pontos sobre os quasi o próximo Congresso deverá se debruçar. Nós ratificamos o Protocolo de Nagoia só agora, 12 anos depois de o documento ser assinado, em 2010, quando o Brasil se tornou membro. Temos, então, que mexer nessa legislação para ratificá-la e termos o benefício dessa nossa diversidade.

IHU – Do ponto de vista da pesquisa acadêmica, como fazer frente ao atual estado de coisas?

Carlos Joly – Penso que conseguimos manter de várias formas, por meio de instituições como a SBPC e a Academia Brasileira de Ciências, a organização chamada Coalização, Ciência e Sociedade, da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos etc. Por meio desses órgãos, continuamos a trabalhar e produzimos muito textos para jornais, mantendo-nos aguerridos, sabendo que nessas circunstâncias não conseguiremos avançar nada. Mas, como disse, os técnicos dos ministérios continuam lá. Em alguns lugares temos aberturas boas.

Em São Paulo, conseguimos avançar com a Secretaria do Meio Ambiente, montando grupos paritários entre pesquisadores, ONGs, proprietários, governo e Ministério Público para negociar como estabelecer o programa de regularização ambiental do Estado. Desejamos que esse programa proteja o pequeno agricultor e, talvez, onere o produtor maior que não respeitou as regras, com a responsabilidade de restaurar áreas que deveriam estar protegidas. O principal, porém, foi que conseguimos nos manter unidos, não nos dispersamos. Houve muitas discussões nas áreas técnicas que podem avançar com uma mudança de governo.

Devemos lembrar que cerca de 1,5 bilhão de pessoas vivem do uso direto da biodiversidade. Ou seja, vivem de coletar organismos, sejam eles marinhos – e uma grande parcela vive desses organismos – ou de frutos, animais silvestres e outras formas de vida – Carlos Joly Tweet

Engajamento ameaçado

Se o desastre acontecer e não tivermos uma mudança de governo, eu não sei se essa comunidade consegue se manter aguerrida, trabalhando desta forma por mais quatro anos. Falo por experiência própria. Eu já me aposentei da universidade, mas presido a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos e participo da Coalização, Ciência e Sociedade, permanecendo engajado em vários dos movimentos que estão acontecendo, mas o fôlego também fica prejudicado quando não conseguimos concretizar alguns resultados.

Avançamos em algumas coisas do ponto de vista teórico. Nós entendemos melhor, hoje, o Brasil. Por exemplo, no Acordo de Paris, como forma de não ter que reduzir ou controlar a emissão de gases do efeito estufa do setor produtivo e do setor de transporte, o Brasil se comprometeu a fazer um megaprojeto de restauração. Por meio de uma restauração permanente, retirar CO² da atmosfera. Isso permite que não tiremos a emissão de carros ou da indústria, o que seria mais custoso.

Ao longo de quatro anos, aprendemos muito sobre restauração. Nós tínhamos toda a base do conhecimento, mas não tínhamos escala. Agora aprendemos a trabalhar na escala que será necessária, principalmente na Mata Atlântica. Avançamos sobre como fazer isso na região amazônica, em que será necessário entrar com processos de restauração. Por outro lado, não temos a menor ideia de como restaurar o Pampa; sabemos quase nada sobre a Caatinga; no Cerrado já há grupos trabalhando, e é mais difícil e mais moroso que a floresta, mas já avançamos um pouco. Está muito desigual esse conhecimento, mas será preciso restaurar esses ecossistemas. Há quem questione “vão restaurar o Pampa, uma vegetação que vai reter pouco carbono?”; pode ser que ali a retenção de carbono não seja tão importante, mas é fundamental do ponto de vista da preservação da biodiversidade, ao passo que em outros locais é a retenção do carbono que vai ser mais importante. É preciso olhar para o conjunto.

O que nós temos é crescimento e uma condição de não desenvolvimento. Estamos aumentando a quantidade de alimentos produzidos, mas provocando uma destruição que vai reduzir a nossa própria capacidade de produzir alimentos – Carlos Joly Tweet

IHU – A conservação do meio ambiente e redução da pobreza e das desigualdades no mundo está diretamente ligada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - ODS, conjunto de metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas - ONU para serem cumpridas até 2030. Conseguiremos concluir esses objetivos? Quais as potencialidades e os limites dessa proposta?

Carlos Joly – Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - ODSs são frutos da Rio+20. Esse encontro foi uma reunião muito pobre, em que se avançou muito pouco do ponto de vista dos acordos internacionais, mas uma das coisas que ela fez foi determinar que a ONU até 2015 estabelecesse esses objetivos gerais. De fato, a ONU aprovou os 17 ODSs e colocou a meta de atingirmos eles até 2030. Isso repete um pouco o que a Convenção da Biodiversidade fez em 2010, quando a Conferência das Partes - COP foi em Nagoia, no Japão, e foram estabelecidas as Metas de Aichi, que são 20 metas, cada uma delas com submetas, que nós teríamos de ter cumprido até 2020.

A COP de 2020 não se realizou por causa da pandemia. Na preparação para a COP, todos os países tiveram que fazer uma avaliação do quanto cumpriram daquelas metas de Aichi. A conclusão foi de que concluímos muito pouco. Eu tenho a impressão de que os ODSs estão indo na mesma direção. Não somente não cumprimos a maior parte deles - nem um quarto do que seria necessário - mas principalmente não criamos os mecanismos para fazer com que sejam cumpridos. O que chamo de mecanismo, neste caso, é a necessidade estimular o fim do uso de combustíveis fósseis, por exemplo. Isso significa, em uma primeira rodada, retirar todos os incentivos do mundo para o uso de combustíveis fósseis. Ele tem que ter o custo de extração, de refino e de transporte até a bomba todos transferidos ao consumidor. Nós sabemos que esse subsídio é suicídio e continuamos usando um carbono que estava imobilizado no subsolo e jogando na atmosfera, sendo que não temos como retirá-lo e ele vai se acumulando e causando esses efeitos todos que estamos percebendo.

Não se vê uma discussão no mundo para acabar com esses subsídios. Há, sim, discussões positivas em estimular as fontes renováveis. Há estímulos para instalar painéis solares, algumas companhias energéticas dão alguns bônus etc. Há estímulos para mudar a matriz energética fóssil, mas ainda não existe uma política para acabar com os subsídios. Isso funciona com os subsídios para a agricultura e para vários outros setores em que não vemos esta discussão.

Quando olhamos do diferentes ODSs, que são 17 ao todo, vemos que muitos deles estão longe de ser atingidos. O combate à pobreza é um deles. No Brasil, nós aumentamos o nosso percentual de população pobre – Carlos Joly Tweet

Os desafios dos ODSs

No Brasil, há, no momento, finalmente, uma grande discussão sobre igualdade de gênero, de modo que há decisões que são muito mais da sociedade que de governo, mas que estão fazendo uma série de modificações nessas relações. Não se vê isso na África. Lá não há nenhum movimento. Então quando olhamos os diferentes ODSs, que são 17 ao todo, vemos que muitos deles estão longe de ser atingidos. O combate à pobreza é um deles. No Brasil, nós aumentamos o nosso percentual de população pobre; nós já tínhamos praticamente resolvido isso e tivemos esse retrocesso. Sabemos como consertar essas coisas? Sabemos, mas precisará de vontade política e vontade da sociedade, porque não é de graça que vamos tirar as pessoas da pobreza. Serão necessários investimentos.

Eu não acho que sou a pessoa que olha para o copo pela metade desde uma visão otimista. O que penso é que é excelente que tenhamos esses objetivos e que em 2025 se deve fazer uma análise global do que funcionou, do que não funcionou, quais foram os mecanismos positivos para tentar aumentar a velocidade com que são implementados. Acho difícil que consigamos até 2030.

Se pensarmos concretamente, 1% do orçamento bélico mundial resolveria mais de 50% dos problemas da biodiversidade – Carlos Joly Tweet

Na Convenção da Biodiversidade, quando se fez a análise das Metas de Aichi, acabou nosso plano, que era justamente o cumprimento dessas metas. O que se está discutindo é um novo framework para biodiversidade para 2030 e, também, 2050. Qual é a ideia? Colocar as metas temporais e numéricas para aumentar as áreas conservadas para 30%, as áreas marinhas e terrestres. Existem discussões sobre uso de recursos genéticos e como isso pode gerar avanços. Tudo isso está sendo discutido.

A proposta é que a gente consiga colocar essas metas e, ao mesmo tempo, vislumbrar quais são os mecanismos para ter todas essas estratégias implementadas até 2030 para em 2050 podermos viver em harmonia com a natureza. Isso se chama Post-2020 Global Biodiversity Framework, isso é o protocolo que ficou no lugar das Metas de Aichi. Os países em desenvolvimento estão brigando muito por recursos e questionam: “Se vocês querem que eu aumente minha proteção florestal? Isso tem um custo, não tenho como financiar esse custo. Quais são os mecanismos que terei para viabilizar isso?”. Os países ricos, por sua vez, alegam que estão em crise econômica, que o dinheiro está escasso etc. Se pensarmos concretamente, 1% do orçamento bélico mundial resolveria mais de 50% dos problemas da biodiversidade.



IHU – Desde seu doutorado, o senhor desenvolve pesquisas sobre a resistência de árvores e plantas a adversidades ambientais, como inundações. Ou seja, como são capazes de se adaptar às condições a elas impostas. No que podemos, enquanto humanidade, aprender com essas plantas?

Carlos Joly – As plantas de vida relativamente curta, que são anuais, que germinam, crescem, florescem, produzem novas sementes e recomeçam o ciclo, têm uma adaptabilidade muito grande. Elas conseguem responder a mudanças ambientais de uma maneira mais rápida do que, por exemplo, as árvores, que levam mais tempo para chegar à maturidade sexual e, consequentemente, tem ciclos mais longos em meio a mudanças climáticas muito rápidas. De todo o modo, eu sempre fico muito impressionado e isso foi o que me chamou atenção para atuar com o grupo de plantas que eu trabalhei. Há árvores que têm uma enorme capacidade de se adaptar a situações bastante extremas e que nós, os humanos, já perdemos. Talvez já tenhamos tido essa capacidade, mais próximo às nossas origens, mas a perdemos.

Em função do desmatamento, nossa pegada de carbono individual no Brasil é igual a de um país europeu. Se tirar o desmatamento, nós temos 70% da pegada de um europeu, na média. Um americano tem mais que o dobro disso – Carlos Joly Tweet

É impossível pensar num mundo em que a minha pegada de carbono, ou de um colega de um país africano ou asiático, seja igual a de um colega norte-americano. A quantidade de consumo de carbono individual das pessoas cresceu muito e no Brasil a pegada ecológica da elite financeira é muito alta. Quanto estamos preparados para viver com menos, a diminuir nossa pegada? Abrir mão do ar-condicionado, de comer carne todo dia? É uma questão de mudanças de hábitos que nós teremos que recorrer pois o planeta não tem capacidade para que todo o mundo tenha uma pegada próxima à nossa. Em função do desmatamento, nossa pegada de carbono individual no Brasil é igual a de um país europeu. Se tirar o desmatamento, nós temos 70% da pegada de um europeu, na média. Um americano tem mais que o dobro disso.

Essas mudanças, que na linguagem dos tratados são chamadas de transformativas, vão depender muito da vontade de cada um de abrir mão de algumas coisas que são consideradas um conforto, uma necessidade. Será que teremos a capacidade de nos adaptar com menos? Ninguém vai passar frio ou fome, ninguém vai ficar sem água, mas temos que diminuir os nossos padrões. São decisões muito individuais. Estarmos atentos à vida e às outras formas de vida, que estão se adaptando, é fundamental porque temos o que aprender com elas, pois precisaremos passar por um período semelhante.

Essas mudanças, que na linguagem dos tratados são chamadas de transformativas, vão depender muito da vontade de cada um de abrir mão de algumas coisas que são consideradas um conforto, uma necessidade – Carlos Joly Tweet

IHU – Deseja acrescentar algo?

Carlos Joly – Nós que estamos ligados à universidade e ao ensino temos um papel muito importante em trabalhar essas questões com a juventude. É fundamental que iniciemos mais cedo esses debates, que coloquemos “grilinhos” na cabeça das pessoas para elas começarem a pensar que o que chamávamos “a próxima geração” já não é assim. As consequências não vão ocorrer no futuro, já estão acontecendo e nós mesmos é que vamos passar por isso e precisamos encontrar as soluções.


Nenhum comentário:

Postar um comentário