Pages

“Saúde tem Cura”: filme de Silvio Tendler sobre o SUS, pode ser assistido gratuitamente

Novo longa-metragem do cineasta apresenta a luta para a criação do SUS e traça um panorama da atualidade



Da Redação Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) | 09 de Junho de 2022 

Documentário mostra como era o Brasil antes e depois da criação do SUS e pensa o futuro da saúde pública no país - Divulgação/Friocruz

O longa-metragem “Saúde tem Cura”, sobre o Sistema Único de Saúde (SUS), dirigido pelo cineasta Silvio Tendler, foi lançado nesta quarta-feira (8). Assim como o SUS, assisti-lo é gratuito, bastando acessar o canal do YouTube da produtora do cineasta, a Caliban Cinema. Com mais de uma hora e meia de duração, o filme foi feito em parceria da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes).

Realizado inteiramente durante a pandemia, “Saúde tem Cura” faz uma clara defesa ao SUS, único sistema de saúde do mundo que atende a mais de 190 milhões de pessoas gratuitamente. O documentário mostra como era o Brasil antes do SUS - quando o acesso à saúde tinha um viés elitista baseado em privilégios. E compara com a atualidade - um sistema público, universal e gratuito presente em mais de 5 mil municípios, com atendimento do básico ao complexo, urgências e emergências, produção de vacinas e medicamentos, pesquisas, hospitais universitários, ações educativas, vigilância sanitária e epidemiológica.

O filme apresenta a luta para a criação do SUS, traça um panorama da atualidade, com suas fragilidades decorrentes da falta crônica de investimento, e pensa o futuro da saúde pública no país. Conta com depoimentos de profissionais que participaram da sua criação; de médicos como Drauzio Varella, Paulo Niemeyer e Margareth Dalcolmo; de profissionais que atuam no dia a dia do sistema; de representantes da sociedade civil e de usuários.

“O SUS foi a coisa mais importante que se fez neste país”, diz o diretor do Instituto Estadual do Cérebro do RJ, Paulo Niemeyer. “Eu considero o SUS nossa arma mais poderosa, mais preciosa, e que tem que ser defendido a qualquer custo”, complementa a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo.

Assista:

 

“Cineasta dos Sonhos Interrompidos”

Conhecido como o “Cineasta dos Sonhos Interrompidos”, Silvio Tendler tem uma carreira de sucesso no cinema brasileiro e reconhecimento internacional. Já produziu e dirigiu mais de 70 filmes, entre longas, médias e curtas metragens. Entre os mais conhecidos estão “O Veneno Está na Mesa” e “Dedo na ferida”. Em 1981 fundou a Caliban Produções.

Seu filme anterior, o documentário “A Bolsa ou a Vida”,lançado em 2021 e também disponível gratuitamente na canal da produtor, aborda o desmonte do conceito de bem-estar social e faz refletir sobre a incompatibilidade do neoliberalismo com um projeto humanista de sociedade.

Sobre seus filmes serem considerados manifestos, Tendler afirmou, em entrevista ao Brasil de fato RS: “É para as pessoas acordarem pra realidade, acordarem pro mundo que nós estamos vivendo”.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário