Pages

Julian Assange, um símbolo de liberdade

Do A Terra É Redonda, 22 de Abril  2022
Por LUIS VARESE*


A batalha pela liberdade de Assange é a batalha pela nossa própria liberdade de pensar, de expressar opiniões, de criticar, de divulgar, de discordar

Um juiz do Tribunal da Magistratura de Westminster enviou, para ser assinado pelo Ministro do Interior britânico, a ordem de extradição contra Julian Assange. Eles têm aproximadamente dois meses para decidir e sua defesa, liderada por Baltazar Garzon, para apelar. Assange enfrenta até 175 anos em prisões americanas pelo “crime” de denunciar crimes de guerra, assassinatos, prisões clandestinas, tortura e infiéis de embaixadores americanos contra seus aliados mais próximos ou países “amigos”. Wikileaks, a agência de notícias de Assange, coletou essas informações de colaboradores, alguns anônimos, alguns públicos, e as vendeu para jornais de prestígio ao redor do mundo, como The Guardian, The New York Times, The Washington Post, revista Der Spiegel, e muitos outros em todo o mundo.

Julian Assange foi preso e torturado em Londres, onde não cometeu nenhum crime. Ele está em prisão preventiva para extradição e está em uma prisão de alta segurança há três anos. Já vimos o que o judiciário significa a serviço dos poderosos, os casos Lula, Correa, Glass, Cristina.

Assange foi entregue às autoridades britânicas por Lenin Moreno, cujas ações já estão condenadas em todas as frentes nas quais ele interveio. Neste caso específico, ele ordenou a intervenção em território equatoriano, abrindo a porta da Embaixada e violando o direito soberano de Asilo, concedido pelo Governo do Presidente Rafael Correa.

“Quando a porta da Embaixada em Londres foi aberta e a polícia entrou para receber Julian Assange, às mãos de funcionários equatorianos, começou um dos episódios mais tristes e trágicos do Direito de Asilo e dos mais terríveis eventos contra o Direito Internacional e a Liberdade de Imprensa…”. (Luis Varese, Alai, 2020)

Boris Johnson e o Secretário do Interior, Priti Patel, têm em suas mãos a extradição e a condenação de Assange, mas não só isso, eles têm em suas mãos a decisão de gerar jurisprudência sobre a liberdade de imprensa, a espinha dorsal da democracia, da qual tanto se orgulham.

A União Europeia já demonstrou que não respeita este direito universal ao impedir a leitura, em seu território, da Rússia de hoje e do portal Sputnik, bem como de outros canais ou meios ligados à informação do ponto de vista do governo russo. De fato, foi graças à RT que pudemos ver a rendição de Assange à polícia britânica.

Continuar pensando que não nos diz respeito, que é algo distante, ou que Julian Assange vai para a prisão por ser um hacker, é colocar-nos nos grilhões do obscurantismo fascista que o grande capital quer nos impor. Estamos muito longe de entender o que está acontecendo e o nível de controle que os poderosos do mundo querem ter sobre nossas mentes. Os mil multimilionários.

A batalha pela liberdade de Julian Assange é a batalha pela nossa própria liberdade de pensar, de expressar nossas opiniões, de criticar, de divulgar, de discordar. É uma bandeira coletiva de mulheres e homens, jovens e velhos, que acreditam nos direitos do povo.

Hoje em dia, Julian Assange está enfrentando a liberdade ou a morte. Não é um slogan. É um fato. Estamos confrontando, hoje em dia, Liberdade e vida contra o obscurantismo e a morte. Tudo está intimamente e violentamente ligado. Desde a desinformação contra Cuba, Nicarágua e Venezuela, que são apresentados como nossos inimigos, até fazer-nos acreditar que dar armas ao governo ucraniano é lutar pela paz. Aqueles que foram e são apresentados como os campeões da democracia, da Europa e dos Estados Unidos, hoje seus governantes, querem avançar para o fascismo e até mesmo para o nazismo. Não há necessidade de temer, mas não há necessidade de hesitar em se organizar em defesa das liberdades conquistadas ao longo de décadas de luta.

Nossas vidas estão em perigo, não apenas por causa da guerra e do confronto sobre a nova ordem mundial e da reordenação geopolítica, “a resposta contra-hegemônica”, lançada pela Rússia, que causa tanta tragédia, mas também por causa da destruição da vida no Planeta e da restrição sistemática das liberdades que conquistamos.

Na Nossamérica, estamos fazendo progressos na reconquista das democracias populares, não permitamos que a direita cavernosa tome novamente as rédeas que levam à fome e à aniquilação de nossos povos.

*Luis Varese é jornalista e antropólogo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário