Pages

Um vento de esperança no Chile

Do Brasil 247, 11 de março de 2022
Por Eric Nepomuceno, para o Jornalistas pela Democracia



Um vento de esperança no Chile

"O primeiro desafio de grandes proporções de Boric é fortalecer o poder popular que o levou à poltrona presidencial", escreve Eric Nepomuceno

Gabriel Boric (se pronuncia “Borich”) tornou-se muito mais que o mais jovem presidente (36anos) a assumir a presidência do Chile: tornou-se um imenso lago andino de esperança.

Ele certamente sabe a dimensão do peso que foi posto sobre seus ombros nesta sexta-feira. Sabe que os olhos de boa parte do mundo, especialmente da América Latina, estão atentos a cada gesto seu a partir deste momento. Sabe também que concentra as atenções não apenas de seus eleitores, mas de tudo aquilo que significa poder – poder político, econômico, de apoio ou de oposição, e até mesmo o poder de impor obstáculos.

Impossível, embora injusto, não traçar um paralelo entre Boric e Salvador Allende, que morreu durante o golpe sangrento do sanguinário general Pinochet em 11 de setembro de 1973. Aquele foi outro vendaval de esperança, mas que teve um final trágico.

E impossível não lembrar que o novo presidente cresceu na ditadura. Para completar o quadro, impossível não destacar que ele sucede o segundo mandato de um neoliberal radical, Sebastián Piñera (o primeiro foi entre 2010 e 2014, desastroso mas menos que este que terminou agora), e que derrotou um pinochetista mais radical ainda, o ultradireitista José Antonio Kast.

O primeiro desafio de grandes proporções de Boric é fortalecer o poder popular que o levou à poltrona presidencial.

Já na campanha eleitoral, ele se comprometeu a construir “um país mais justo, mais digno, mais seguro”. Terá de começar essa tarefa diante de um Congresso muito dividido, onde ele não alcançou maioria. E mais: no dia 12 de junho, haverá um plebiscito para aprovar – ou não – a nova Constituição, que irá substituir a atual, herdada dos tempos de Pinochet.

Ele armou um governo variado, onde as mulheres são maioria (catorze a dez homens) e onde há representantes dos povos originários. E em seu gabinete, um destaque: a bióloga Maya Fernández Allende, neta do presidente deposto e morto, ocupará nada menos que o ministério da Defesa.

Entre os tantos desafios que tem pela frente, alguns são especialmente espinhosos. Por exemplo: conseguirá aumentar os impostos às grandes fortunas e às grandes corporações para poder financiar pontos essenciais, como saúde e educação? Como implantar uma reforma no sistema previdenciário, um dos mais absurdos deste absurdo continente latino-americano (aliás, fortemente admirado pelo especulador Paulo Guedes)? Com que instrumentos poderá aumentar de maneira sólida o parco salário mínimo dos chilenos? Como reformar uma polícia militarizada especialmente brutal, herança direta da ditadura?

Enfim: para onde quer que se olhe no Chile, o que o jovem Boric tem pela frente é uma cordilheira de desafios e problemas.

E precisamente por isso ele simboliza uma forte brisa de esperança.

P.S.: Jair Messias, aliás, foi esperto e fez muito bem em não ir para a cerimônia de posse. Despachou seu vice, o reacionário general Humberto Mourão, que foi encharcado por gritos de “Fora Bolsonaro” na saída da cerimônia do juramento de Boric no Congresso...

Nenhum comentário:

Postar um comentário