Pages

A verdade sobre a extrema direita ucraniana

É um erro ver na Ucrânia um país nazista. Mas repórter de guerra que se debruçou sobre seus grupos extremistas relata: eles têm presença no exército e recebem dinheiro e armas do Estado. São minoritários. Invasão russa os ajudou



De OUTRASPALAVRAS, 28 de Março 2022
Por Aris Roussinos, em Nueva Sociedad | Tradução: Antonio Martins


Como em qualquer guerra, mas talvez mais do que na maioria delas, o conflito na Ucrânia tem sido cenário de uma avalanche desconcertante de afirmações e narrativas, por simpatizantes de ambos os lados. Verdade, verdades parciais e mentiras absolutas competem pelo domínio do discurso da mídia. Certamente um dos exemplos mais claros é a afirmação de Vladimir Putin, de que a Rússia invadiu a Ucrânia para “desnazificar” o país. A afirmação russa de que a Revolução de Maidan de 2014 foi um “golpe fascista”, e de que a Ucrânia é um Estado nazista tem sido usada há anos por Putin e seus apoiadores para justificar a ocupação da Crimeia e o apoio aos separatistas de língua russa no leste do país, e ganhou muita tração na internet.

Mas a afirmação dos russos é falsa: a Ucrânia é um estado liberal genuíno, ainda que imperfeito, com eleições livres que produzem mudanças significativas no poder, incluindo a eleição de 2019 do reformista liberal-populista Volodymir Zelensky. A Ucrânia não é um Estado nazista, e isto é inequívoco: o casus belli russo é uma mentira. Ainda assim, existe o risco de que o desejo dos analistas ucranianos e ocidentais, de não dar mais munições à propaganda russa, leve a um excesso de eufemismos políticos que, em última instância, não serve aos interesses ucranianos.

Em um recente resumo de notícias da BBC Radio 4, o correspondente aludiu à “alegação infundada de que o Estado ucraniano apoia os elementos nazistas” de Putin. Este é, em si, um caso de desinformação. É um fato visível, que a própria BBC noticiou no passado, que desde 2014 o Estado ucraniano tem fornecido dinheiro, armas e outras formas de apoio às milícias de extrema-direita, inclusive neonazistas. Esta não é uma observação nova ou controversa. Em 2019, entrevistei figuras importantes da constelação de grupos de extrema-direita apoiados pelo Estado na Ucrânia para a revista Harper, e eles foram bastante abertos sobre sua ideologia e planos para o futuro.

Sem dúvida, algumas das melhores coberturas dos grupos de extrema-direita ucranianos vieram do Bellingcat, o site de inteligência de código aberto, conhecido por sua atitude favorável à propaganda de origem russa. A excelente cobertura da Bellingcat sobre este tópico subnotificado nos últimos anos concentrou-se principalmente no Azov, o mais poderoso grupo ucraniano de extrema-direita e o mais favorecido pelo Estado.

Nos últimos anos, pesquisadores da Bellingcat examinaram a tentativa do Azov de estabelecer contatos com nacionalistas brancos americanos e o financiamento que recebeu do Estado ucraniano para fornecer cursos de “educação patriótica” e apoio aos veteranos desmobilizados; investigou os festivais de black metal neonazistas organizados pelo movimento e o apoio dado ao grupo exilado russo neonazista anti-Putin, Wotanjugend, praticante de uma forma muito marginal do nazismo esotérico, que compartilha espaço com o Azov em sua sede em Kiev, luta ao seu lado na linha de frente e também traduziu e divulgou uma versão russa do manifesto do atirador Christchurch (que matou mais de 50 pessoas em 2019). Infelizmente, a inestimável cobertura da Bellingcat do ecossistema de extrema-direita ucraniano não foi atualizada desde o início das hostilidades, embora a guerra contra a Rússia tenha sido um renascer para esses grupos.

O movimento Azov foi fundado em 2014 por Andrei Biletski, um antigo líder do grupo neonazista ucraniano Patriota de Ucrânia, durante a batalha pelo controle da Praça da Independência no centro de Kiev. Em 2010, Biletsky proclamou que o papel da Ucrânia seria um dia “liderar as raças brancas do mundo em uma cruzada final (…) contra os untermenschen [sub-humanos] liderados pelos semitas”. A revolução e a guerra que se seguiram lhe dariam o cenário nacional que havia muito desejavam.

Junto com outros grupos de extrema-direita, como o Setor Direita, o nascente movimento Azov desempenhou um papel explícito na luta contra a polícia de segurança ucraniana que deixou 121 mortos e garantiu o sucesso da revolução. Depois que o ministério da Defesa cedeu-lhe o controle de uma grande propriedade ao lado da Praça da Independência, o movimento Azov transformou o edifício, agora chamado Casa Cossaca, em sua sede e centro de recrutamento em Kiev. Embora o Azov tenha, desde então, baixado o tom de sua retórica, e muitos de seus combatentes possam não responder a uma ideologia específica, sendo atraídos simplesmente por sua reputação marcial, seus ativistas são frequentemente vistos cobertos de tatuagens com insígnias de caveiras da SS e runas de raios, e ostentando o Sonnenrad, o símbolo do sol negro do nazismo esotérico. Derivado de um motivo criado para Heinrich Himmler no castelo alemão de Wewelsburg, escolhido como um Camelot oculto para oficiais superiores da SS, o Sonnenrad é, como a runa Wolfsangel da divisão SS Das Reich, um dos símbolos oficiais de Azov, usado nas insígnias de suas unidades e nos escudos com os quais seus combatentes desfilam em cerimônias evocativas de lanternas.

Visitei a Casa Cossaca em muitas ocasiões para entrevistar figuras importantes do movimento, incluindo o líder de sua Milícia Nacional (que proporciona músculo auxiliar de patrulhamento à força policial oficial da Ucrânia), Igor Mikhailenko, e a secretária internacional e figura de proa intelectual Olena Semenyaka. É um cenário marcante: além das salas de aula para palestras educacionais financiadas pelo Estado, a Casa Cossaca abriga o salão literário e a editora Plomin, onde jovens intelectuais hipsters e glamourosos estão ocupados organizando seminários e traduções de livros de direita, sob cartazes brilhantes de expoentes fascistas como Yukio Mishima, Cornelius Codreanu e Julius Evola.

Mas o poder do Azov vem de suas armas, não de seus projetos literários. Em 2014, quando o exército ucraniano estava fraco e mal equipado, os voluntários Azov, liderados por Biletski, lutaram na vanguarda da batalha contra os separatistas de língua russa no leste e reconquistaram a cidade de Mariupol, onde agora estão sitiados. Lutadores eficazes, corajosos e altamente ideológicos, seus esforços no leste lhes valeram a reputação de defensores da nação e o apoio de um Estado agradecido, que incorporou o movimento Azov como um regimento oficial da Guarda Nacional Ucraniana. Acredita-se que o Azov tenha contado com o apoio de Arsen Avakov, um poderoso oligarca e ministro do Interior da Ucrânia entre 2014 e 2019.

Em entrevistas, tanto ativistas ucranianos de direitos humanos quanto líderes de grupos rivais de extrema-direita queixaram-se da vantagem injusta que o patrocínio de Avakov deu ao movimento Azov ao afirmar seu papel dominante na esfera de direita ucraniana, incluindo papéis oficiais como observadores eleitorais e polícias auxiliares com poder estatal. A Ucrânia não é um Estado nazista, mas o apoio estatal ucraniano a grupos neonazistas ou nazistas – por quaisquer razões, válidas ou não – torna o país um caso atípico na Europa. Há muitos grupos de extrema-direita no continente, mas somente na Ucrânia eles têm seus próprios tanques e unidades de artilharia, com apoio do Estado.

Esta relação estreita e complicada entre um Estado liberal-democrático apoiado pelo Ocidente e defensores armados de uma ideologia muito diferente causou no passado algum desconforto entre os partidários ucranianos no Ocidente. Nos últimos anos, o Congresso dos Estados Unidos tem recuado em sua posição sobre se Azov deveria ser impedido de receber remessas de armas dos EUA, com os legisladores do Partido Democrata pedindo em 2019 que o movimento fosse colocado na lista global de organizações terroristas. Em entrevistas, Semenyaka reclamou que este mal-estar era resultado da atenção dada à propaganda russa e insistiu que a cooperação dos EUA com o Azov seria benéfica para ambas as partes.

Neste sentido, a guerra atual tem sido, sem dúvida, um alívio bem-vindo para o Azov. A tentativa de Biletsky de fundar um partido político – o National Corps – foi em grande parte mal sucedida, e mesmo um bloco unido de partidos de direita e extrema-direita não conseguiu superar o limiar muito baixo para a representação parlamentar nas últimas eleições. O eleitorado ucraniano simplesmente não quer o que eles têm a oferecer e rejeita sua visão de mundo. Mas, em tempo de guerra, o Azov e grupos similares vieram à tona, e a invasão russa aparentemente reverteu a espiral descendente que havia começado para eles após a demissão de Avakov, como resultado da pressão internacional. A julgar pelas mídias sociais, as unidades armadas do Azov estão se expandindo. Novos batalhões estão sendo formados em Kharkov e Dnipro, uma nova unidade de forças especiais em Kiev (onde Biletsky está organizando pelo menos alguns aspectos da defesa da capital) e milícias locais de defesa em cidades do Oeste como Ivano-Frankivsk.

Junto com outros grupos de extrema-direita, como os Karpatska Sich (Sich dos Cárpatos, cuja militância contra a minoria de língua húngara na Ucrânia ocidental, incluindo o povo cigano, atraiu críticas do governo húngaro), o grupo ortodoxo oriental Tradição e Ordem, o grupo neonazista C14 e a milícia de extrema-direita Freikorps, a invasão russa permitiu que Azov recuperasse sua importância anterior, dando brilho a sua reputação heroica na defesa de Mariupol, em pé de igualdade com os soldados ucranianos regulares. Embora até algumas semanas atrás ainda houvesse um esforço concentrado do Ocidente para não armar diretamente o Azov, hoje o movimento parece ser o principal beneficiário do treinamento e das munições ocidentais. Imagens tweetadas pela NEXTA, a mídia da oposição bielorrussa, mostram combatentes do Azov sendo treinados no uso de munições antitanque da NLAW britânica por instrutores de facção.

Da mesma forma, até a invasão russa, os governos ocidentais e a mídia advertiram frequentemente sobre os riscos de neonazistas ocidentais e supremacistas brancos ganharem experiência de combate ao lado do Azov e suas subfrações nazistas. Mas no calor do momento, estas preocupações parecem ter se dissipado: uma fotografia recente de voluntários ocidentais recém-chegados em Kiev, incluindo britânicos, mostra Olena Semenyaka do movimento Azov ao fundo, sorrindo alegremente ao lado do neonazista e ex-atirador sueco Mikael Skillt. De fato, a Divisão Misanthrope, uma unidade de neonazistas ocidentais que luta ao lado do Azov, está agora publicando avisos no Telegram pedindo aos militantes europeus que se unam ao fluxo de voluntários e se conectem com eles na Ucrânia “pela vitória e por Valhalla”.

Como os de outras milícias ucranianas de extrema-direita, os Azov são combatentes tenazes, disciplinados e comprometidos, razão pela qual o fraco Estado ucraniano foi forçado a confiar em sua força em tempos de maior necessidade: durante a Revolução Maidan, durante a guerra contra os separatistas a partir de 2014 e agora para se defender contra a invasão russa. Externamente, tem havido alguma relutância em falar francamente sobre seu papel, sem dúvida por temor de que isso pudesse fornecer munições para a propaganda russa. Este medo é certamente descabido. Afinal, grupos como Azov só ganharam notoriedade por causa da intervenção da Rússia na Ucrânia. Em vez de desnazificar o país, a agressão contribuiu para fortalecer o papel e a presença das facções de extrema-direita no exército ucraniano, revigorando uma força política em declínio, rejeitada pela esmagadora maioria dos ucranianos.

Em qualquer caso, a principal ameaça colocada por grupos como Azov não é dirigida contra o Estado russo – afinal, a Rússia está satisfeita em apoiar elementos de extrema-direita em seu Grupo Wagner de mercenários e repúblicas separatistas – nem contra nações ocidentais cujos cidadãos descontentes podem ser atraídos para lutar ao seu lado. Em vez disso, eles são uma ameaça à estabilidade futura do próprio Estado ucraniano, como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch há muito vêm advertindo. Embora possam ser úteis hoje, no caso do governo liberal da Ucrânia ser derrubado ou evacuado de Kiev, talvez para a Polônia ou Lviv, ou, mais provavelmente, no caso de Zelenski ser forçado pelos eventos a assinar um acordo de paz cedendo território ucraniano, grupos como Azov podem encontrar uma grande oportunidade para desafiar o que resta do Estado e consolidar suas próprias bases de poder, mesmo que apenas em nível local.

Em 2019, perguntei à Semenyaka se o Azov ainda se considerava um movimento “revolucionário”. Depois de pensar bastante, ele respondeu: “Estamos preparados para diferentes cenários. Se Zelensky se revelar ainda pior do que [o ex-presidente] Poroshenko, se ele for um populista do mesmo tipo, mas sem algumas de suas capacidades, conexões e antecedentes, então é claro que os ucranianos estarão em grave perigo. E já desenvolvemos um plano do que pode ser feito, como construir estruturas estatais paralelas, como personalizar estas estratégias iniciais para salvar o Estado ucraniano, se [Zelensky] se tornar um fantoche do Kremlin, por exemplo. Porque é bem possível que isso possa acontecer”.

As principais figuras do Azov têm afirmado explicitamente, ao longo dos anos, que a Ucrânia tem um potencial único como trampolim para a “reconquista” da Europa, tirando-a das mãos de liberais, homossexuais e imigrantes. Embora suas ambições continentais mais amplas possam ter chance muito duvidosa de sucesso, uma Ucrânia quebrada, empobrecida e irada no pós-guerra – ou, pior, uma Ucrânia sofrendo anos de bombardeios e ocupação, com vastas áreas fora do controle do governo central, seria certamente um terreno fértil para uma forma de militância de extrema-direita que não era vista na Europa há muitas décadas.

Neste momento, a Ucrânia e Zelenski podem precisar das capacidades militares e do zelo ideológico das milícias nacionalistas e de extrema-direita para lutar e vencer sua batalha pela sobrevivência nacional. Mas quando a guerra terminar, tanto Zelensky quanto seus apoiadores ocidentais devem ter muito cuidado para não fortalecer grupos cujos objetivos estão em conflito direto com as normas liberal-democráticas às quais ambos professam aderir. Armar e financiar o Azov, o Tradição e Ordem e o Karpatska Sich pode bem ser uma das escolhas difíceis forçadas pela guerra, mas desarmá-los deve certamente ser uma prioridade quando a guerra terminar.

Como vimos na Síria, nada radicaliza mais uma população civil do que a despossessão, os bombardeios e os ataques maciços. Como na Síria, existe sem dúvida um risco de que estimular setores extremistas a exercerem sua capacidade militar, mesmo indiretamente, pode ter consequências sérias e imprevistas. Também na Síria havia, inicialmente, um forte tabu entre os analistas ocidentais contra falar da ascensão de milícias extremistas que mais tarde canibalizariam a causa rebelde, por medo de validar a propaganda de Assad de que todos os rebeldes eram terroristas. Esta relutância inicial não ajudou os rebeldes.

Observar honestamente que há elementos extremistas entre aqueles que lutam contra Putin na Ucrânia não é fazer o jogo do presidente da Rússia. Na verdade, somente monitorando cuidadosamente – e talvez restringindo – suas atividades agora poderemos garantir que não aprofundarão o sofrimento da Ucrânia nos próximos anos. Durante muito tempo, comentaristas liberais ocidentais reclamaram que o Estado ucraniano fez vista grossa a grupos de extrema-direita. Não é nada bom que agora esses mesmos comentaristas façam o mesmo.


ARIS ROUSSINOS
É repórter de guerra. Editor de Internacional da revista UnHerd.

Nenhum comentário:

Postar um comentário