Pages

Só OMS garante vacinas para África

Da Folha de São Paulo, 12.fev.2022
Por Marcelo Leite


Jornalista de ciência e ambiente, autor de “Psiconautas - Viagens com a Ciência Psicodélica Brasileira” (ed. Fósforo)

Consórcio do órgão global reinventa vacina de RNA com empresa sul-africana

Quase 20 meses depois de a China começar a vacinar militares com um preparado da CanSino, a iniquidade no acesso a imunizantes para Covid segue sem solução. A África foi ficando para trás, zero surpresa –até surgir ali uma vacina de RNA.

Na média mundial, 62% da população recebeu ao menos uma dose. Nos Estados Unidos são 76% e na União Europeia, 75%. O Brasil tem mais de 80%. Já no continente africano há meros 17% de vacinados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez apelo para que donos de vacinas de RNA, como Pfizer, Moderna e BioNTech, transferissem tecnologia para países periféricos. Acabou ignorada, e as doações prometidas para sua Covax Facility não chegaram na quantidade esperada.


Cientista trabalha no laboratório da Afrigen Biologics, na Cidade do Cabo, na África do Sul - Shelley Christians - 3.fev.2022/Reuters

Até o governo americano apoiou proposta de suspensão de patentes sobre o novo imunizante, mas ela não prosperou. Houve reação contra de várias nações, entre elas o Brasil, onde Jair Bolsonaro vetou iniciativa do Congresso nessa direção.

Não seria uma panaceia, claro, só um incentivo. Vacinas podem envolver mais de uma centena de patentes, e a quebra de todas comporia uma barafunda burocrática de monta. Sob ameaça de processos, porém, quem se aventuraria?

A única abertura partiu da Moderna, que publicou muita informação sobre seu produto. Também anunciou que não faria valer direitos de propriedade intelectual, durante a pandemia, contra quem desenvolvesse imunizante similar.

A OMS saiu a campo para aproveitar a oportunidade. Montou na Cidade do Cabo, África do Sul, um "hub" para recriar a tecnologia de RNA com base nos dados disponíveis, com verba de US$ 100 milhões (R$ 520 milhões) para a empreitada.

colunas e blogs

Receba no seu email uma seleção de colunas e blogs da Folha; exclusiva para assinantes.

Carregando...

O resultado veio no início deste mês de fevereiro, quando a firma Afrigen Biologics, participante do consórcio, anunciou ter obtido um composto baseado nas informações da Moderna. O plano é testar a vacina em humanos ao final deste ano.

A Afrigen tem só alguns microlitros (milionésimos de litros) do preparado, desenvolvido com a Universidade de Witwatersrand em Johannesburgo. Espera produzir até novembro a quantidade necessária para os ensaios clínicos.

Não será uma vacina idêntica à da Moderna, embora baseada na sequência de RNA da companhia de Cambridge, Massachusetts (EUA). A Afrigen trabalha numa formulação que não exija o congelamento imprescindível para preservar os imunizantes da Moderna e da Pfizer.

Na África não há infraestrutura de ultracongeladores para dar conta dessa logística. Se e quando a vacina da Afrigen for aprovada para uso em humanos, talvez em 2023, traria um grande avanço para o continente.

E não seria um progresso só para africanos. O hub está em contatos com fabricantes de vacina na Argentina e no Brasil, como a Fiocruz, para ceder a tecnologia que já está transferindo para a Biovac sul-africana.

Há expectativa de que a nova vacina de RNA saia a preços mais baixos para esses países. O governo já pagou cerca de R$ 50-60 por dose da Pfizer, custo similar às do Butantan.

Vacinas pelo mundo e a aplicação no Brasil











Vacina indiana Covaxin Indranil Mukherjee/AFPMAIS

Vacinas são o meio mais eficaz de conter a pandemia, como evidencia o número relativamente baixo de mortes na explosão de casos com a variante ômicron. Ter autonomia em sua produção significa não ficar à mercê de oligopólios como o da Pfizer e Moderna, do qual já se queixou a União Europeia.

A conquista da Afrigen vem demonstrar o erro daqueles que condenaram o esforço de Butantan e Fiocruz para produzir imunizantes aqui. Há no Brasil outras duas dezenas de projetos para criar vacinas; oxalá consigam repetir o feito africano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário