Pages

Relembrando Drummond: “E agora, José?”

Do IHU, 14 Janeiro 2022
Por José R. da Silva e Luiz Paixão




"Quer ir para Minas, / Minas não há mais. / José, e agora?" escrevem José R. da Silva e Luiz Paixão em paráfrase do poema "E agora, José?", de Carlos Drummond de Andrade.

Eis o poema.

E agora, José?
Mais uma vez,
a lama jorrou...
Caos e terror
a mineradora causou.
A montanha chorou,
e a noite esfriou.
A rodovia parou...
Marianas, Brumadinhos...
e agora, José?
e agora, você?

Quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Depois dos portugueses,
vieram os ingleses,
após os ingleses,
outros tantos ianques...
Saqueiam e roubam,
Destroem e assassinam... impunes,
bichos, rios e gente!!!
No ocre dos Verdes Gerais...
As serras sangram.

Se você gritasse,
se você gemesse,
SE VOCÊ CONJURASSE
se você cumprisse
dos "Inconfidentes" o lema

Eis aqui a infame e secular fatura
das riquezas roubadas;
As cicatrizes encravadas
no triste horizonte,
maximizam os superlucros
que soterram a nação...
A dor da terra
chora lama, destruição,
e clama, clama, clama,
LIBERDADE!!!

Os Barbacenas de hoje,
perduram servis,
acobertam e fomentam,
os mais hediondos crimes
nessa triste e ainda colônia
terra chamada Brasil.

E você marcha, José!
José, para onde?

"LIBERDADE AINDA QUE TARDIA"!!!



Belo Horizonte, 9 de janeiro/2022
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário