Pages

Portugal: o desastre a evitar

Reflexões sobre a eleição portuguesa deste fim de semana – e sobre uma autofagia universal. Além de se dividirem, os partidos à esquerda constroem uma narrativa incongruente, que os leva a trocar farpas entre si, enquanto a pior direita avança




De OUTRASPALAVRAS, 27 de Janeiro 2022
Por Boaventura de Sousa Santos


Nos tempos em que o ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso e eu éramos amigos, conversávamos com frequência. A conversa começava sempre na sociologia e terminava invariavelmente na política. Numa dessas conversas, no Palácio do Planalto em Brasília, porque, entretanto, FHC tinha sido eleito Presidente do Brasil, ele disse-me a certa altura: “Sabe, Boaventura, a esquerda é burra”. Achei que no caso concreto ele estava errado, mas a frase ficou na minha memória e voltou a assaltar-me agora nestes tempos de campanha eleitoral. Pergunto-me se a esquerda, no seu conjunto, não está a ser burra. É que a esquerda está a deixar que
os termos do debate eleitoral sejam definidos pela direita, e isso é um péssimo sinal.


Senão vejamos. Como tem havido estabilidade e a direita sabe que isso é importante para os portugueses nesta altura de pandemia, procura conotá-la negativamente, convertendo-a em marasmo, pântano (lembram-se do Trump e do Bolsonaro?), e, se possível, recorrem ao sentido originário e negativo do nome que deram à proposta de estabilidade: a geringonça. São ajudados nisso pelo Partido Socialista (PS) que também a descarta, invocando boas e más razões sem especificar, e pelos dirigentes do Bloco de Esquerda (BE) e do Partido Comunista (PCP) que, por temor de o argumento da estabilidade jogar a favor do PS, não querem falar dela. Como a direita não pode negar o bom desempenho de Portugal no enfrentamento da pandemia, tenta negá-lo invocando casos pontuais que fatalmente acontecem com serviços em permanente estado de stress. Ora o BE e o PCP, como temem que dizer bem do Sistema Nacional de Saúde (SNS), que continua a ser um dos melhores do mundo, pode dar votos ao PS, decidem salientar sobretudo as carências do SNS, no que coincidem com a direita, a qual agradece mais água para dar força ao seu moinho.

Como a direita não pode inventar altos números de desemprego ou baixos níveis de crescimento, salienta os baixos salários (no que tem razão) e compara Portugal com os países do Leste europeu, mas ninguém na esquerda lhe lembra (sobretudo o PCP) que, enquanto os países de Leste tinham, ao entrar na UE, a mão de obra mais qualificada da Europa e habituada a salários comunistas (muito baixos enquanto salários diretos), Portugal só ao fim de vinte e cinco anos depois de entrar na UE começa a aproximar-se dos níveis de qualificação europeus. Como a direita tem dificuldades em estigmatizar a natural simpatia do primeiro ministro, inventa que ele está cansado por tanto tempo de governo. Ninguém na esquerda (nem sequer o PS) lhe lembra que ainda há pouco idolatravam Ângela Merkel e nunca a acharam cansada, apesar de ela ter estado dezesseis anos no governo. Como é arriscado desconhecer o interesse dos portugueses em ter a sua companhia aérea, a direita invoca casos isolados (ainda que lamentáveis porque mostram que a gestão capitalista desconhece outras razões que não o lucro) e ninguém na esquerda lhe lembra que, além de Lisboa, não há apenas Porto, há também Praia, Bissau, Luanda, Maputo e muitas cidades no Brasil.

Finalmente, a direita, sabendo-se fragmentada, tenta articular-se e, como acontece usualmente em política, começa pelo consenso negativo: criticar duramente o PS e levantar o fantasma da maioria absoluta do PS, apesar de saber que a hipótese é remota, como só o convicto realista Rui Rio reconhece. Por sua vez, a esquerda – com exceção do Livre e PAN (Pessoas – Animais – Natureza), nos dias em que este é de esquerda – aceita acriticamente o diagnóstico tático da direita e entra no coro da crítica ao PS, sem sequer se notar como naipe distinto, e não vê que o único perigo real para ela (e para o país) não é a maioria do PS mas a maioria de direita. Como tem pejo de mencionar o que quer que de bom se fez nestes anos, o pouco que é mencionado é atribuído à valentia dos partidos que conseguiram vencer a resistência ou a má vontade do partido maioritário.

A esquerda cai, assim, no engodo e organiza a campanha contra a maioria absoluta do PS e contra a transferência de votos dos seus simpatizantes para o PS, quando se está a ver que o mais provável é a transferência do BE ou PCP para o Chega ou, no caso dos jovens (pouco preocupados com o SNS ou com as pensões), para a Iniciativa Liberal (IL), a proposta que disfarça a receita mais retrógrada e socialmente mais perigosa com o perfume da cultura yuppie. Como a direita não tem os escrúpulos identitários e programáticos da esquerda, vai-se treinando no consenso negativo, surfando a onda. Não me surpreenderia se depois das eleições surgisse uma geringonça de direita.


BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS
Doutorado em Sociologia do Direito pela Universidade de Yale e Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário