Pages

Reservas de água subterrânea podem não se recuperar da superexploração e secas

Do IHU, 02 Outubro 2021
Por EcoDebate,



Se as pessoas bombeiam as águas subterrâneas sem antes permitir que sejam recarregadas, os níveis das águas subterrâneas continuam caindo, o custo do bombeamento aumenta e a terra afunda.

A reportagem é publicada pela Universidade da Califórnia e reproduzida por EcoDebate, 01-10-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A água da neve e da chuva penetra profundamente no solo entre as camadas de solo e se acumula em banheiras subterrâneas semelhantes a esponjas, chamadas de aquíferos. Os agricultores dependem muito dessa água subterrânea para irrigar suas plantações quando não conseguem obter água suficiente das fontes de água de superfície.

Aproximadamente 85 por cento dos californianos também dependem das águas subterrâneas para alguma parte de seu abastecimento de água. Em todo o mundo, cerca de dois bilhões de pessoas dependem dele. No entanto, o uso excessivo de água subterrânea combinado com secas fez com que a superfície da terra afundasse, danificando a infraestrutura crítica, incluindo estradas, edifícios e canos de esgoto e água.

Uma nova pesquisa da UC Riverside mostra que a água subterrânea leva em média três anos para se recuperar da seca – se é que alguma vez se recupera. No maior estudo desse tipo, os cientistas descobriram que esse tempo de recuperação se aplica apenas a aquíferos que não são tocados pela atividade humana, e o tempo de recuperação pode ser ainda maior em regiões com bombeamento excessivo.

Para que os níveis de água subterrânea se recuperem após uma seca, a nova precipitação requer tempo para se infiltrar no solo e recarregar o aquífero esgotado. Os pesquisadores mostram que esse processo pode demorar vários anos a mais em áreas com níveis subterrâneos mais profundos.

“Se as pessoas bombeiam as águas subterrâneas sem antes permitir que sejam recarregadas, os níveis das águas subterrâneas continuam caindo, o custo do bombeamento aumenta e a terra afunda”, explicou Hoori Ajami, hidrólogo de águas subterrâneas da UCR e coautor do estudo e principal investigador deste projeto.

Publicado no Journal of Hydrology, o novo estudo é o primeiro a examinar a resposta das águas subterrâneas às secas em escala continental. As investigações anteriores da seca do lençol freático basearam-se principalmente em simulações de modelos e cobriram áreas menores. Este estudo contou com 30 anos de medições diárias de 600 poços em todo o país.

Em média, os pesquisadores determinaram que leva cerca de dois anos para a seca da água da chuva se tornar seca do lençol freático, embora em alguns casos demore até 15 anos. Por causa do longo intervalo de tempo, os efeitos não são sentidos ou vistos imediatamente. No entanto, eles podem ser graves.

A seca do lençol freático combinada com o bombeamento pode causar uma redução gradual e desigual da superfície da terra, chamada de subsidência. “É um problema conhecido no centro de Vaalley, na Califórnia, agravado por fatores climáticos e bombeamento excessivo de água”, disse Ajami. “Subsidência causa danos irreversíveis à infraestrutura, edifícios e estradas.”

À medida que o solo muda e o nível da água diminui, os contaminantes do solo, como o arsênico, podem se mobilizar e envenenar a água. Nas áreas costeiras, os aqüíferos exauridos pela seca e bombeamento podem se encher com água salgada do mar, tornando as águas subterrâneas inúteis para beber ou cultivar.

“Você começa com um problema de quantidade de água e acaba com um problema de qualidade da água”, disse Ajami.

“O bombeamento excessivo reduz o nível do lençol freático, criando uma espiral descendente na qual a restauração do aquífero se torna cada vez mais difícil”, acrescentou o coautor do estudo, Adam Schreiner-McGraw.

Para reduzir os danos das secas prolongadas, inevitáveis à medida que o planeta continua a aquecer, os pesquisadores têm várias recomendações. A maioria dos modelos climáticos mostra que a chuva está se tornando mais intensa. O armazenamento das águas da chuva pode recarregar os aquíferos, acelerando o processo de recuperação.

Os pesquisadores também sugerem que os agricultores melhorem a eficiência da irrigação e mudem plantas perenes, como amêndoas, pistache e nozes, para plantações anuais com menos uso intensivo de água em áreas onde o esgotamento do lençol freático é severo.

“Precisamos melhorar nossas projeções climáticas para incluir água subterrânea, para que possamos avaliar melhor o que temos e como protegê-lo”, disse Ajami. “Existem maneiras de gerenciar melhor o que temos.”


Referência

Adam P. Schreiner-McGraw, Hoori Ajami,
Delayed response of groundwater to multi-year meteorological droughts in the absence of anthropogenic management,
Journal of Hydrology, Volume 603, Part B, 2021, 126917, ISSN 0022-1694. Disponível aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário