Pages

Homenageada da Bienal do Livro, Cida Pedrosa reafirma: "faço uma arte engajada feminista"

A pernambucana é a segunda mulher na história do evento a ser homenageada; Cida divide o tributo com Paulo Freire



Por Maria Lígia Barros
Do Brasil de Fato | Recife (PE) | 09 de Outubro de 2021
 

Escritora há mais de 40 anos e com dez livros publicados, Cida não dissocia sua arte do fazer político - Divulgação/Pedro Caldas

Poetisa, política e mulher: Cida Pedrosa é a homenageada da XIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, ao lado do patrono da educação brasileira, Paulo Freire. O tributo sucede a consagração de Cida com dois prêmios Jabuti em 2020, tornando-a a primeira pernambucana a levar o Melhor Livro do Ano.

A autora participa intensamente na programação da Bienal, que se estende até a próxima terça-feira (13), apresentando leitura de poesias e participando de mesas redondas, debates e outras atividades voltadas para a contemplação de sua obra.

Escritora há mais de 40 anos e com dez livros publicados, Cida não dissocia sua arte do fazer político. Ao mesmo tempo em que se dedica à literatura, ela ocupa uma cadeira na Câmara dos Vereadores do Recife (PE) pelo PCdoB, tendo na sua bagagem passagens pelas secretarias de Meio Ambiente e da Mulher do Recife e uma trajetória longa de militância pelos direitos humanos.

“Escrever é um ato político, fazer arte é um ato político. Parte da minha obra é muito feminista, muito voltada para a denúncia social sem ser panfletária. Eu faço uma arte engajada feminista, e isso tem uma relação enorme com a política”, enfatiza a artista de 58 anos, natural de Bodocó, no Sertão de Pernambuco.

O Jabuti, considerado maior prêmio literário do Brasil, marcou para Cida o reconhecimento não só do livro vencedor, “Solo para Vialejo” (Companhia Editora de Pernambuco), mas da sua carreira de luta pela literatura. “Ser artista no Brasil não é fácil. Ser artista da palavra, muito menos. E ser artista da palavra e escrever poesia, que é à margem da margem da margem, é mais difícil ainda. Mas eu estou firme e forte”, afirma.

Agora é a vez de receber uma homenagem “em casa”, com a dedicatória da Bienal ao seu trabalho. “Me enche de alegria. Em 15 anos de Bienal, só duas mulheres foram agraciadas até agora - Luzilá Gonçalves, que é uma incrível romancista nossa, e agora eu. Eu fico muito feliz e divido esse prêmio com todas as mulheres”, comenta.

Para Cida, é “um encantamento” receber a homenagem junto a outro grande nome pernambucano, Paulo Freire, que, em 2021, completaria 100 anos. “Tenho profunda admiração por esse escritor, por esse pedagogo, por esse homem de luta. A construção dele é uma pedagogia da liberdade e se pautou na luta contra toda opressão e sistema opressor”, fala. Nesse sentido, os dois autores se aproximam: “Eu tenho uma poesia que tem função social. Eu escrevo com essa vontade de ser libertária também. Escrevo com esse mesmo princípio”, revela.

O produtor da Bienal, Rogério Robalinho, também enxerga uma congruência entre as ideias. “São pessoas que convergem com o que propusemos, que estão relacionadas com a educação, a leitura e o comprometimento por uma sociedade melhor. Os autores abordam em suas obras questões que promovem a reflexão, são debates importantes ainda mais no tempo em que vivemos”, afirma.

“Cida vem em um momento de transição de uma linguagem cultural para outra, e, quando isso acontece, o resultado é sempre animador porque daí surgem novas leituras e novos olhares”, completa.

Desde o dia primeiro de outubro, Cida Pedrosa já participou de diversas atividades que se debruçam sobre seus textos, começando pela mesa sobre Solo para Vilarejo, com a colunista Mariana Ianelli e o escritor Wellington Melo, mediada pelo seu filho dela, o poeta e historiador Francisco Pedrosa.

A agenda da feira também inclui uma série de espetáculos inspirados na sua obra. No Palco Sesc Além das Letras, já foram apresentados o solo “Para um Sertão Blues”, posto no palco pelo Coletivo Caverna e sob direção de Cláudio Lira; “Todas as Mulheres de Cida”, baseado no livro “As Filhas de Lilith” (2009), adaptado pelo Grupo Cênico Calabouço e dirigido por Bruno Fittipaldi; e o monólogo MedusaMusaMulher, interpretado pela atriz Fabiana Pirro.

Cida conta estar ansiosa para assistir ao espetáculo Claranan, produzido pelo Coletivo O Poste Soluções Luminosas e apresentado neste sábado (9) às 17h, e experimentar o menu preparado pelo chef Rivandro França com pratos inspirados nos seus poemas.

Bienal em formato híbrido

Maior feira literária do Nordeste, a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco espera receber 350 mil pessoas até a próxima terça-feira (13). A edição leva o tema “Só existe uma vacina contra a Ignorância. Leia” que, segundo o produtor Rogério Robalinho, foi escolhido por conta do contexto atual, em que a ciência vem sendo questionada.

Em razão da pandemia da covid-19, a programação acontece de forma híbrida, ou seja, uma parte no Centro de Convenções (Cecon), no limite de Recife e Olinda, e outra em ambiente virtual, na plataforma e-Bienal. Robalinho relembra que, em 2020, foi realizada uma versão completamente digital da Bienal.

“Buscamos o compromisso com o mercado editorial e livreiro do país de trazê-los para Pernambuco para realizar todo o planejamento. Com a pandemia, tivemos que pensar de outra forma, reforçamos as ações virtuais, criando a plataforma e-Bienal que, durante 2020, realizou debates, oficinas e lançamentos. Observamos que o mundo agora seria outro e então foi preciso construir um evento diferente, presencial e também virtual com a nossa plataforma”, diz

Nesse modelo, o evento apresenta 220 atividades, com mais de 60 lançamentos de livros. O espaço físico, no pavilhão de 9 mil metros quadrados do Cecon, conta com 320 estandes de 89 livrarias e editoras.



Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga

Nenhum comentário:

Postar um comentário