Pages

Chomsky: o que esperar da COP-26

Luta para salvar o planeta terá de ser feita sob o capitalismo – mas desafia lógicas do sistema. Corporações tentarão evitar até mesmo acordos parciais, e apostarão na inércia dos governos. Pressão da juventude pode sacudir um tabuleiro viciado



De OUTRASPALAVRAS, 29 de Outubro 2021
Entrevista a Stan Cox, no Tom Dispatch | Tradução: Vitor Costa


Este mês marcará um momento crítico na luta para evitar a catástrofe climática. Na cúpula do clima global chamada de COP26, que começará na próxima semana em Glasgow, Escócia, os negociadores terão que lidar com a necessidade urgente de tirar a economia mundial de seu ritmo habitual, que poderá levar a Terra a até três graus Celsius de aquecimento antes do final deste século, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). No entanto, até agora, as promessas das nações ricas de reduzir as emissões de gases do efeito estufa têm sido fracas demais para conter o aumento da temperatura. Nos Estados Unidos, os planos climáticos do governo de Joe Biden em xeque, ameaçados pelos fundamentalistas do Partido Republicano e por uma ala conservadora dos democratas.

Nas últimas décadas, Noam Chomsky tem sido uma das vozes mais enérgicas e persuasivas no debate sobre a injustiça, a desigualdade e a ameaça representada pelo caos climático causado para a civilização e a Terra. Eu estava ansioso para saber de suas opiniões sobre as raízes da dramática situação atual e as perspectivas de a humanidade emergir desta crise para um futuro habitável. Ele concordou em falar comigo por meio de um chat em vídeo. O texto aqui é uma versão resumida de nossa conversa.

Chomsky, hoje com 92 anos, é autor de vários best-sellers políticos, traduzidos para múltiplas línguas. Suas críticas ao poder e sua defesa de autonomia e ação política das pessoas comuns inspiraram gerações de ativistas e organizadores sociais. Ele é professor emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts desde 1976. Eis a entrevista:

A maioria das nações que se reunirá em Glasgow para a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, de 31 de outubro a 12 de novembro de 2021, fez promessas de redução de emissões de CO². Na maioria das vezes, essas promessas são totalmente inadequadas. Que princípios você acha que deveriam guiar o esforço para prevenir uma catástrofe climática?

Os iniciadores do Acordo de Paris pretendiam ter um tratado obrigatório, não acordos voluntários – mas havia um impedimento: o Partido Republicano dos EUA. Estava claro que o Partido Republicano nunca aceitaria nenhum compromisso vinculativo. Este partido, que perdeu qualquer pretensão de ser uma organização política normal, dedica-se quase exclusivamente ao bem-estar dos super-ricos e do setor corporativo, e não se preocupa absolutamente com a população ou o futuro do mundo. A organização republicana nunca teria aceitado um tratado vinculante. Em resposta, os organizadores reduziram seu objetivo a um acordo voluntário, que contém todas as dificuldades que você mencionou.

Perdemos seis anos, quatro sob o governo Trump, que se dedicou abertamente a maximizar o uso de combustíveis fósseis e desmontar o aparato regulatório que, em certa medida, havia limitado seus efeitos letais. Até certo ponto, esses regulamentos protegiam setores da população da poluição, principalmente os pobres e as pessoas negras. Porque são eles que, é claro, enfrentam o principal fardo da poluição. São as pessoas pobres do mundo que vivem no que Trump chamou de “países de merda” que mais sofrem; eles são os que menos contribuem para o desastre e são as vítimas principais.

Não tem que ser assim. Há um caminho para um futuro habitável. Existem maneiras de ter políticas responsáveis, sãs e racialmente justas. Cabe a todos nós exigi-los, algo que os jovens de todo o mundo já estão fazendo.

Outros países têm suas próprias responsabilidades, mas os Estados Unidos têm os piores registros do mundo. Washington bloqueou o Acordo de Paris antes que Trump finalmente assumisse o cargo. Mas foi sob Trump que os Estados Unidos retiraram-se totalmente do acordo.

Se você olhar para os democratas mais sãos, que estão longe de serem inocentes, existem pessoas chamadas “moderadas” como o senador Joe Manchin (Democrata – Virgínia Oriental), o principal recebedor de financiamento do setor de combustíveis fósseis, cuja posição é a dessas empresas: nada de restrições, apenas “inovação”. Essa também é a visão da Exxon Mobil: “Não se preocupe, nós cuidaremos de você”, dizem eles. “Somos uma empresa com alma. Estamos investindo em algumas formas futurísticas de remover da atmosfera a poluição que estamos despejando nela. Tudo está bem, basta confiar em nós.” “Sem eliminação, apenas inovação” é uma ideia ruim porque, se a inovação vier provavelmente será tarde demais e terá efeito muito limitado.

Tome o relatório do IPCC que acabou de ser lançado. É muito mais terrível do que os anteriores e diz que devemos eliminar os combustíveis fósseis passo a passo, todos os anos, até nos livrarmos deles completamente, dentro de algumas décadas. Poucos dias depois de o relatório ser divulgado, Joe Biden fez um apelo ao cartel do petróleo da OPEP para aumentar a produção, o que reduziria os preços do gás nos Estados Unidos e melhoraria a posição do presidente perante a população. Houve euforia imediata nas pesquisas sobre mercado de petróleo. Há muito lucro a ser obtido, mas a que custo? Bem, foi bom ter a espécie humana por algumas centenas de milhares de anos, mas evidentemente isso foi tempo suficiente. Afinal, a vida média de uma espécie na Terra é aparentemente de cerca de 100 mil anos. Então, por que devemos quebrar o recorde? Por que nos organizar por um futuro justo para todos, quando podemos destruir o planeta ajudando corporações ricas a ficarem mais ricas?

A catástrofe ecológica está se aproximando em grande parte porque, como você disse uma vez, “todo o sistema socioeconômico é baseado na produção para o lucro e num imperativo de crescimento que não pode ser sustentado”. No entanto, parece que apenas a autoridade estatal pode implementar as mudanças necessárias de forma equitativa, transparente e justa. Dada a emergência que enfrentamos, você acha que os governos seriam capazes de justificar medidas como a restrição ao uso de recursos nacionais, a criação de regras para sua alocação de recursos ou racionamentos – políticas que necessariamente limitariam a liberdade das comunidades locais e indivíduos em suas vidas materiais?

Bem, temos que enfrentar algumas realidades. Eu gostaria de ver o movimento em direção a uma sociedade mais livre e justa – à produção para suprir necessidades, ao invés da produção por lucro, os trabalhadores capazes de controlar suas próprias vidas em vez de se subordinarem a patrões por quase toda a sua vida. O tempo necessário para que tais esforços sejam bem sucedidos é simplesmente longo demais para enfrentar esta crise. Isso significa que precisamos resolvê-la sob as instituições existentes – que, é claro, podem ser aperfeiçoadas.

O sistema econômico dos últimos quarenta anos foi particularmente destrutivo. Infligiu um grande ataque à maioria da população, resultando em um enorme crescimento da desigualdade e ataques à democracia e ao meio ambiente.

Um futuro habitável é possível. Não temos que viver em um sistema em que as regras tributárias foram alteradas para que bilionários paguem taxas mais baixas do que os trabalhadores. Não temos que viver em uma forma de capitalismo de Estado em que, só nos Estados Unidos, os 90% mais pobres, entre os assalariados, foram roubados em aproximadamente US$ 50 trilhões, em benefício de uma fração de 1%. Essa é a estimativa da RAND Corporation, uma estimativa muito conservadora, se olharmos para outros dispositivos que foram usados. Existem maneiras de reformar o sistema existente basicamente dentro da mesma estrutura de instituições. Eu acho que elas precisam ser transformadas, mas isso exigirá uma escala de tempo mais longa.

A questão é: podemos prevenir a catástrofe climática dentro de uma estrutura de instituições capitalistas de Estado menos selvagens? Acho que há uma razão para acreditar que podemos, e há propostas muito cuidadosas e detalhadas sobre como fazê-lo, incluindo algumas em seu novo livro, bem como as propostas do meu amigo e coautor, o economista Robert Pollin, que trabalhou muitas dessas coisas em grandes detalhes. Jeffrey Sachs, outro excelente economista, usando modelos um tanto diferentes, chegou praticamente às mesmas conclusões. Essas são basicamente as linhas das propostas da Associação Internacional de Energia, de forma alguma uma organização radical, que nasceu das corporações de energia. Mas todos eles têm essencialmente o mesmo quadro.

Na verdade, existe até uma resolução do Congresso norte-americano, de autoria de Alexandria Ocasio-Cortez e Ed Markey, que descreve propostas muito avançadas, dentro da faixa de viabilidade concreta, nas condiçẽos de hoje. Estima-se que custem de 2% a 3% do PIB, o que é perfeitamente possível. Não só resolveriam a crise, mas criariam um futuro mais habitável, sem poluição, sem engarrafamentos, e com trabalho mais construtivo e produtivo, e melhores empregos. Tudo isso é possível.

Mas existem barreiras sérias – as indústrias de combustíveis fósseis, os bancos, as outras instituições importantes, que são projetadas para maximizar o lucro e não se preocupam com mais nada. Afinal, esse era o slogan anunciado do período neoliberal – o pronunciamento do guru econômico Milton Friedman de que “as corporações não têm responsabilidade para com o público ou com a força de trabalho; sua responsabilidade total é maximizar o lucro para poucos”.

Por razões de relações públicas, empresas de combustíveis fósseis como a ExxonMobil costumam se apresentar sensíveis e benevolentes, trabalhando dia e noite para o benefício do bem comum. É o que chamamos de greenwashing.

Alguns dos métodos mais amplamente discutidos para capturar e remover dióxido de carbono da atmosfera consumiriam grandes quantidades de biomassa produzida em centenas de milhões ou bilhões de hectares, ameaçando os ecossistemas e a produção de alimentos, principalmente em nações de baixa renda e baixas emissões. Um grupo de especialistas em ética e outros estudiosos escreveu recentemente que um “princípio fundamental” da justiça climática é que “as necessidades básicas e urgentes das pessoas e dos países pobres devem ser protegidas contra os efeitos das mudanças climáticas e das medidas tomadas para limitá-la”. Isso parece excluir claramente esses planos de “emita carbono agora, capture-o mais tarde”, e outros exemplos do que podemos chamar de “imperialismo de mitigação do clima”. Você acha que o mundo pode lidar com esse tipo de exploração, à medida que as temperaturas sobem? E o que você acha dessas propostas de bioenergia e captura de carbono?

É totalmente imoral, mas é uma prática padrão. Para onde vão os resíduos? Não vão para o seu quintal, vão para lugares como a Somália, que não podem se proteger. A União Europeia, por exemplo, tem despejado seus resíduos atômicos e outros tipos de poluição na costa da Somália, prejudicando as áreas de pesca e as indústrias locais. É horrível.

O último relatório do IPCC pede o fim dos combustíveis fósseis. A esperança é que possamos evitar o pior e alcançar uma economia sustentável em algumas décadas. Se não fizermos isso, chegaremos a pontos de inflexão irreversíveis e as pessoas mais vulneráveis ​​– e menos responsáveis ​​pela crise – sofrerão primeiro e mais severamente as consequências. Pessoas que vivem nas planícies de Bangladesh, por exemplo, onde ciclones poderosos causam danos extraordinários. Pessoas que vivem na Índia, onde a temperatura pode passar de 49ºC no verão. Poderemos assistir o processo em que partes do mundo vão se tornando impossíveis para a vida.

Houve relatórios recentes de geocientistas israelenses críticos a seu governo, por este não levar em conta o efeito das políticas adota – entre elas, o desenvolvimento de novos campos de gás no Mediterrâneo. Uma de suas análises indicou que, dentro de algumas décadas, durante o verão, o Mediterrâneo estará atingindo o calor de uma jacuzzi e as planícies mais baixas serão inundadas. As pessoas ainda viverão em Jerusalém e Ramallah, mas as enchentes afetarão grande parte da população. Por que não mudar o curso para evitar isso?

A economia neoclássica subjacente a essas injustiças apoia-se em modelos econômicos de clima conhecidos como “modelos de avaliação integrados”. Resumem-se a análises de custo-benefício baseadas no chamado custo social do carbono. Com essas projeções, os economistas estão tentando jogar fora o direito das gerações futuras a uma vida decente?

Não temos o direito de jogar com as vidas das pessoas no Sul da Ásia, na África ou com pessoas em comunidades vulneráveis ​​nos Estados Unidos. Você quer fazer análises como essa em seu seminário acadêmico? Ok, vá em frente. Mas não ouse traduzi-lo em política. Não se atreva a fazer isso.

Há uma diferença notável entre os físicos e os economistas. Os físicos não dizem “ei, vamos tentar um experimento que pode destruir o mundo, porque seria interessante ver o que aconteceria”. Mas os economistas fazem isso. Com base nas teorias neoclássicas, eles instituíram uma grande revolução nos assuntos mundiais no início dos anos 1980, que começou com [o presidente norte-americano] Jimmy Carter e acelerou com Ronald Reagan e Margaret Thatcher. Dado o poder dos Estados Unidos em comparação com o resto do mundo, o ataque neoliberal – um grande experimento de teoria econômica – teve um resultado devastador. Não precisava ser um gênio para descobrir. Seu lema era: “O Estado é o problema”.

Isso não significa que você elimine decisões; significa apenas que você as transfere. As decisões ainda precisam ser tomadas. Se não forem tomadas pelo Estado, que está, ainda que de forma limitada, sob influência popular, serão tomadas por concentrações de poder privado, que não têm responsabilidade perante o público. E seguindo as instruções de Milton Friedman, esses grupos não têm nenhuma responsabilidade para com a sociedade que lhes deu o presente da incorporação. Eles têm apenas o imperativo de autoenriquecimento.

Margaret Thatcher então aparece e diz que não existe sociedade, apenas indivíduos atomizados que, de alguma forma, estão se organizando no mercado. Claro, há um pequeno detalhe que ela não se preocupou em acrescentar: para os ricos e poderosos, há bastante sociedade. Organizações como a Câmara de Comércio, a Mesa Redonda de Negócios, ALEC, e muitas mais. Eles se reúnem, se defendem e assim por diante. Há muita sociedade para eles, mas não para o resto de nós. A maioria das pessoas tem que enfrentar a devastação do mercado. E, claro, os ricos não. As corporações contam com um Estado poderoso para salvá-las sempre que houver algum problema. Os ricos precisam ter um Estado poderoso – assim como seus poderes de polícia – para garantir que ninguém fique em seu caminho.

Onde você vê esperança?

Nos Jovens. Em setembro, houve uma “greve” climática internacional; centenas de milhares de jovens saíram para exigir o fim da destruição ambiental. Greta Thunberg recentemente pronunciou-se na reunião de Davos, entre os grandes e poderosos, e deu a eles um recado sóbrio sobre o que estão fazendo. “Como vocês ousam”, disse ela, “vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias.” Vocês nos traíram. Essas são palavras que deveriam ser gravadas na consciência de todos, especialmente as pessoas da minha geração que as traíram e continuam a trair a juventude e os países do mundo.

Agora temos uma luta. Ela pode ser vencida, mas quanto mais atrasados estivermos, mais difícil será. Se tivéssemos resolvido isso há dez anos, o custo teria sido muito menor. Se os EUA não fossem o único país a recusar o Protocolo de Kyoto, teria sido muito mais fácil. Bem, quanto mais esperarmos, mais trairemos nossos filhos e netos. Essas são as escolhas. Eu não tenho muitos anos; muitos de vocês têm. A possibilidade de um futuro justo e sustentável existe e há muito que podemos fazer para chegar lá antes que seja tarde demais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário