Pages

Programa Bem Viver destaca papel da literatura indígena na reeducação do pensamento

‘Precisamos reconstituir nossa identidade a partir do pertencimento à nossa cultura’, defende o autor Daniel Munduruku


Da Redação Do Brasil de Fato, 11 de Junho de 2021 


Escritor infanto-juvenil Daniel Munduruku vencedor do prêmio Jabui em 2017 e diretor do UKA - Divulgação

A gente considera que as palavras são importantes, que têm alma

O escritor indígena multipremiado Daniel Munduruku avalia que é urgente que o país reveja sua História e passe a reconstruí-la a partir da cultura dos povos que foram colonizados. “Nossa história acabou supervalorizando o lado europeu e desvalorizando o indígena e o africano. A gente, infelizmente, aprendeu a ter vergonha desse nosso passado”, disse em entrevista a edição de hoje (11) do Programa Bem Viver.

“A primeira coisa que a gente precisa fazer é reconstituir nossa identidade a partir do pertencimento a essas culturas. Para isso a gente precisa saber respeitar e valorizar nossa diversidade e isso passa pelo reconhecimento da nossa identidade e pela educação. A gente precisa educar nosso pensamento para sair do pensamento torto que fomos educados, que é o pensamento do colonizar”, avaliou Munduruku. “Nós precisamos criar um projeto de Brasil que nasça dentro do pensamento brasileiro”.

Nascido em Belém, Daniel Munduruku se formou em Filosofia, com licenciatura em História e Psicologia e integrou o programa de Pós-Graduação em Antropologia Social na USP. Deu aulas por dez anos e foi educador social na Pastoral do Menor de São Paulo. Na entrevista, ele avaliou a importância de outros indígenas também terem acesso ao ensino superior

“Toda movimentação de levar a juventude para as unidades, tirando um pouco o peso do vestibular antigo, que era muito seletivo, todas essas políticas de inclusão, foram importantes para que as pessoas tomassem consciência que podem frequentar universidade e ter acesso a conhecimento”, afirmou.

Autor de “Histórias de Índio, Coisas de Índio” e “As serpentes que roubaram a noite”, Daniel Munduruku diz que as palavras fazem parte das tradições e da cultura de seu povo. “Eu venho de tradição oral. Sou indígena e fui educado ouvindo histórias. A gente considera que as palavras são importantes, que têm alma. Escrever foi um aprendizado, eu percebi que poderia carregar esse poder das palavras.”

Greve

Os trabalhadores da Eletrobras entraram em estado de greve contra privatização da estatal que, segundo a categoria, representa risco de aumento nas tarifas e racionamento de energia. A medida provisória que trata da privatização da Eletrobras foi aprovada pela Câmara dos Deputados em maio e para não perder a validade deverá ser deliberada pelos senadores até 22 de junho.

Representantes dos trabalhadores afirmam que, entre outras consequências negativas, a privatização da ameaça os investimentos necessários em infraestrutura energética, que minizariam riscos de crises hídricas no Brasil, como a que o país enfrenta nesse momento. O engenheiro espeicalista em energia Renato Queiroz afirma que para revertê-la o caminho é exatamente fortalecer a estatal.

“A Eletrobras tem grande expertise em inovação, tem laboratórios e simuladores de usinas. É preciso desenvolver mais essa inovação, mas privatizando essa possibilidade será retirada. O setor privado não vai investir em algo que não sabe se vai ter retorno. É o estado que tem que investir em inovação”, diz Renato. “A Eletrobras fez tudo isso. Precisamos fortalecer a Eletrobras como estatal e investir em inovação.”

Comida de verdade

A cozinheira profissional Sayonara Salum ensina uma fácil, deliciosa e saudável receita de couve flor assada. O prato é preparado com ingredientes simples e populares, presentes na maior parte das geladeiras.

É um acompanhamento perfeito para diversos pratos. Além da couve flor você vai precisar de cebola, alho, tomilho, sal e pimenta do reino, queijo parmesão e curry.


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: radio@brasildefato.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário