Pages

Pesquisa revela ‘pontos quentes’ globais onde novos coronavírus podem surgir

Do IHU, 03 Junho 2021
Por Nikolas Galli e David Hayman,




Uma nova análise revela que a expansão da produção concentrada de gado na China pode estar criando condições favoráveis ​​para que os coronavírus saltem de morcegos-ferradura para animais domesticados antes de infectar humanos.

Vacas descansam perto de uma caverna em Yunnan, China, onde morcegos-ferradura foram encontrados carregando um vírus que se assemelha muito ao SAR-CoV-2. (Foto AP de The Yomiuri Shimbun)

A reportagem foi co-escrita por Nikolas Galli e David Hayman, publicada por Universidade da California, Berkeley, reproduzida por EcoDebate, 02-06-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Mudanças globais no uso da terra – incluindo fragmentação florestal, expansão agrícola e produção pecuária concentrada – estão criando “pontos quentes” favoráveis ​​para morcegos que carregam coronavírus e onde as condições estão prontas para que as doenças passem de morcegos para humanos, encontra uma análise publicada esta semana por pesquisadores da University of California, Berkeley, do Politecnico di Milano (Polytechnic University of Milan) e da Massey University da Nova Zelândia.

Embora as origens exatas do vírus SARS-CoV-2 permaneçam obscuras, os cientistas acreditam que a doença provavelmente surgiu quando um vírus que infecta morcegos-ferradura foi capaz de se espalhar para os humanos, seja diretamente através do contato de animais selvagens com humanos, ou indiretamente primeiro infectar um animal hospedeiro intermediário, como o pangolim, às vezes conhecido como tamanduá escamoso. Morcegos-ferradura são conhecidos por carregar uma variedade de coronavírus, incluindo cepas que são geneticamente semelhantes às que causam Covid-19 e síndrome respiratória aguda grave (SARS).

O novo estudo usou o sensoriamento remoto para analisar os padrões de uso da terra em toda a área de alcance do morcego-ferradura, que se estende da Europa Ocidental ao Sudeste Asiático. Ao identificar áreas de fragmentação florestal, assentamento humano e produção agrícola e pecuária, e comparando-os a habitats de morcegos-ferradura conhecidos, eles identificaram potenciais pontos quentes onde o habitat é favorável para essas espécies de morcegos e de onde esses chamados vírus zoonóticos poderiam potencialmente saltar de morcegos para humanos. A análise também identificou locais que poderiam facilmente se tornar pontos críticos com mudanças no uso do solo.

“Mudanças no uso da terra podem ter um impacto importante na saúde humana, tanto porque estamos modificando o meio ambiente, mas também porque podem aumentar nossa exposição a doenças zoonóticas”, disse o coautor do estudo Paolo D’Odorico, professor de ciências ambientais, política e gestão na UC Berkeley. “Cada mudança formal no uso da terra deve ser avaliada não apenas pelos impactos ambientais e sociais sobre os recursos, como estoques de carbono, microclima e disponibilidade de água, mas também pelas possíveis reações em cadeia que podem impactar a saúde humana.

A maioria dos pontos quentes atuais está concentrada na China, onde uma crescente demanda por produtos de carne impulsionou a expansão da pecuária industrial em grande escala. A produção concentrada de gado é particularmente preocupante porque a prática reúne grandes populações de animais geneticamente semelhantes, geralmente imunossuprimidos, que são altamente vulneráveis ​​a surtos de doenças, disseram os pesquisadores.

A análise também descobriu que partes do Japão, norte das Filipinas e China ao sul de Xangai correm o risco de se tornarem pontos quentes com mais fragmentação florestal, enquanto partes da Indochina e da Tailândia podem passar para pontos quentes com aumentos na produção de gado.


O morcego-ferradura é conhecido por carregar uma variedade de coronavírus, incluindo cepas que se assemelham àquelas que causam a síndrome respiratória aguda grave (SARS) e COVID-19 em humanos. (Foto de Davidvraju via Wikimedia Commons | CC BY-SA 4.0)

“As análises objetivaram identificar o possível surgimento de novos pontos quentes em resposta a um aumento em um dos três atributos de uso do solo, destacando tanto as áreas que poderiam se tornar adequadas para transbordamento quanto o tipo de mudança no uso do solo que poderia induzir a ativação do ponto quente", disse a co-autora do estudo Maria Cristina Rulli, professora de hidrologia e segurança hídrica e alimentar no Politécnico de Milão, na Itália. “Esperamos que esses resultados possam ser úteis para identificar intervenções direcionadas específicas da região, necessárias para aumentar a resiliência aos transbordamentos de coronavírus”.

A invasão humana no habitat natural também pode aumentar indiretamente a exposição a doenças zoonóticas, reduzindo a valiosa biodiversidade. Quando as terras florestais se tornam fragmentadas e os habitats naturais são destruídos, as espécies que requerem habitats muito específicos para sobreviver, chamadas de “especialistas”, podem diminuir ou mesmo extinguir-se. Sem a competição de especialistas, espécies “generalistas”, que são menos exigentes quanto ao seu habitat, podem assumir o controle.

Os morcegos-ferradura são uma espécie generalista e têm sido frequentemente observados em áreas caracterizadas por distúrbios humanos. Trabalhos anteriores de Rulli, D’Odorico e do co-autor do estudo David Hayman também relacionaram a fragmentação da floresta e a destruição do habitat na África aos surtos do vírus Ebola.

“Ao criar condições que são desvantajosas para as espécies especializadas, as espécies generalistas são capazes de prosperar”, disse D’Odorico. “Embora não possamos rastrear diretamente a transmissão do SARS-CoV-2 da vida selvagem para os humanos, sabemos que o tipo de mudança no uso da terra que traz os humanos para a cena está tipicamente associado à presença desses morcegos que são conhecidos por carregam o vírus. ”

Embora a China tenha sido líder no plantio de árvores e outros esforços de ecologização nas últimas duas décadas, muitas das árvores foram plantadas em áreas descontínuas de terra ou fragmentos de floresta. Para inclinar o equilíbrio ecológico em favor de espécies especializadas, criar áreas contínuas de cobertura florestal e corredores de vida selvagem são mais importantes do que aumentar a cobertura total de árvores.

“A saúde humana está ligada à saúde ambiental e também à saúde animal”, disse D’Odorico. “Nosso estudo é um dos primeiros a conectar os pontos e realmente aprofundar os dados geográficos sobre o uso da terra para ver como os humanos estão entrando em contato com espécies que podem ser portadoras.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário