Pages

Não é seca, é a devastação da Amazônia

Sul e Sudeste amargam a falta de chuvas — a maior, em 91 anos. Mas tragédia é mais política que climática: Agronegócio destrói bioma crucial ao ciclo das águas no Brasil, auxiliado por um governo que incentiva grilagens e desmatamentos


De OUTRASPALAVRAS, 25 de Maio 2021
Por Roberto Malvezzi (Gogó)




Por que a velha mídia e os cientistas se mostram surpresos com o vazio de nossos reservatórios e com a maior seca dos últimos 91 anos?

Quando cheguei pela primeira vez no município de Sinop, Mato Grosso, me perguntei o que isso significava. Então, me disseram que era uma sigla: Sociedade Imobiliária do Noroeste do Paraná. O próprio site da prefeitura diz que a cidade se originou na década de 70 do século passado, pela política de ocupação da Amazônia Legal pelo Regime Militar.

Quando estive lá, a cidade era uma serraria atrás da outra, mas também me disseram que já tinha diminuído o número, já que a madeira estava acabando. Então, viria a soja para ocupar os espaços desmatados. Depois viria o gado. Por fim, terras abandonadas, imprestáveis para qualquer uso. Números dizem que o agronegócio deixou para trás cerca de 80 milhões de hectares de terras imprestáveis no território brasileiro.

Mas, o que o pessoal do Paraná foi fazer em Sinop? Foi levar o modelo de desenvolvimento que eles aplicaram no próprio estado décadas atrás. E o modelo, que sempre foi predador, continua predador. É o modelo que sulistas e sudestinos espalham também no Oeste Baiano.

Agora, com o licenciamento ambiental pornograficamente liberado, a grilagem das terras públicas liberada, então o avanço sobre a Amazônia tende a se acelerar e devastar o bioma como nunca na história desse país. No último mês de abril o desmatamento foi de 810 km2, o maior da série dos últimos dez anos (Imazon).

Então, acontece uma seca nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Aí vem a mídia, a Agência Nacional de Águas etc., para dizer que passamos pela maior seca dos últimos “91 anos”. Se você destrói a Floresta Amazônica, fundamental no ciclo das águas que abastece o Brasil pelos rios voadores, como vai querer que continue chovendo no Sul e no Sudeste? É como matar as árvores dos ovos de ouro. E matam.

Os cientistas já alertaram que, nessa latitude, no Chile há o Deserto do Atacama; na África o Deserto da Namíbia e na Austrália, o Deserto Australiano. Mas, mistério, chove a cântaros no Centro-Oeste brasileiro, nas regiões Sul e Sudeste, chegando até Uruguai, Paraguai e Argentina. Hoje se fala que a Amazônia chega até a Patagônia.

Então, em matemática simples como ligar lâmpada e interruptor: se o agronegócio continuar destruindo a Amazônia como está fazendo, a região Sul do Brasil, incluindo o norte da Argentina, viram deserto como em outras regiões da mesma latitude, na Terra.

É uma escolha. E esses homens que dominam o Brasil escolheram o pior cenário. Novas secas virão, sempre mais terríveis e o deserto aguarda a todos ali na frente.


ROBERTO MALVEZZI (GOGÓ)
Músico e escritor católico. graduado em Estudos Sociais e em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras de Lorena e em Teologia pelo Instituto Teológico de São Paulo. Foi coordenador nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT) por seis anos. Reside em Juazeiro-BA e atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco

Nenhum comentário:

Postar um comentário