Pages

Da ousadia de ser cidadão

Do IHU, 20 Mai 2021
Por Frei Betto


"Fica difícil alcançar a cidadania quando só se acredita no código que se resume em três leis: a da selva (dos animais, não dos índios, que são civilizados), a do Gerson e a do cão. Nesse caso, não se queixe quando o pneu de seu carro furar na estrada e ninguém parar para ajudar. Ou quando um hospital impedir a sua entrada num momento de socorro imediato por não ter como fazer depósito em dinheiro", escreve Frei Betto, autor de “O diabo na corte – uma leitura crítica do Brasil atual” (Cortez), entre outros livros.

Eis o artigo.

Cabeça, tronco e membros: se tem isso, trata-se de um animal. Se pensa, fala e opta, um animal racional. Se não joga papel no chão, respeita o pedestre enquanto dirige, pede nota fiscal no comércio e exige direitos previstos em lei, um cidadão.

Não é nada fácil ser cidadão brasileiro. Pau que nasce torto... Nascemos como nação-colônia, aprendendo que o estrangeiro é sempre melhor que o nacional. Tivemos o mais longo período de escravidão da América Latina - 320 anos! Tanta submissão está entranhada em nossas veias. Basta alguém se revestir dos símbolos do poder - riqueza, autoridade e ostentação - para ser tratado como se fosse um ser naturalmente superior aos semelhantes.

Exemplo de subserviência brasileira foi o apoio de Bolsonaro à desastrada política de Trump, que resultou no aumento de mortes por Covid-19 nos EUA e aqui. E os promíscuos contatos dos procuradores da Lava Jato com a CIA, o FBI e outros órgãos da inteligência policial estadunidense.

Cidadania rima com soberania. É preciso gostar de si próprio para conquistá-la. Caso contrário, as empregadas domésticas continuarão relegadas ao elevador de serviço, os restaurantes finos só terão garçons brancos, nos voos internacionais apenas passageiros da primeira classe respirarão ar puro (os demais, ar reciclado) e todos acreditarão na publicidade dos planos de saúde, que raramente correspondem à expectativa do usuário na hora do aperto.

Ocorre que a globalização neoliberal detona todos os fundamentos de nossa soberania. O FMI nos impõe o Estado mínimo, tipo fio dental, e o mercado máximo, tão livre que paira acima das leis e da decência. As privatizações do patrimônio público são o exemplo maior de dependência de nosso país ao capital estrangeiro. E o que é mais grave: privatizam-se também nossos valores. Corroem nosso espírito cidadão. Estamos ficando cada vez menos solidários, menos cooperativos, menos participantes. Até a fé religiosa é privatizada, destituída de sua ressonância social e política. Como se Deus fosse um balcão de atendimentos de emergência.

Cidadania rima também com democracia. Se nem se sabe o nome do político em que se votou nas últimas eleições, e muito menos o que andou fazendo (ou desfazendo), como participar das decisões nacionais? Assim, nossa democracia deixa de ser representativa para ser meramente delegativa. Dá-se um bom emprego a um político. Sem se dar conta de que são reflexos diretos da política o preço do pão, a mensalidade da escola, a qualidade de vida, o tamanho do aluguel e a possibilidade de férias.

Num país de democracia virtual e cidadania formal não é de estranhar que o governo entregue a gerência do Banco Central aos representantes dos bancos privados e o torne independente das políticas traçadas pelo executivo federal.

Ser cidadão é entrar em um nó de relações. E desencadear um processo socioeconômico com efeitos na qualidade de vida da população. É simples: quando se pede nota fiscal, evita-se a sonegação e aumenta-se a arrecadação pública que, em tese, permite ao governo investir em equipamentos e serviços essenciais a uma vida melhor: rodovias, hospitais, escolas, segurança etc. Quando se recusa a propina ao guarda, moraliza-se o aparato policial. Quando se protesta em público contra a violência policial, dilata-se o processo democrático.

Cidadania supõe, portanto, consciência de responsabilidade cívica. É como a parábola do menino que, na praia, devolvia ao mar um e outro dentre milhares de peixinhos que a maré forte tinha jogado na areia. Alguém objetou: "De que adianta! Você não poderá salvá-los todos". Ao que o menino respondeu: "Sim, sei disso. Mas este - e mostrou o peixinho que dançava em sua mão - está salvo". E jogou-o de volta à água.

Nada mais anticidadania do que essa lógica de que não vale a pena chover no molhado. De que tudo vai continuar como dantes no quartel de Abrantes. Vale. Experimente recorrer à defesa do consumidor, escrever para os jornais e as autoridades, dar o exemplo de consciência de cidadania. O que querem os políticos corruptos é que passemos a eles cheque em branco para continuarem a tratar a coisa pública como negócio privado. E fazemos isso todas as vezes que torcemos o nariz para a política, com aquela cara de nojo.

Fica difícil alcançar a cidadania quando só se acredita no código que se resume em três leis: a da selva (dos animais, não dos índios, que são civilizados), a do Gerson e a do cão. Nesse caso, não se queixe quando o pneu de seu carro furar na estrada e ninguém parar para ajudar. Ou quando um hospital impedir a sua entrada num momento de socorro imediato por não ter como fazer depósito em dinheiro.

Cidadania rima ainda com solidariedade. Cada um na sua e Deus por ninguém é o que propõe a filosofia neoliberal. Sem consciência de que somos todos resultados da loteria biológica. Nenhum de nós escolheu a família e a classe social em que nasceu. Injusto é de cada 10 brasileiros seis nascerem entre a miséria e a pobreza (e nascem por ano, no Brasil, cerca de 3 milhões de pessoas). Ter sido sorteado não implica uma dívida social?

A solidariedade se pratica com participação nos movimentos sociais - Igrejas, movimentos populares, sindicatos, partidos, ONGs, administrações políticas voltadas aos interesses da maioria. Uma andorinha só não faz verão. Como diz a canção, sonho de um é sonho; de muitos, vira realidade.

Use e abuse de seu direito de cidadania. Cobre dos vereadores e deputados que você elegeu um acerto de contas. Debata com os candidatos. Exija compromissos programáticos. E, sobretudo, atue comunitária e coletivamente.

Mas se prefere deixar "tudo como está para ver como é que fica" não se assuste quando lhe enfiarem um revólver na cara ou exigirem que trabalhe mais por menos salário. Afinal, você merece, como todos aqueles que não percebem que cidadania e democracia são sempre conquista coletiva que depende do corajoso empenho de cada um de nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário