Pages

Brasil passa pela maior crise hídrica desde 1931, diz Bento Albuquerque

Do PODER360, 06.maio.2021


Usinas térmicas serão despachadas

Culpa a Medida Provisória 579/2012

Diz que consumidor sofrerá impacto


Crise hídrica atinge o Distrito FederalTony Winston/Agência Brasília

O ministro Bento Albuquerque se diz preocupado com a falta de chuva no Brasil e o baixo nível dos reservatórios. O titular da pasta de Minas e Energia pretende, nos próximos dias, acionar todas as usinas termelétricas do país para garantir que não ocorram apagões ou seja preciso racionar energia.

“Isso tem nos preocupado bastante desde outubro e o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico existe pra isso. Desde o ano passado nós decidimos despachar as nossas usinas termelétricas fora do padrão normal, justamente para preservar os nossos reservatórios e aquilo que nós ainda temos de agua neles”, disse o ministro.

A previsão do ministério é que nos próximos meses as chuvas na região Sudeste não tenham volumes significativos. Segundo Albuquerque, esse é o menor nível de chuvas no Brasil desde o início da série histórica em 1931.



Ao Poder360, o ministro afirma que o país vai importar mais energia da Argentina e Uruguai, e que impacto financeiro chegará ao consumidor. Leia a entrevista na íntegra:

Poder360 – Qual é o tamanho dessa crise hídrica?
Bento Albuquerque – Essa é a maior crise desde 1931. E só não é pior porque não se media antes. São 91 anos. E agrava-se o fato de que também estamos tendo a menor afluência em Itaipu desde a sua construção.

Isso basicamente porque não está chovendo?
Exatamente. E isso é agravado fruto daquela Medida Provisória 579 de 11 de setembro de 2012 — nós também temos o nosso 11 de setembro no setor elétrico. Essa Medida Provisória que levou os nossos reservatórios. Sobradinho ficou com 2% e atingiu o volume morto da hidrelétrica, ou seja ela virou um fio d’água.

A medida provisória do governo Dilma praticamente destruiu o sistema elétrico?
Isso. Porque levou os nossos reservatórios a essas condições. Logo depois disso as chuvas não foram suficientes para recompor os reservatórios. E isso tem nos preocupado bastante desde outubro. O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico existe pra isso. Desde o ano passado nós decidimos despachar as nossas usinas termelétricas fora do padrão normal, justamente para preservar os nossos reservatórios e aquilo que nós ainda temos de água. Se você pegar todas as outras decisões do CMSE dos últimos 6 meses são todas bem coerentes.

Eles estão tomando essas decisões de modo preventivo?
Para manter a segurança energética do país, para que não ocorra nenhum racionamento, apagão, ou qualquer coisa nesse sentido.

O nível dos reservatórios no final do ano, do jeito que as coisas estão, vai estar muito baixo?
Nós estamos trabalhando para que eles não estejam. Daí o despacho das nossas usinas termoelétricas e outras ações como a antecipação de entrada e operação de algumas usinas termelétricas ou de gás natural — como é o caso do [Vale do] Açu e Sergipe. Isso também nos garante uma energia mais limpa e também nos ajuda a preservar os reservatórios.

No caso dessas usinas, seriam de gás natural importado?
Sim, importado. Pode ser que alguma coisa mude ao longo do tempo, e que a rota 3 mude a operação no 2º semestre, que é o escoamento do nosso pré-sal. Aí pode ser que o gás natural que venha de lá entre nessas usinas. Mas esse é um mercado em que as próprias usinas negociam com a Petrobras e com os outros agentes.

A importação de energia da Argentina também está sendo cogitada?
Estamos fazendo desde outubro. Da Argentina e do Uruguai.

Se o governo não tomar providências, os reservatórios podem atingir qual nível? Pior que em 2013?
Acho que o pior nível foi em 2014 ou 2015. Mas pode chegar sim. Eu costumo dizer que você não pode pagar pra ver. A responsabilidade é tão grande em termos de segurança energética que você não pode esperar o próximo mês. Você tem que considerar que vai acontecer a pior coisa. Então nesse sentido é que estamos conduzindo o ministério.

O impacto pro consumidor é o preço?
Sim, o preço da energia. A própria bandeira vermelha já sinaliza e põe a energia mais cara para o consumidor. Mas isso é um alerta para que [o consumidor] possa se defender, consumir menos e racionar, porque a conta vem de qualquer jeito. É uma questão matemática: se você despacha uma usina que custa mais, alguém tem que pagar por isso.

Tem alguma expectativa de percentual do impacto nas contas?
É muito difícil de prever isso agora. A própria bandeira vermelha não é o aumento da tarifa. A tarifa é reajustada anualmente dentro dos contratos, e cada distribuidor tem o seu texto e sua periodicidade de reajuste. Umas são por IPCA ou IGP-M, vários fatores em meio a isso. Se você continuar consumindo da forma que está consumindo com a tarifa vermelha, o seu reajuste lá na frente não vai ser tão grande assim, porque você já pagou por isso.

Todas as usinas térmicas que podem ser ligadas vão ser ligadas?
É exatamente isso. Todas as térmicas serão despachadas. Claro que tem algumas em manutenção, mas tudo que pode ser despachado em algum momento vai.

A partir de qual momento?
A partir de agora. Isso não é tão simples assim. Às vezes você tem a energia mas você não tem como transportar a energia. Então nós estamos com um trabalho permanente. E isso é uma preocupação diária desde outubro do ano passado. Nós estamos antecipando alguns contratos de operação de linhas de transmissão, que aí você pode aproveitar a energia do Nordeste para ser aplicada no Sudeste. O mais importante para nós é manter o reservatório do Sudeste, que corresponde a aproximadamente 65%, quase 70%, da nossa bateria de reserva hidráulica. A gente tá querendo trazer energia de onde pode para preservar esses reservatórios.

Qual foi a última vez que o governo teve que despachar todas as usinas termelétricas?
Não sei te dizer, mas desde 2001 isso tem ocorrido — quando teve o apagão. [Também ocorreu] em 2014, 2015, 2016. Foi nesse período que os reservatórios foram lá embaixo, então as usinas foram despachadas.

Para o leitor leigo, como pode-se explicar o que foi a Medida Provisória 579 de 11 de setembro de 2012, que levou a essa situação?
O que na realidade aquela MP fez: ela estabeleceu o preço do megawatt/hora em um valor calculado que não incluía um gasto além do operacional, não envolvia manutenção, etc. E não considerava a falta de água para a geração […]. Então ela disse assim, considerando a sua capacidade instalada, você vai produzir não sei quanto de megawatt/hora num período de um ano. O que aconteceu: você não tinha água e tinha que gerar tudo o que podia. E o reservatório foi pra baixo sem nenhum critério de segurança energética. Isso levou a um prejuízo grande, porque você teve que comprar energia mais cara para compensar. O prejuízo do mercado de curto prazo foi de R$ 9 bilhões e judicializou. Porque quando você não fornece sua energia, em tese você compra a do outro pra completar. Aí os operadores disseram assim “mas vem cá, cheguei a essa situação porque o Operador Nacional do Sistema despachou minha usina, então eu levei até acabar o reservatório”. Então foi isso que provocou esse prejuízo. Só para a Eletrobras foi, se eu não me engano, R$ 35 bilhões. Para o consumidor foi de R$ 190 bilhões. É isso aí é inaceitável. Foi um erro grosseiro de avaliação sem considerar fatores que são incontroláveis como o clima, a natureza e por aí vai.

Essas medidas tomadas agora previnem o país de ter um apagão no final do ano?
Agora nós entramos no período seco. E vamos voltar no período úmido apenas em novembro deste ano. Nós temos que tomar todas as medidas. Nós partimos do princípio de que não vai acontecer e tomamos todas as medidas para manter a segurança do abastecimento.

CORREÇÃO [15h15 de 6.mai.2021] – O título de versão anterior deste post dizia que o ministro Bento Albuquerque via a “maior crise energética” no Brasil desde 1931. Na verdade, o ministro disse que esta é a maior crise hídrica desde 1931. O texto foi corrigido.

O Poder360 integra o

Nenhum comentário:

Postar um comentário