Pages

Os Estados Unidos não vão se curar tão cedo

Num país em crise, a base de Trump é atiçada por um jogo perverso de soma zero, em que as pessoas sentem-se melhor rebaixando os outros. É insano e devastador – mas a derrota tornará este contingente mais irritadiço, ressentido e tóxico
Do OUTRAS PALAVRAS, 06/11/2020

Por Richard Sennett, no The Guardian | Tradução de Ricardo Cavalcanti-Schiel

Mesmo com a derrota de Donald Trump, sua base não o abandonará. Os bonés MAGA (“Make America Great Again”), jaquetas da marca Trump e decalques de coronha de arma tornaram-se símbolos preciosos para cerca de 30% dos norte-americanos. Eles acreditam ser donos da América “real”. Se a eleição der errado, para eles, essa base pode chegar a extremos na esperança de recuperar o terreno. Num país com mais de 300 milhões, pelo menos 30% das pessoas são um bando de extremistas.

A base de Trump está, em parte, buscando fazer valer sua “branquitude” como ferramenta política, na tentativa de transmitir uma pureza e uma integridade nostálgicas, tal qual a cor da pele. Excluir forasteiros ― como quando Trump chama os migrantes mexicanos de “estupradores” e “criminosos traiçoeiros” ― e segregar pessoas não brancas dentro do país são atitudes justificadas pelo mesmo motivo: ambos os alvos são considerados “corpos impuros”. Mas o racismo, por si só, não pode explicar o sadismo, a maldade deliberada da base trumpista com relação aos outros norte-americanos.

Essa base é atiçada por uma espécie de jogo perverso de soma zero, que faz com que as pessoas se sintam melhor consigo mesmas rebaixando os outros. No sentido contrário, reconhecer que os outros têm necessidades e direitos próprios soa como tirar essas necessidades e direitos de si mesmo. É esse jogo de soma zero que parece alimentar toda aquela hostilidade. Em última análise, é um jogo em que o jogador não pode vencer: derrubar os outros não pode tornar alguém, por si mesmo, mais forte. Mas a base trumpista parece padecer de algo como um vício em jogo. Ela quer se sentir melhor consigo mesma; não consegue; então continua jogando, na tentativa de converter a raiva e o desprezo em autoestima. E a frustração a leva cada vez mais para os extremos.

Cinquenta anos atrás, quando trabalhávamos no livro The hidden injuries of class (As feridas de classe ocultas. Nova York: Knopf, 1972 ― sem tradução para o português), Jonathan Cobb e eu vislumbramos as origens do jogo de soma zero em um reduto democrata branco da classe trabalhadora em Boston. Muitas dessas famílias, por necessidade, entraram em contato com pessoas muito diferentes durante a Segunda Guerra Mundial, no país e no exterior, e tinham compartilhado com elas um destino comum de insegurança durante a Grande Depressão. No entanto, essas memórias compartilhadas já tinham se enfraquecido na década de 70. Por então, algo parecia faltar, tanto em suas comunidades locais quanto em seus objetivos de vida. Essa ausência os deixava irritados; uma irritação com os outros, expressa na convicção de que as elites e as classes mais desfavorecidas, os programas sociais da Fundação Ford e os guetos estavam, na verdade, em conluio contra os norte-americanos trabalhadores e decentes como eles. E essa “solução” não ajudava em nada para os fazerem se sentir melhor.

O que antes podia ser enquadrado como uma questão de classe ― ou seja, como pessoas que ficaram para trás no boom econômico do pós-guerra ― agora é uma questão de massa, uma sensação de que algo deu errado, e que atinge os Estados Unidos de cima a baixo. Politicamente expresso, esse sentimento inflacionou a base trumpista na última eleição. Os eleitores de Trump eram uma mistura de aposentados, trabalhadores industriais, proprietários de pequenos negócios e prósperos suburbanos, incluindo uma fatia surpreendentemente grande de negros de classe média. Esses eleitores agora o estão abandonando; até mesmo muitos cristãos evangélicos parecem estar fartos.

Essa deserção alimenta o que há de mais assustador nessa base. “Traição” é a palavra que ela usa para explicar as coisas para si mesma, porque essa base parece estar perdendo o jogo: eles nunca contaram com Harvard, mas contavam com os militares, esse ícone da força americana. Então apareceu John McCain, e depois dele o desfile de ex-generais que tentaram colocar ordem na casa de Trump. Assim como McCain acabou rotulado como “perdedor”, o julgamento da Casa Branca sobre esses soldados foi o de que eles não estavam à altura do trabalho.

No mesmo sentido, médicos como Anthony Fauci estariam sabotando as pessoas para as quais usar máscara é um sinal de fraqueza, esquerdismo ou ambos. Generais e médicos são motivados pela missão. E missão é um conceito que está fora da órbita do jogo de soma zero, porque nele se dá aos outros, ao invés de tirar deles. Na linguagem de Trump, missão é coisa para otários.

Em outros países e em outras ocasiões, a ideia de traição alimentou o fogo da violência extremista. Após a primeira guerra mundial, a crença entre muitos alemães de que haviam sido internamente traídos legitimou as represálias nazistas contra os judeus e outros supostos inimigos internos. Mas nos Estados Unidos hoje, o tamanho da América “real” está encolhendo à medida que aumenta a lista daqueles que a teriam “vendido”.

Depois da eleição, o que me preocupa sobre a base trumpista é que ela mude seu foco para os teóricos da conspiração, para os vigilantes armados [como o BORTAC], para uma Klu Klux Klan renascida, porque a agressividade de tais grupos pode se parecer a uma garantia “confiável”. Afinal, perdendo Trump, a América dominante (“mainstream America”) terá se voltado contra aquela América pretensamente “real”. Se essa perspectiva parece por demais extrema, basta lembrar que em 2016 o senso comum dizia que alguém como Trump não poderia jamais ser eleito.

Na década de 70 eu acreditava que as feridas de classe ocultas poderiam ser curadas em parte por meio da interação local, face a face, entre pessoas diferentes. Essa esperança não faz sentido hoje. Perdi minha empatia pelas motivações complexas que inspiram o medo e a reação a ele. O mantra de “unir o país” perde qualquer significado à medida em que a base trumpista endurece e se desloca para a extrema direita. Em lugar disso, ela precisa, sim, ser responsabilizada pelas inclinações criminosas incentivadas por seu líder. Os Estados Unidos não vão se curar tão cedo.

Richard Sennett é professor de sociologia na London School of Economics e professor visitante de arquitetura na Universidade de Cambridge.

RICHARD SENNETT
Richard Sennett é sociólogo e historiador norte-americano, professor da London School of Economics, do Massachusetts Institute of Technology e da New York University

Nenhum comentário:

Postar um comentário