Pages

Butantan freta 6 aviões para importar matéria-prima da CoronaVac da China

Para produção de 40 milhões de doses

Importação foi autorizada pela Anvisa


O Instituto Butantan, em São Paulo, está desenvolvendo a vacina em parceria com a biofarmacêutica chinesa SinovacReprodução/Instituto Butantan


Do Poder 360, 30.out.2020 

 
O Instituto Butantan, de São Paulo, fretou 6 aviões para transportar a matéria-prima da CoronaVac da China para o Brasil. A informação foi confirmada pela assessoria do instituto.

Serão utilizadas ainda mais 3 aeronaves regulares para o transporte.

A importação da matéria-prima foi autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última 4ª feira (28.out.2020). A intenção do Instituto Butantan é produzir 40 milhões de dose da CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria com a farmacêutica Sinovac. O imunizante está na fase 3 de testes –a mais última antes da liberação para aplicação em massa.

Além das 40 milhões de doses a serem produzidas pelo Butantan, o acordo firmado pelo governo de São Paulo envolve ainda a importação de mais 6 milhões de doses da China. Essa compra também foi autorizada pela Anvisa.

Agora, a China deve ainda autorizar a exportação dos produtos ao Brasil. A vacina, no entanto, só será aplicada na população após aprovação do registro pela Anvisa.

O insumo chega em formato líquido em bolsas de 200 litros refrigeradas a uma temperatura de 2ºC a 8ºC. A previsão é de que o carregamento desembarque no Brasil em novembro.

A FioCruz (Fundação Oswaldo Cruz) também se prepara para importar da China o IFA, ingrediente farmacêutico ativo, da vacina de Oxford. A expectativa é de que os insumos cheguem em dezembro.

Inicialmente, o acordo para compra das 46 milhões de doses seria fechado com o governo federal, por meio do Ministério da Saúde, que anunciou a intenção. O cancelamento da compra foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, em 21 de outubro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário