Pages

O poder da incerteza. Entrevista com Edgar Morin

Do IHU, 02 Outubro 2020
Por Anais Ginori, publicada por La Repubblica, 01-10-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.


“Entramos na era das grandes incertezas.” Filósofo, sociólogo, antropólogo, Edgar Morin completou 99 anos em julho, sem nunca esgotar a sua curiosidade intelectual, reavivada pela crise da Covid-19, que faz com que os governantes pareçam navegadores sem coordenadas. A bússola de Morin indica uma direção precisa. “Cambiamo strada” [Mudemos de rumo] é o convite do intelectual francês no seu livro recém-publicado pela Raffaello Cortina Editore.

O grande pensador propõe “quinze lições do coronavírus” sob a insígnia da solidariedade, da inteligência, do advento da “ecopolítica” e do fim da “tecnoeconomia”. “Não conseguindo dar um sentido à pandemia, aprendamos com ela para o futuro”, escreve Morin.

Seus ensaios vão da elaboração do luto aos novos mitos do espetáculo, da ecologia à reforma do bem-estar social. Em uma época de simplificações, o filósofo teoriza há muito tempo sobre o “pensamento complexo”, a união dos opostos e dos saberes, como ele explicou nos seis volumes do “Método”, a obra enciclopédica escrita entre 1967 e 2006, e pela qual ele ganhou o apelido de “Diderot do século XX”.

Eis a entrevista.

Você começa o livro com uma anedota pessoal: sua mãe adoeceu com a gripe espanhola, e essa experiência marcou o seu destino.

O psiquiatra Boris Cyrulnik demonstrou como um grave trauma pode nos dar, se conseguirmos sobreviver, uma capacidade de resistência que ele define, com um termo emprestado da física, “resiliência”. Eu resisti desde o nascimento. A menina que se tornaria minha mãe tinha problemas cardíacos por causa da gripe espanhola. Quando ela se casou, disseram que ela não poderia ter filhos, porque o parto seria fatal para ela. Ela engravidou pela primeira vez e abortou. Na segunda vez, a abortista clandestina lhe deu produtos que não funcionaram. O feto resistiu. Foi assim que eu nasci.

A resiliência vale para as nossas sociedades?

Embora não se corra o risco de uma morte imediata, uma grande crise social, política ou econômica constitui uma prova para a sociedade, que pode sair enfraquecida ou fortalecida. Podemos ir rumo a uma desagregação ou experimentar uma forma de resiliência e sair regenerados, apenas se mudarmos de rumo.

Você nunca usa o termo “revolução”.

A revolução soviética e depois a revolução maoísta produziram uma opressão que vai em sentido oposto à missão de emancipação. Seu fracasso restaurou aquilo que queriam liquidar, ou seja, capitalismo e religião. Em 1968, alguns acreditavam em uma prova geral de revolução; outros, que a economia havia sido atingida de morte pela revolta. Eu interpretei o fenômeno apenas como uma concessão momentânea da nossa civilização.

Desta vez, não se trata apenas de mais uma concessão? A “tecnoeconomia”, que você tanto critica, está sempre presente.

É verdade: hoje, a globalização “tecnoeconômica” é mais hegemônica do que nunca. Com a sua sede insaciável de lucro, ela foi o motor da degradação da biosfera e da antroposfera, provocou fechamentos nacionalistas, étnicos e religiosos. Mudar de rumo pode parecer impossível. Mas todos os novos caminhos que a história humana conheceu eram imprevistos, filhos de desvios que puderam criar raízes e se tornar forças históricas.

O sucesso dos Verdes na França é um sinal de que algo está se movendo?

Os sucessos dos Verdes nas eleições municipais dão esperança de progressos em nível local. Mas, para passar para o nível nacional, há uma grande distância. A ecologia deve ser integrada em um verdadeiro New Deal político-econômico-ecológico-social-cultural a fim de reverter o hipercapitalismo e diminuir as desigualdades. A ecopolítica agora é de importância primordial. Estamos apenas no início.

As epidemias existem desde o início dos tempos. O que é realmente inédito?

A impotência da ciência diante de um vírus desorientador, o caráter multidimensional da crise que atinge a vida de cada indivíduo, de todas as nações e do planeta inteiro. Há a sensação de que o mundo de amanhã não será mais como o que conhecemos.

Os cientistas lutam em posições diferentes, como os políticos.

A ciência não tem um repertório de verdades absolutas. Apenas a teologia se considera infalível. As teorias científicas são mutáveis, e os princípios aparentemente mais sólidos do século XIX, como o determinismo, dão lugar a outras teorias. A ciência, assim como a vida política, vive de conflitos e debates. As controvérsias, longe de serem uma anomalia, são necessárias para os progressos da ciência. O progresso científico nasce da competição e da cooperação. O risco, no entanto, é que a competição se torne concorrência, como na busca o tratamento ou da vacina, em detrimento da cooperação, que permitiria acelerar a eliminação do vírus.

Macron tem razão quando fala da necessidade de se “reinventar”?

Devemos nos repensar para nos reinventar. Mudar de vida e mudar de rumo. Muitas transformações parecem necessárias ao mesmo tempo: são necessárias reformas econômicas, sociais, pessoais, éticas. Por toda a parte no mundo, graças a essa crise global, apareceram miríades de nascentes, miríades de riachos, que, unindo-se, poderiam formar córregos e confluir em cursos de água, dos quais poderia nascer um grande rio.

Mudar de rumo significa seguir em frente sem esperar ter certezas absolutas?

Não se pode conhecer o imprevisível, mas é possível prever a eventualidade. A vida é uma navegação em um oceano de incertezas, através de ilhas de certezas. Embora oculta ou removida, a incerteza acompanha a grande aventura da humanidade, cada história nacional, cada vida individual. Porque cada vida é uma aventura incerta: não sabemos primeiro aquilo que nos espera, nem quando a morte chegará. Todos fazemos parte dessa aventura, repleta de ignorância, desconhecido, loucura, razão, mistério, sonhos, alegria, dor. E incerteza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário