Pages

Servidão voluntária aos EUA não trará benefício ao Brasil, alerta Paula Schmitt

Do Poder360, 24.set.2020 

Visita de Pompeo revela sobre nós

E sobre papel escolhido para nós


De todas as crenças estapafúrdias defendidas por quem sabe ler, uma das mais constrangedoras foi repetida pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo: a de que os EUA se intrometem na Venezuela porque têm interesse em instalar uma democracia no país. Essa bobagem só é comparável a outra asneira desconcertante: a de que os Estados Unidos são agentes do mal, e particularmente mais malignos que todos os países do mundo.

Conheço tolos dos 2 lados dessa interpretação abobalhada, gente que vê a política como uma novela mexicana em que José Mirales és muy muy malo, pero su hermano Juan Mirales que bendicion és un ángel! Esse tipo de duelo galáctico entre o bem e o mal, senhores, non eksiste. O que existe são interesses, e os EUA defendem os seus e em grande medida estão certos em fazê-lo. Quem não parece defender os interesses do seu próprio país é o ministro Ernesto Araújo.

Antes de eu continuar, pausa para uma história verídica: em 2012, eu acho, em Nova York, eu fui assistir a um debate em que o diretor de cinema Oliver Stone apresentava e discutia uma série documental chatíssima que ele fez. Chata sim, mas necessária, porque tratava de histórias importantes do governo norte-americano que os norte-americanos mal conhecem. Eu fui na esperança de ver algo sobre o Smedley Butler, que foi em vida o general mais condecorado da história dos EUA, invadiu vários países, e conduziu várias operações de guerra.

Mas um dia Butler descobriu que suas operações militares não tinham o objetivo de salvar povo nenhum, muito menos exportar a democracia norte-americana. Ele viu que estava sendo usado por corporações gigantescas para arrebatar fatias do mercado dos países invadidos, apropriar-se de recursos naturais e destruir a concorrência. Fiquei decepcionada com a ausência do general naquela série, levantei a mão e perguntei por que. Em vez de me responder, o diretor fez outra pergunta: “Onde você ouviu falar do Smedley Butler?”

A pergunta se mostrou pertinente ali mesmo, porque depois disso o Oliver Stone perguntou pra plateia: “Quem aqui já ouviu falar de Smedley Butler?”, e calculo que nem 2% dos presentes levantaram a mão –uma parcela ínfima entre aquele público de gente já pré-selecionada que tinha educação e curiosidade pra saber quem era o cara. Eu mesma só descobri a história dele por acaso, vendo o material extra do excelente, obrigatório e imperfeito documentário canadense The Corporation.

Vou traduzir aqui o trecho de 1 discurso do Smedley Butler que ficou famoso na época como War is a Racket, as primeiras palavras do texto, e depois disso vocês vão entender porque o general foi virtualmente eliminado da história, ausente até de livros escolares.

“A guerra é uma armação [ou cilada, ardil, arapuca, engodo]. Ela sempre foi. Ela é possivelmente a armação mais antiga, facilmente a mais lucrativa, e certamente a mais maligna. É a única armação de alcance internacional. A única em que os lucros são calculados em dólar, e as perdas em vidas. Uma armação é melhor descrita, eu creio, como algo que não é o que parece para a maioria das pessoas. Apenas 1 pequeno grupo interno sabe do que se trata. Guerras são criadas para o benefício de poucos, às custas de muitos. Da guerra, 1 grupo de poucas pessoas faz fortunas gigantescas.”

Em outro trecho, Butler explica o verdadeiro propósito das guerras que lutou:

“Eu ajudei a tornar o México e especialmente o Tampico lugares seguros para os interesses petrolíferos norte-americanos em 1914. Eu ajudei o Haiti e Cuba a se tornarem 1 lugar ideal para que os meninos do National City Bank arrecadassem suas receitas. Eu ajudei na violação de meia dúzia de repúblicas da América Central em benefício de Wall Street. Ajudei a limpar a Nicarágua para o Banking House of Brown Brothers em 1902-1912. Eu trouxe luz para a República Dominicana para os interesses de produtores de açúcar norte-americanos, em 1916. Ajudei a preparar a Honduras para as empresas de frutas norte-americanas em 1903. Na China, em 1927, ajudei a garantir que a Standard Oil seguisse seu caminho sem ser molestada.”

Eu sei que o capitalismo favorece a liberdade, se não por outra razão, porque a liberdade é uma condição para o livre mercado. (Mas se você ainda acredita que nos EUA prevalece o livre mercado, tenho más notícias e aqui dou uma pequena ideia dos interesses que de fato governam aquele bastião da democracia. É claro que a ditadura venezuelana atrapalha os interesses norte-americanos, mas não por ser uma ditadura, e sim porque é 1 inimigo ideológico declarado.

Os EUA são aliados e protetores de várias outras ditaduras, e ausência de democracia nunca foi impedimento para negócios e investimentos. Por outro lado, eu também entendo que para o venezuelano que está sendo vítima de arbitrariedade, censura, ameaças e injustiça vindos do seu próprio governo, talvez pouco importe se os EUA querem o petróleo ou a construção de escolas. Eu, particularmente, trocaria toda a independência econômica do mundo pela minha independência individual, se fosse venezuelana.

E se eu fosse norte-americana, eu talvez aceitasse as invasões engendradas pelo meu país, na crença hoje bastante estúpida de que seus interesses são também os meus. Mas como eu sou brasileira, e faço questão de defender minhas necessidades, cabe aqui a pergunta mais essencial nisso tudo: o que o Brasil ganha com esse servilismo? O que o Brasil ganha abrindo mão antecipadamente do seu peso na balança internacional dessa guerra fria que já vem se esquentando há algum tempo? Por que estamos dando 1 cheque em branco a 1 país e 1 possível presidente com interesses distintos e muitas vezes exatamente o oposto dos nossos? Quem nesse acordo vai enganar o outro? Quem vai ser o loser, e quem vai ser o winner?

O que me causa mais repulsa na atitude sicofântica do ministro Ernesto Araújo não é que ele ignore os interesses escusos dos EUA na Venezuela. Eu sei que ele não ignora. O que me causa asco e espanto é que ele parece sim ignorar que, se continuarmos assim, ajoelhados em estado de deslumbre com os EUA, o Brasil provavelmente não vai levar nada daí. E se Trump tem segundas intenções, e não pretende cumprir suas promessas com aliados, lembre-se, ministro: Trump não vai perder 1 só voto ou apoio traindo parceiros de acordos comerciais –ele vai ganhar. Que valor o nosso ministro atribui ao solo brasileiro pra deixar que ele seja usado como palco de ameaça velada a 1 país vizinho que não nos atacou?

Deixa eu resumir aqui, de forma bem sucinta e insuficiente, por que razão eu sou essencialmente libertária e acredito na defesa de interesses individuais: Porque eles facilitam o equilíbrio e a justiça em 1 mundo de variáveis infinitas e incalculáveis. Quando cada 1 defende o seu lado, é mais fácil que todos se beneficiem da forma mais orgânica e justa possível. Existem países insignificantes que são regularmente zombados no mundo diplomático porque eles frequentemente votam de acordo com os desejos dos EUA nas Nações Unidas.

Mas eu não julgo esses países. Se eu fosse cidadã de 1 deles, eu provavelmente iria querer sim que meu país abrisse mão do orgulho nacional em troca de ajuda econômica pra construir 1 sistema de esgoto. Meu senso de prioridade é bem pragmático, e é por isso que eu faço questão de 1 presidente e 1 ministro de Relações Exteriores que defendam os interesses do meu país e saibam negociar inteligentemente em seu favor. Usar boné de candidato estrangeiro, ajoelhar e lamber bota de homem poderoso é coisa de fraco, de gente que não respeita a si mesmo e muito menos respeita o cargo que lhe foi conferido.

Receber os EUA de pernas abertas por questão meramente ideológica, sem contrapartida econômica, é vergonhoso, coisa de despreparado que pode ser manipulado com 1 ramalhete de flor murcha. Isso não mostra coragem nenhuma contra a Venezuela 1 só uma servilitude desconcertante com 1 país que lhe intimida. Cê curte?

O Poder360 integra o
Saiba mais›

Gostou?


Autores


Paula Schmitt

Paula Schmitt é jornalista, escritora e tem mestrado em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção "Eudemonia" e do de não-ficção "Spies". Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos. Escreve semanalmente para o Poder360, sempre às quintas-feiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário