Pages

Cuidar dos serviços ecossistêmicos beneficia a vida humana

Do IHU, 25 Setembro 2020
Por University of Queensland e reproduzida por EcoDebate, 24-09-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.


Serviços ecossistêmicos: O planejamento da conservação pode ser muito melhorado para beneficiar as comunidades humanas, ao mesmo tempo em que protege a biodiversidade, de acordo com a pesquisa da Universidade de Queensland.

O candidato ao doutorado Jaramar Villarreal-Rosas, da Escola de Ciências da Terra e Ambientais da UQ, disse que os benefícios que as pessoas recebem dos ecossistemas – conhecidos como serviços ecossistêmicos – estão cada vez mais ameaçados globalmente devido aos impactos negativos das atividades humanas.

“Houve uma diminuição substancial na qualidade e quantidade de água doce dos ecossistemas de pântanos nas Américas desde o assentamento europeu, de acordo com a Plataforma de Política Científica Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos”, disse a Sra. Villarreal-Rosas.

“Os mesmos dados mostram que, ao mesmo tempo, os serviços de polinização – de insetos e pássaros – estão em declínio na Europa e na Ásia Central".

“Esses são serviços essenciais nos quais às vezes nem pensamos – a comida que comemos, o ar que respiramos ou a sensação de relaxamento após um passeio no parque".

“E até agora, as decisões de planejamento paisagístico têm sido amplamente tomadas sem considerar totalmente os múltiplos benefícios que as pessoas obtêm da natureza”.

Os pesquisadores analisaram 326 artigos científicos que aplicaram planejamento sistemático de conservação para serviços ecossistêmicos em todo o mundo, classificando-os com base na extensão em que integraram corretamente os benefícios que as pessoas recebem dos ecossistemas e se vários valores e conexões com a terra foram considerados.

Eles revelaram que apenas dois por cento dos planos de conservação globalmente consideram todos os componentes dos serviços ecossistêmicos que determinam o benefício das pessoas, reconhecendo diferentes valores da terra.

“Isso significa que estamos tomando decisões de planejamento que podem colocar os serviços do ecossistema em risco e, por sua vez, os meios de subsistência e estilos de vida das pessoas podem ser bastante afetados”, disse Villarreal-Rosas.

“Os planos de conservação estão aquém de maximizar os benefícios para as pessoas e para a natureza".

“Há uma necessidade urgente de desenvolver estratégias de planejamento eficientes e eficazes para proteger e restaurar os serviços ecossistêmicos para várias partes interessadas”.

O autor sênior, professor Jonathan Rhodes, disse que a equipe de pesquisa fez exatamente isso – delineando um processo formal que governos e formuladores de políticas podem usar ao elaborar seus planos de conservação.

“As soluções devem incluir explicitamente benefícios para diferentes pessoas no espaço, tempo e status socioeconômico”, disse o professor Rhodes.

“As pessoas têm valores e conexões diferentes com a terra e isso deve ser reconhecido para garantir que as decisões de planejamento tenham resultados positivos para várias pessoas".

“Por meio dos princípios que delineamos neste estudo, esperamos não apenas melhorar os serviços ecossistêmicos globalmente, mas também aumentar a eficiência, a transparência e a equidade nos processos de tomada de decisão".

“Vemos o planejamento da conservação mudando para abordagens holísticas, onde a diversidade das pessoas e da natureza são valorizadas, respeitadas e protegidas".

“Fazer essas mudanças é essencial para alcançar agendas de políticas internacionais, como as Metas de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas”.


Referência:

Advancing Systematic Conservation Planning for Ecosystem Services. Jaramar Villarreal-Rosas,Laura J. Sonter,Rebecca K. Runting,Sofía López-Cubillos,Marie C. Dade,Hugh P. Possingham,Jonathan R. Rhodes. Publication: Trends in Ecology & Evolution. Disponível aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário