Pages

A eleição que pode mudar a sina da Bolívia

Empobrecida, população rechaça o golpe de 2019. Presidente apoiada por Washington vai à lona e abandona candidatura. Luis Arce, ex-ministro de Evo Morales, lidera pesquisas. Contra ele, trama-se uma grande coalizão conservadora



De OUTRASPALAVRAS, 24 de Setembro, 2020
Por Katu Arkonada | Tradução: Antonio Martins

A quatro semanas das eleições gerais na Bolívia, marcadas para 18 de outubro, o panorama é cada vez mais complexo. A polarização entre o Movimento Ao Socialismo (MAS), de Evo Morales, e os golpistas torna-se mais aguda. O conservador Carlos Mesa tenta manter um perfil baixo, para capturar votos de uma direita desencantada com o governo, que derrete depois de quase um ano de escândalos de corrupção e negligência diante da crise sanitária.

As últimas pesquisas são favoráveis ao MAS-IPSP (Instrumento Político pela Soberania dos Povos),que tem o ex-ministro da Economia, Luis Arce, como candidato presidencial. O partido-movimento de Evo Morales chega a 26,2% na pesquisa mais recente do instituto Mori (o único que acertou o resultado do referendo de fevereiro de 2016). Quando se computam apenas os votos válidos, o percentual sobre para 37,3%, diante dos 24,2% de Carlos Mesa e 14,4% de Jeanine Áñez. Ou seja, Luís Arce estaria próximo de ser presidente eleito no primeiro turno, desde que alcance 40% dos votos válidos e dez pontos percentuais de diferença sobre Mesa. Isso poderia ocorrer, com uma boa campanha eleitoral e se os golpistas não descartarem Áñez da corrida presidencial. [Aturalização: a presidente em exercício desde o golpe renunciou, em 17/9, à disputa presidencial. No entanto, a transferência de seus votos para Carlos Mesa não se concretizou de imediato, já que o candidato de ultradireita, Fernando Camacho, recusou-se a deixar a disputa em favor do conservador moderado – Nota de Outras Palavras].

Caso ninguém alcance os 40%, ou Mesa chegue a menos de 10 pontos de diferença de Arce, o segundo turno será inevitável. Nesse caso, os 14% dos golpistas, somados aos de Fernando Camacho (12,4%), que lidera as intenções de voto na cidade mais populosa do país, Santa Cruz, aos do conservador Chi Hyun Chung (5,9%) e aos do homem do Departamento de Estado dos EUA na Bolívia, Tito Quiroga (3,8%) se uniriam contra Evo Morales e Luis Arce, com grande risco de derrota para o MAS. [Atualização: Uma pesquisa mais recente, do Instituto Jubileu, atribuiu 40,3% a Luis Arce, 26,2% a Carlos Mesa e 14,4% a Fernando Camacho].

Duas semanas antes das eleições, em 4 de outubro, haverá o debate entre os candidatos, organizado pela Associação Nacional de Jornalistas da Bolívia, a Confederação de Empresários Privados, a Fundação Jubileu, a Universidade Maior de San Andrés e uma rede de meios de comunicação. Os 14 dias posteriores ao debate serão decisivos para que diferentes setores possam consolidar seu voto.

Enquanto isso, o governo golpista procura por todos os modos lavar sua imagem e turvar as de Evo Morales e do MAS. Uma “denúncia” protocolada pela Procuradoria Geral do Estado diante da Corte Penal Internacional acusa Evo de incorrer em delitos de lesa-humanidade. Os autores físicos e intelectuais dos massacres de Sacaba e Senkata – em que foram assassinadas mais de 30 pessoas por tiros das forças de segurança – “acusam” o ex-presidente boliviano da morte de mais de 40 pessoas por falta de oxigênio, durante os bloqueios de estradas e avenidas, em agosto.

Ao mesmo tempo, após uma viagem aos Estados Unidos de Arturo Murillo, ministro de Governo, em que se reuniu com o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, representantes do Departamento de Estado e os senadores republicanos Ted Cruz e Marco Rubio, começou a operar na Bolívia a empresa norte-americana CLS Strategies, vinculada aos serviços de inteligência de Washington, e que supostamente dará ao governo boliviano “de transição” assessoria em temas relacionados à “democracia”.

De maneira complementar, e segundo vazamentos do entorno do gabinete presidencial, os golpistas têm no bolso uma proposta para eliminar o registro jurídico do MAS-IPSP, junto com uma análise do que implicaria tal ato, em questão de mobilização e resposta social. A aposta é clara: um segundo turno entre dois candidatos conservadores, em que só haveria um ganhador: os Estados Unidos e seus interesses na Bolívia.

Nas ruas, ao menos na classe média urbana, a sensação é que se desejava uma mudança, mas não como a que ocorreu. Isso fez com que Mesa se deslocasse para a direita, para ganhar o voto mais extremista, que já não se sentia representado por Áñez. Isso poderia carrear para o MAS o voto mais moderado de centro. Entre a disjuntiva de pensar quando estavam melhor, em setembro de 2019 (as eleições foram em outubro, e o golpe em novembro) ou em setembro de 2020, é claro que esta classe urbana tinha melhores condições sociais, e sobretudo econômicas, há um ano.

A crise econômica faz com que as pessoas tenham saudades de setembro de 2019. Nos 14 anos do processo de mudanças, recebia-se em dia e era possível economizar. Nos nove últimos meses, muitos perderam seu trabalho e gastaram suas poupanças. Este é o novo sentido comum que se constrói entre boa parte da população boliviana.

Se este sentido comum crescer, movendo a balança a favor do MAS-IPSP, então a alternativa a ser buscada pelos que hoje governam pode ser um novo golpe dentro do golpe, que impeça Evo Morales, chefe de campanha do Movimento Ao Socialismo, de retornar a uma Bolívia governada por Luís Arce Catacora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário