Pages

Os territórios que o Google Maps esconde

Palestina, Caxemira e outros espaços que o poder global quer esconder são quase apagados, nos mapas da gigante da internet. Em seu lugar, um leve tracejado, sinal de que podem desaparecer. Há alternativa: o OpenStreetMap, plataforma livre.

Do OUTRAS PALAVRAS, 21/08/2020

por Antônio Heleno Caldas Laranjeira


Resultados nas buscas por “Palestine” no OpenStreetMap e no Google Maps.

Afinal, é possível produzir mapas que representem todos os lugares com equidade? Para responder essa questão contemporânea, o sociólogo português, Boaventura de Souza Santos, em seu artigo Uma cartografia simbólica das representações sociais: prolegômenos a uma concepção pós-moderna do direito, de 1988, já sinalizava, sobre a relevância da espacialidade na interpretação temporal e o papel dos mapas para o direito histórico aos territórios, e aponta.

Em síntese, três aspectos para investigação crítica a partir de uma cartografia. A escala, a planificação e a simbolização são os três recursos-chave para o funcionamento dos mapas que utilizamos via Internet, e que, por vezes, levam o usuário do mapa à refletir sobre os critérios de relevância e as regulações que garantem a organização das informações que ele acessa sem reconhecer quem produz os mapas utilizados.

Afinal, quando falamos em mapas para todos precisamos também perguntar: Quem são “todos”? Usuários ou produtores de mapas? Quais são os mapas que representam “todos” por “todos”? Google Maps ou OpenStreetMap?


Tela da plataforma Google Maps resultado da busca pelo “Complexo do Alemão”.

O Google Maps é uma plataforma — um site que reúne dados e permite operações online — de uma empresa hegemônica (holding) nas práticas de geocomunicação, formada por uma complexa trama de incorporações de empresas (subsidiárias), um dos produtos mais evoluídos da Indústria das Mídias, lançado em 2005.

Isso porque, diferentes inovações, no âmbito das operações de produção e circulação — como o Local Guides e o StreetView — tem sido marcada pelas apropriações sociotécnicas de geotecnologias a partir da “geospacial web” (ou geoweb), ambiente digital decorrente da convergência da interatividade da web 2.0 com as frequências de GPS (Geographic Positioning System) e a base de dados de GIS (Geographic Information System).Tela da plataforma OpenStreetMap resultado da busca pelo “Complexo do Alemão”.


O OpenStreetMap também é uma plataforma, criada para servir às práticas alternativas de geocomunicação. A distinção elementar do OpenStreetMap, lançado em 2004, é que este não tem fins lucrativos, é um projeto colaborativo mantido por doações e realizado por voluntários. Neste modelo de negócio, novas modalidades de economia das redes digitais entram em cena, em conflito com o monopólio das organizações com fins lucrativos, como a Google Inc.

Considera-se que as plataformas de mapas online são ultracolaborativas (pois permitem colaborações em massa e/ou em rede), hipervisuais (pois permitem visualizações por escalas gráficas diversas, do zoom micro ao zoom macro) e multiterritoriais (por permitirem territorializações pelo conhecimento e pelo reconhecimento, do senso de “estar na cidade” e “ser da cidade”). Estas “dicotomias tricotomizadas” (nos termos de Henri Lefebvre) conduzem ao “paradigma das geocomunicações”.

Esse paradigma fundamenta-se no pressuposto de “quem necessita do mapa”. Apesar da globalização dos mapas com a Internet, são os sujeitos habitantes que, por sua vivência e percepções, possuem maiores e melhores condições de comunicabilidade de localizações e trajetos na representação cartográfica de um território. Isto é, de fornecer informações espaciais a um sistema de geocomunicação (uma das plataformas de mapas online), de modo a suprir a demanda de sujeitos estrangeiros, que não partilham com os habitantes os referenciais de pertencimento à paisagem visual e/ou sonora deste território.

O ato de “empoderar” habitantes no processo de colaboração, na produção de mapas de um território, concebe outras representações para além das colaborações de visitantes, conforme o “paradigma das geocomunicações”, para o qual as três dimensões do espaço (vivido, percebido e concebido) “constituem uma unidade dialética contraditória”.

É um(a) habitante, dotado da liberdade de comunicação virtual que deve consentir, entre usar e aprimorar mapas sob a licença do OpenStreetMap ou do Google Maps, ou seja, consentir sobre qual mapeamento melhor representa a realidade do seu espaço vivido: com base na ação cartográfica ou na atividade cartográfica.

Em síntese, afirmamos que ocupar o corpo na ação colaborativa de mapeamento representa um gesto político, se reconhecermos que o direito à cidade é o direito ao mapa: como propõe Boaventura de Souza Santos, os mapas são simbolicamente os “prolegômenos do direito”.

O que visualizamos e porque visibilizamos

Desde o advento das plataformas, como Google Maps e OpenStreetMap, pesquisas estimam que consumimos mais mapas em 24 horas que foram consumidos mapas em 2000 anos desde a criação da Cartografia.

A constatação da aceleração da produção e do consumo dos mapas esconde questões profundas da atualidade em relação às guerras pelo direito ao território. A questão sobre quem faz e quem usa o mapa é preliminar para pensarmos na representação mais justa de um território.

Incorremos na netnografia no ambiente das plataformas de mapas online (ou “geoweb”, abreviatura do termo técnico “geoespacial web 2.0”) para explicarmos porque o Google Maps não reconhece a Palestina na sua base de dados e porque é plenamente possível visualizar via OpenStreetMap a diferença entre os territórios de Israel e Palestina através de fronteiras (na cor laranja).


Resultados nas buscas por “Palestine” no OpenStreetMap e no Google Maps.

Se observarmos o mapa da plataforma livre (figura à esquerda), produzido por voluntários, podemos visualizar as ocupações militares dos territórios do mundo: são zonas em vermelho e tracejado na diagonal dispostas nas fronteiras ao sul de Israel e ao leste da Palestina. A Faixa de Gaza é a maior zona de conflito por que fica desanexada do centro de poder e aproximada de uma zona litorânea com uma zona militar ao sudoeste, na fronteira com o Egito,estado aliado de Israel.

Para a plataforma proprietária de mapas (figura à direita), a “Palestina” é uma área delimitada por um tracejado em relação às fronteiras de Israel; com destaque para a Faixa de Gaza descrita como equivalente à Cisjordânia, o que é geopoliticamente incompatível.

O “tracejado” é considerado tecnicamente como um recurso gráfico também utilizado em outros casos pelo Google Maps, como os estados de Jamu e Caxemira, ao norte do Nepal, em relação aos territórios hegemônicos da China e da Índia.

Na geopolítica, são essas “porosidades simbólicas” das linhas das fronteiras as “brechas materiais” para a forte entrada de tecnologias e de ideologias bélicas neste caso do Oriente Médio. Observar os detalhes dos mapas é necessário para um leitura radicalmente humanitária sobre a verdade e justiça dos discursos que eles circulam mundialmente.


ANTÔNIO HELENO CALDAS LARANJEIRA
Jornalista pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Pesquisador em Geografias da Comunicação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Professor de Geocomunicações do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IPBAD).

Nenhum comentário:

Postar um comentário