Pages

TRF-1 determina que governo federal retire garimpeiros da Terra Yanomami em Roraima

União tem 15 dias para começar a enfrentar a pandemia de coronavírus no território indígena. Cabe recurso à decisão.

Do G1 RR — Boa Vista, 3 de Julho, 2020
Por Fabrício Araújo e Valéria Oliveira, G1 RR — Boa Vista


Operação do Exército ocorre entre os rios Mucajaí e Uraricoera, que dividem a terra indígena Yanomami, em Roraima — Foto: Exército Brasileiro/ Divulgação

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou nesta sexta-feira (3) que o governo federal retire garimpeiros da Terra Yanomami como forma de combate ao coronavírus na região. A decisão é liminar - provisória - e cabe recurso.

De acordo com a decisão, a União tem 15 dias para começar a enfrentar a pandemia na terra indígena. Um plano emergencial, que contemple a retirada de garimpeiros, deve ser elaborado e apresentado a Justiça em até cinco dias. Em seguida, deve ser posto em prática com o prazo máximo de 10 dias.

O G1 procurou a Advocacia-Geral da União (AGU) e aguarda resposta.

O projeto deve ser elaborado em parceria com a Fundação Nacional do Índio (Funai), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) e deve conter medidas para:

Equipes fixas para combate dos ilícitos em pontos estratégicos onde há garimpo na Terra Yanomami;
Efetivo adequado para ações de repressão e investigações;
Disponibilização alimentos, insumos, serviços e equipamentos;
Relatórios a cada 15 dias para comprovar que a determinação judicial está sendo cumprida;
Garantia de imediata retirada de todos os garimpeiros não indígenas;
Medidas para não agravar o risco de contaminação na região, as equipes de atuação devem adotar as medidas sanitárias necessárias.

A decisão é do desembargador federal Jirair Aram Meguerian e foi dada após ação do Ministério Público Federal (MPF).

“Considerando, ainda, o fato afirmado pelo Ministério Público Federal, no sentido de que há mais de 20.000 garimpeiros na TIY, cuja população atual é de 26.780, bem como a notória situação de risco dos povos da região em razão de sua vulnerabilidade social e imunológica, deve ser deferida a medida de urgência requerida, sob pena de não observância do disposto no artigo 231 [que reconhece aos índios direito sobre as terras que tradicionalmente ocupam] da Constituição Federal”, afirmou o desembargador em trecho da liminar.

Para o Ministério Público, os povos indígenas são "vítimas da omissão estatal" na contenção de garimpeiros há cerca de 50 anos, desde a década de 1970. O órgão afirma que em 1985 a Comissão Interamericana de Direitos Humanos recomendou que o Brasil adotasse medidas para proteger a vida e saúde dos povos indígenas.

"Passados 35 anos desde a recomendação, persiste a mora do Poder Público em instalar e operar, de modo contínuo, uma rede de proteção e monitoramento territorial hábil a inibir a ação de garimpeiros na região", diz trecho de nota do MPF.

Nesta quinta-feira (2), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 48 horas para que o presidente Jair Bolsonaro, a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República se manifestem sobre um pedido para que o STF obrigue o governo a tomar medidas para proteger as comunidades indígenas do coronavírus

Conflitos entre garimpeiros e Yanomami

PF e MPF investigam envolvimento de garimpeiros na morte de dois índios em Roraima

00:00/02:00

PF e MPF investigam envolvimento de garimpeiros na morte de dois índios em Roraim

A tensão na Terra Yanomami resultou no assassinato a tiros de dois jovens indígenas, de 20 e 24 anos. As vítimas foram alvos de garimpeiros armados no meio da floresta.

O conflito foi classificado pela Associação Hutukura Yanomami como uma tensão similar ao Massacre de Haximu, que ocorreu no ano de 1993 em Roraima. À época, 16 índios foram mortos por garimpeiros. Este foi o primeiro caso reconhecido como genocídio pela Justiça brasileira.

Com a morte dos jovens indígenas, os Yanomami divulgaram uma carta aberta onde relataram o medo de que ocorra um ciclo de violência na região.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, no entanto, minimizou a tensão entre garimpeiros e indígenas. Durante visita a Roraima, ele disse que conflitos na região “não são comuns”. A declaração foi dada após ele ter ido à Terra Yanomami acompanhar ações de saúde relacionadas ao coronavírus.

Essa ação de saúde, com envio de militares para a região, é alvo de investigação do MPF. O Ministério Público apura a distribuição de cloroquina aos indígenas e o acesso às reservas sem autorização dos povos que vivem nas comunidades. A preocupação é com o descumprimento das regras de distanciamento social e a exposição dos indígenas ao coronavírus.

YANOMAMI


Bebês Yanomami são enterrados sem autorização de famílias e mães ficam desesperadas em RR

Garimpeiros podem levar coronavírus à Terra Yanomami e causar genocídio, diz procurador de RR

'Chocolate Yanomami' é aposta para evitar que garimpeiros recrutem jovens indígenas na Amazônia

Jovens indígenas são mortos por garimpeiros em conflito na Terra Yanomami em Roraima

Ministério da Saúde diz que mães foram informadas sobre enterro de bebês Yanomami em RR

Índios Yanomami denunciam risco de massacre em reserva no AM e RR e exigem saída de garimpeiros

Justiça Federal determina reativação de Bases de Proteção em Terra Indígena Yanomami

Índio yanomami de 15 anos morre em Roraima após 6 dias na UTI

Covid-19 pode infectar até 40% de indígenas yanomami em aldeias vizinhas a garimpo, diz estudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário