Pages

O impacto do novo coronavírus na população indígena da América Latina

A América Latina é o novo epicentro da pandemia do coronavírus no mundo, contabilizando mais de 1 milhão de casos. As estimativas apontam que a região concentra, aproximadamente, 40% das mortes diárias pela Covid-19. Com a expansão do vírus nessa magnitude, os povos originários somam seus mortos às vítimas do novo coronavírus.

Do IHU, 03/06/2020

A reportagem é publicada por Observatório da América Latina.

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) estima que a população indígena seja de 45 milhões, quase 10% da população da América Latina. O Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas na América Latina e Caribe (FILAC) calcula que existem mais de 800 povos indígenas distribuídos de formas heterogêneas: Brasil concentra 305, seguido pela Colômbia (102), Peru (85) e México (78). Costa Rica e o Panamá, com 8 e 9 cada, e El Salvador (3) e Uruguai (2) com povos indígenas menores.
Retrato da população indígena

O FILAC alerta que a situação dos vários povos também não são homogênea, pois muitos existe uma grande fragilidade, com risco de desaparecimento físico e cultural. Estima-se que atualmente 462 povos tenham menos de 3.000 habitantes e cerca de 200 vivam em isolamento voluntário, em situações extrema vulnerabilidade. Isto significa altos índices de desnutrição, infraestrutura e falta de acesso aos serviços de saúde.

Os sistemas de saúde dos países da América Latina já são caracterizados por serem fracos e fragmentados, que não conseguem garantir o acesso universal para a população. Ainda tendem estar geograficamente centralizados, com serviços e médicos especializados concentrados nos grandes centros urbanos.

A distância entre hospitais e comunidades indígenas pode levar várias horas e dias de viagem. Em São Gabriel da Cachoeira, por exemplo, onde 90% dos moradores são indígenas, no Amazonas, a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) mais próxima fica a 852 quilômetros de distância, em Manaus, a capital do estado, fortemente castigada pela pandemia.


Em relação à outros serviços básicos, os povos indígenas também tem restrição de acesso. A diferença no acesso à água entre indígenas e não indígenas chega até a 32% em alguns países da América Latina – o caso mais desigual é no Panamá, onde 36,4% dos indígenas não tem acesso. As médias regionais de acesso à eletricidade são de 82% para os povos indígenas e as 97% para pessoas não indígenas, enquanto à media de acesso a tratamento de esgotos são de 57% e 75%, respectivamente.
Os dados contabilizados

Os dados disponibilizados pela Coordenadoria das Organização Indígenas da Bacia Amazônica (COICA) (sigla em espanhol), apontam que até o dia 22 de maio, em toda a região da Bacia Amazônica, 1.861 indígenas foram contaminados pelo novo coronavírus e 472 morreram. A Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) tem realizado a atualização do novo coronavírus na região da Pan-Amazônia. O último levantamento, realizado na metade de maio, aponta para 58.102 casos confirmados e 3.554 falecidos pela Covid-19.

O país com maior número de indígenas afetados é o Peru. Foram 1.006 contaminados e 349 vítimas fatais pela Covid-19, atingindo 5 povos. O Brasil vem na sequência, com 435 casos confirmados, 91 mortes e 32 povos indígenas afetados. A taxa de letalidade da Covid-19 entre os indígenas está em quase 10% no Brasil, enquanto a taxa geral na população brasileira está em 6,1%, apontada como uma das mais altas do mundo, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). A Colômbia tinha o terceiro maior número de casos confirmados, eram 297 contaminados e 8 falecidos, afetando 11 povos indígenas.



Povos indígenas da Bacia Amazônica afetadas pelo coronavírus (Fonte: COICA)

Em meio à Covid-19, queimadas aumentam quase 100%


Pesquisas apontam para maior risco de morte por Covid-19 em pessoas que apresentam diabetes e doenças do aparelho respiratórias. A FILAC alerta que antes da chegada da pandemia, alguns países da América Latina tiveram aumento de mortes por doenças crônicas. A Bolívia e a Guatemala registraram aumento nos casos fatais de indígenas com diabetes nos últimos anos. Na Colômbia, houve aumento de mortes doenças respiratórias em indígenas.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) realizou uma pesquisa em que aponta que queimadas podem ampliam risco de morte por doença respiratória. A fumaça causada pelas queimadas, que acontecem mais no período de seca (de maio a outubro), afetam as populações e os hospitais. O estudo da Fiocruz concluiu que o número de internações por doenças respiratórias dobra nesse período na região Amazônica.

Entre janeiro e maio deste ano, foram registrados 102.885 focos de queimadas na América do Sul, segundo o sistema de monitoramento de focos ativos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os focos aumentaram 48,8% em relação ao ano de 2019, se compararmos o mesmo período de janeiro a maio. Considerando apenas o período da pandemia, abril e maio, o aumento foi de 98,8% em comparação ao ano passado. A Venezuela (33.941) lidera o número de focos de queimadas na América do Sul, seguido da Colômbia (19.014) e Brasil (17.522).



Povos indígenas da Amazônia pedem proteção à OMS contra Covid-19.

Leia mais

O mercado de trabalho antes e pós-pandemia na América Latina
A América Latina enfrenta duas epidemias ao mesmo tempo?
Covid-19 na América Latina: 26 mil crianças podem morrer nos próximos meses
Brasil tem um dos piores indicadores de distanciamento social da América Latina
Casos de covid-19 em frigorífico da JBS ameaçam Reserva Indígena de Dourados, MS. Entrevista especial com Cássio Knapp
Povos indígenas reforçam barreiras sanitárias e cobram poder público enquanto covid-19 avança para aldeias
Coronavírus: “Não queremos outro genocídio indígena”, diz Crisanto Rudzö Tseremey’wá, da etnia Xavante
“A gente pede a Deus que a pandemia não chegue nas áreas indígenas, porque eles estão totalmente desassistidos”. Entrevista com Dom Edson Damian
Grilagem, garimpo e subnotificação reforçam invisibilidade e iniquidades dos indígenas em meio à pandemia
Saúde exclui terras indígenas da transmissão comunitária da Covid-19
“Papa Francisco, faça um apelo à ONU, pois os governos não ouvem os povos indígenas”. Entrevista com Gregorio Díaz Mirabal
Relator das Nações Unidas para os Direitos dos Povos Indígenas afirma que ameaças às comunidades vão além da covid-19
Covid-19 se alastra pelas Terras Indígenas do Rio Negro
Amazônia, coronavírus e povos indígenas. Entrevista com Klemens Paffhausen, responsável por Adveniat
COICA e REPAM apelam aos Estados da Pan-Amazônia para ações urgentes e efetivas em favor dos povos indígenas

Nenhum comentário:

Postar um comentário