Pages

Guardiões da Amazônia diante da pandemia

Da El País, 11 de Junho, 2020
Por Sebastião Salgado

Agora, uma nova ameaça é adicionada àquelas que põem em risco seu modo de vida, sua cultura e seu habitat: a covid-19. O fotógrafo Sebastião Salgado reivindica a proteção dos povos indígenas do Brasil, guardiões da floresta amazônica e de um patrimônio inestimável da humanidade. Imagens que compõem um ótimo projeto que culmina em 2021

1Os povos indígenas da Amazônia são os guardiões da selva, os guardiões de uma herança inestimável da humanidade. No entanto, sua sobrevivência está em risco.TsanáEste homem é um cantor de música tradicional do Alto Xingu, um presente que ele herdou de seu pai, o maestro Tagukagé. Ele usa um colar de conchas de caracóis e tem o corpo pintado de urucum. Sebastião Salgado Contacto


2Durante décadas, pessoas do exterior ocuparam ilegalmente terras reservadas por lei para seu uso exclusivo. Os fazendeiros transformaram a floresta virgem em pasto; Os lenhadores roubaram madeira para exportação e o mercúrio usado pelos garimpeiros envenenou grande parte dos rios. Agora, um novo perigo extremamente sério, como a covid-19, é enfrentado por essas comunidades nativas.Sal indígenaOs waurá colecionam jacintos da água para o chamado 'sal indígena', um tempero de vegetais. Sebastião Salgado Contacto


3Assim como seus ancestrais não eram imunes a doenças trazidas pelos europeus séculos atrás, eles também não têm defesas naturais contra o coronavírus. A atitude desprezível do presidente do Brasil piora essa emergência. Jair Bolsonaro é um direitista radical que pensa que a população indígena está no caminho do desenvolvimento do país.Mapualu Kamaiurá, seu bebê e TelmaKamaiurá é filha do xamã Mapulu Kamaiurá e nomeou a bebê Mapulu Neta, o mesmo nome de sua mãe, como dita a tradição Kamayurá. Ao lado dela está sua sobrinha Telma. Sebastião Salgado Contacto


4Desde que assumiu o cargo, 16 meses atrás, Bolsonaro começou a desmantelar as agências governamentais criadas para proteger a Amazônia e seus habitantes. Entre outras ações, enfraqueceu bastante o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) e a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e incentivou invasões ilegais de terras indígenas. No ano passado, a Amazônia brasileira sofreu os piores incêndios já registrados. As perspectivas para este ano são ainda mais sombrias.MayaruEste homem kamayur pinta seu corpo para a celebração dos Amuricumá. Sebastião Salgado Contacto


5A perspectiva é tão sombria que, recentemente, minha esposa, Léila, e eu preparamos uma carta assinada por artistas, intelectuais, cientistas e ambientalistas de todo o mundo instando os três ramos do Estado a tomar medidas imediatas para proteger do coronarivus os habitantes da selva. Não há tempo a perder. Algumas tribos já estão infectadas e o número casos de covid-19 em Manaus, capital da Amazônia brasileira, se multiplicou a uma velocidade assustadora.A dança das mulheres kuikuroO grupo dança ao se aproximar da vila de Kamayurá para o festival de Amuricumá. Sebastião Salgado Contacto


6Nossa petição contribuiu para aumentar a conscientização sobre a crise, mas os 300.000 indígenas do Brasil permanecem em risco de genocídio se os invasores ilegais não forem rapidamente expulsos de suas terras. Não devemos esquecer que esses povos antigos fazem parte da história extraordinária de nossa espécie. Seu desaparecimento seria uma tragédia para o Brasil e uma imensa perda para a humanidade. —epsGuerreirosOs homens se enfrentam no huka-huka na festa de Kuarup. Sebastião Salgado Contacto


7Neste podcast, SOS no Amazonas, falamos com Sebastião Salgado sobre seu grito de alerta ante o avanço da covid-19 na Amazônia brasileira.Pesca-aÍndias kamayurá pescam para a festividade de Amuricumá. Sebastião Salgado Contacto


8Índio Kamayur na bacia do Alto Xingu, Mato Grosso, Brasil, 2005. Sebastião Salgado Contacto


9Kamayurás pescam durante Amuricumá, o festival. Sebastião Salgado Contacto

10Rosana Kaitsalô, uma indígena kamayurá, se prepara para a festa das mulheres. Sebastião Salgado Contacto


11Dois índios waurá atiram a rede de pesca na lagoa de Piyulaga. Sebastião Salgado Contacto


12Indígenas kuikuro dançam na festa de Amuricumá. Sebastião Salgado Contacto


13Indígenas waurá em canoas. Embaixo, kamayurá pescam para a festividade de Amuricumá. Sebastião Salgado Contacto


14Podcast | SOS no AmazonasOuça Sebastião Salgado em sua defesa da Amazônia brasileira diante do aumento da ameaça da covid-19.Ir para a notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário