Pages

Amazônia: missionária diz que sistema de saúde entrou em colapso devido à Covid-19

É um paradoxo que os ancestrais guardiões dos pulmões do mundo agora “carecem de oxigênio para sobreviver”, diz uma missionária na região amazônica, que foi duramente atingida pela pandemia do coronavírus e da Covid-19.
Do IHU, 04/06/2020

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 03-06-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Papa Francisco chamou a atenção para a crise na região no domingo passado, rezando pelas pessoas afetadas pela doença. Até agora, o vírus matou mais de 500 indígenas.

Dominika Szkatula, uma missionária leiga polonesa que está na Amazônia peruana há quatro décadas, disse que a pandemia chegou “tarde” à região, depois de passar pela capital peruana, Lima, e outras regiões.

Em princípio, parecia uma ameaça distante. Ela e seu povo ouviram falar de um caso no Vicariato Apostólico de San José, na cidade de Indiana, a cerca de 24 quilômetros de onde ela mora.

Szkatula mora em Iquitos, uma cidade portuária e porta de entrada para as pousadas na selva e as aldeias tribais do norte da Amazônia. Depois que o primeiro caso foi relatado no vicariato, o segundo foi um “choque”: Dom José Javier Travieso Martin – ele foi o primeiro prelado da região a contrair o vírus. A secretária do escritório da Cáritas local foi a próxima. Depois de quase dois meses, ambos se recuperaram.

“Pouco a pouco, na cidade de Iquitos, o número de infectados, de casos suspeitos e de mortes aumentou até que as autoridades não podiam mais lidar com a situação”, disse ela ajuda por telefone ao Crux. “Isso fugiu completamente do controle das autoridades de saúde e do governo regional. Dois hospitais para o atendimento da Covid-19 entraram em colapso”.

“Ainda hoje, camas, remédios, equipamentos de proteção para profissionais de saúde, artigos de higiene e de limpeza, instrumentos médicos, oxigênio e, o mais urgente, médicos e enfermeiros, são insuficientes em quantidade”, disse Szkatula no dia 31 de maio.

“Muitos morreram por falta de oxigênio e de respiradores, e aqueles que adoecem estão em quarentena”, acrescentou. “Os tanques de oxigênio eram escassos, e alguns dos poucos que tínhamos estavam danificados, com uma demanda urgente diante do contágio massivo, e, consequentemente, inúmeras pessoas necessitadas desse produto. Hoje, o seu valor excede o do ouro”.

O Vicariato de San José, na Amazônia, é um enorme território de mais de 155.000 metros quadrados e apenas 150.000 habitantes. A maioria das pessoas vive ao longo dos rios, e há nove grupos étnicos habitando em um território com uma geografia complexa que dificulta ainda mais o transporte e a comunicação.

Existem 60 missionários trabalhando no território, 90% dos quais são mulheres, e oito, assim como ela, são leigos. O vicariato tem apenas 10 padres.

A missionária polonesa reconheceu que nenhum hospital da cidade estava bem equipado antes da pandemia que atingiu a região; muito menos agora, enquanto que o vírus vasculha as ruas.

Na primeira fase da preparação à pandemia, o vicariato trabalhou com diferentes empresas e organizações financeiras para obter os fundos necessários. Além disso, receberam doações de suprimentos médicos de Lima e em dinheiro de várias partes do mundo.

Eles então montaram campanhas de prevenção ao coronavírus: criando pequenas brigadas formadas por representantes da Igreja, do Estado, do sistema de saúde e das comunidades indígenas. Eles também prepararam faixas e pôsteres para distribuir por todo o vicariato.

“Fomos claros ao dizer que a tarefa mais importante era convencer as comunidades a se isolarem, a impedirem que qualquer pessoa as visitasse de fora, porque essa é a melhor maneira de evitar contágio que poderia colocar vários grupos étnicos em risco de extinção”, disse Szkatula.

A campanha de prevenção foi inicialmente muito bem-sucedida, disse ela, embora não tenha sido fácil: alguns barcos que viajam na área com as permissões necessárias para transportar itens essenciais foram usados, na verdade, para transportar pessoas não autorizadas até a região.

“Em certo ponto, descobrimos que um grupo de 60 madeireiros desceu de um barco e, sem mais delongas, se dedicaram ao seu trabalho ilegal de cortar árvores, enquanto estávamos em um estado de emergência”, reclamou ela. "Em outros lugares, os traficantes de drogas chegaram depois de deixar as montanhas onde se escondiam, porque ficaram sem suprimentos e estavam com fome.”

Isso ajudou a disseminação da Covid-19: o vicariato tem 389 casos confirmados e 35 mortes.

“Alguns argumentam que esses números são pequenos, mas a perda de uma vida, para nós, significa muito”, disse ela, acrescentando que também é uma questão de perspectiva: “Quando você tem 10 mortes em uma comunidade de 50 pessoas, isso é uma tragédia. Além disso, os números, como ocorreu em muitos países, são muito imprecisos e tendem a crescer.”

Uma segunda etapa no combate ao vírus foi tentar fortalecer a “pouca capacidade operacional dos pequenos hospitais de referência localizados nos três grandes rios que o nosso vicariato abrange: o Amazonas, o Putumayo e o Napo. Além disso, pensamos nos pequenos centros em cada um dos 15 postos de missão, cuja sede fica principalmente nas capitais do distrito.”

Eles têm “substituído o Estado” em alguns casos, comprando equipamentos de proteção e de diagnóstico para esses centros – alguns muito básicos, como termômetros, oxímetros e estetoscópios; e alguns mais complexos, incluindo um scanner de ultrassom. Mas, enquanto tentam equipar esses postos de saúde, eles também estão enviando cartas às organizações governamentais “para lembrá-las dos seus deveres”.

“Temos que levantar a nossa voz mais alta e profética em defesa dos mais vulneráveis e nos coordenar melhor junto a outras instituições, Igrejas, organizações indígenas etc”, disse Szkatula.

“Paradoxalmente, o pico da pandemia começou na Páscoa, com a presença do Cristo Ressuscitado no nosso meio, que nos trouxe vida em abundância, e temos uma oportunidade maravilhosa de inspirar esse sopro e compartilhá-lo com aqueles que temos que cuidar”, disse ela.

Questionada sobre por que uma missionária leiga polonesa está tão longe de casa, ela disse simplesmente que “Deus chama quem Ele quer, quando quer, como quer e os envia aonde quiser”.

“Nos tempos em que o comunismo reinava na Polônia, valores como a verdade e a liberdade eram muito importantes para uma jovem como eu, que se sentia inspirada pela vida de Jesus”, disse ela. “A partir dessa conjuntura, surgiu em mim um desejo de ser útil aos outros: os necessitados, os sofredores, os perseguidos”.

Ao mesmo tempo, ela se fez uma série de perguntas: “Por que os leigos, sendo a maioria esmagadora da Igreja, são quase insignificantes? Predestinados apenas a obedecer e a cumprir ordens? Com uma certa rebelião, eu queria ser mais ativa na minha Igreja”.

“Eu vi as missões como uma grande oportunidade para isso”, disse Szkatula. “Por que elas seriam abertas apenas a padres e a religiosos e religiosas? Eu estava tendo essa briga com Deus, mas decidi perseguir o meu sonho. Abandonei o homem que eu amava, Gregorio, e tinha apenas 24 anos, com um violão debaixo do meu braço e vestindo jeans modernos, interrompi os meus estudos de Engenharia e comecei a minha formação como catequista.”

Entre 1980 e 1982, ela trabalhou como catequista em Viena, ensinando aos migrantes poloneses.

“Era algo quase impossível, mas nada é impossível para Deus”, disse ela, referindo-se à vinda ao Peru em 1982, determinada a permanecer por toda a vida. “Hoje, com 38 anos como missionária, todas as fibras do meu corpo sabem que todos podemos assumir um papel ativo na missão de Cristo para salvar a todos nós. Eu me considero sortuda, porque, vivendo na Amazônia, vivemos mais perto de Deus”.


Leia mais
No coração da Amazônia brasileira, a Covid-19 mata sem causar notícias
O impacto do novo coronavírus na população indígena da América Latina
Pandemia entre indígenas já atinge os nove estados da Amazônia Legal
Coronavírus: “Não queremos outro genocídio indígena”, diz Crisanto Rudzö Tseremey’wá, da etnia Xavante
“As tensões dos indígenas com o governo do Brasil por conta do coronavírus fazem parte do dia a dia”. Entrevista com Justino Sarmento
Grilagem, garimpo e subnotificação reforçam invisibilidade e iniquidades dos indígenas em meio à pandemia
Corpo do 1º indígena que morreu com novo coronavírus em RO é enterrado na aldeia
Saúde exclui terras indígenas da transmissão comunitária da Covid-19
No interior do Amazonas, pandemia zera estoque de oxigênio e expõe indígenas a trabalhadores infectados
Relator das Nações Unidas para os Direitos dos Povos Indígenas afirma que ameaças às comunidades vão além da covid-19
Amazônia, coronavírus e povos indígenas. Entrevista com Klemens Paffhausen, responsável por Adveniat
Covid-19 se alastra pelas Terras Indígenas do Rio Negro
Governo força indígenas a deixarem aldeias para receber auxílio e acelera propagação do coronavírus no AM
Povo Pataxó amplia barreiras contra covid-19 e cobra providências do Estado
“A morte está vindo muito rápido em meu povo”, diz professora Kokama sobre a Covid-19
Amazônia: assolada pela Covid 19 e o descaso do Estado Brasileiro
COICA e REPAM apelam aos Estados da Pan-Amazônia para ações urgentes e efetivas em favor dos povos indígenas
Com 77 mortes, povos de 34 etnias indígenas já foram atingidos pelo coronavírus no Brasil
Amazonas. São Gabriel precisa de atenção diferenciada para casos de Covid-19, diz infectologista da UFAM
Amazônia: o vírus entre os indígenas. A esperança para o futuro está na água
OAB vê crime contra a humanidade no combate à Covid-19 no Amazonas
Indígenas mortos por Covid-19 chegam a 55, segundo Apib. Número cresce 45% em dois dias
Como ancestrais indígenas se preveniam de epidemias
Órgãos governamentais não sabem como atender os indígenas na pandemia, diz liderança Kokama
Indígenas de Tefé pedem socorro e denunciam falta de equipamentos de segurança para servidores da saúde
Professor Tikuna, que morreu por suspeita de Covid-19, é enterrado em vala coletiva em Manaus
COVID-19: 65 bispos de 6 regionais da CNBB pedem atenção especial à região Amazônica
“Será um genocídio anunciado se essa pandemia chegar nas aldeias”. Entrevista com o Procurador da República Fernando Merloto Soave
Para escapar do coronavírus, Yanomami se refugiam no interior da floresta
Covid-19 chega a São Gabriel da Cachoeira, no Alto Rio Negro
Cada invasor em terra indígena pode gerar 1,6 mil casos da covid-19, diz pesquisador
Indígenas aprovam proibição de entrada de integrantes da Missão Novas Tribos no Vale do Javari
Mobilização Nacional Indígena exige medidas urgentes em defesa da saúde e da vida dos povos originários do Brasil
A dupla ameaça para os povos da Amazônia
Coronavírus: Indígenas estão sendo infectados dentro das Casas de Apoio à Saúde Indígena (CASAI) no Amazonas e Roraima
Nota pública denuncia o abandono aos indígenas que moram em Manaus diante da COVID-19
Mais de 200 terras indígenas na Amazônia têm alto risco para Covid-19
Vulnerabilidade social é motor da pandemia de Covid-19 em Terras Indígenas, mostra estudo
Para evitar danos aos indígenas, Justiça condena União, Funai e Estado do RS a entregar cestas básicas e insumos sanitários
O impacto cultural da pandemia de coronavírus sobre povos indígenas
COVID-19 na Amazônia: os números aumentam e a falta de atenção também
Organizações acusam governo federal de ser 'anti-indígena'. Cimi afirma que a terra Karipuna está em 'situação de iminente genocídio'
Contaminação e Guerra de Extermínio contra os Povos Indígenas - pestes, armas biológicas e o COVID-19
Bloqueios de indígenas para garantir isolamento já atingem 12 estados e 23 etnias
Coronavírus: “Um ancião indígena que morre é uma perda para toda a humanidade”, diz Márcio Meira
Coronavírus: enterros de indígenas sem rituais requer diálogo entre lideranças e o Ministério da Saúde, dizem especialistas
“Se coronavírus entrar nas aldeias indígenas ocorrerá genocídio em massa”, diz líder indígena Dinamam Tuxá
Em Manaus, mais dois indígenas morrem após contrair coronavírus
Primeiro indígena aldeado a morrer por covid-19 é de área próxima a garimpo ilegal
Em meio à pandemia da covid-19, governo anuncia remoção de quilombolas no Maranhão
Quilombolas divulgam nota contra plano do governo de remover comunidades em meio à pandemia
Covid-19: MPF recomenda ações emergenciais de proteção à saúde dos povos indígenas
Covid-19 ameaça povos indígenas da Amazônia
Os Povos indígenas da Amazônia exigem “proteção para as comunidades” contra a Covid-19
Coronavírus: MPF-AM pede providências urgentes para o Alto Rio Negro
Cidade mais indígena do Brasil, São Gabriel da Cachoeira se isola contra o Covid-19
Coronavírus pode dizimar povos indigenas, diz pesquisadora
Comunicado do Cimi acerca da pandemia do coronavírus (Covid-19)
Médico sanitarista diz que doenças respiratórias, como coronavírus, são vilões do genocídio indígena
Povos do Parque Nacional do Xingu decidem ficar em quarentena como prevenção ao coronavírus

Nenhum comentário:

Postar um comentário