Pages

MP da Grilagem vira PL da Grilagem e ameaça às florestas continua

A MP 910/19 agora é PL 2633/20, mas não importa o instrumento legal, roubo de terras continua sendo crime. É inadmissível votar esse PL em meio à pandemia.
Do IHU, 19/05/2020

A reportagem é publicada por Greenpeace, 18-05-2020.

Enquanto os brasileiros assistem, assombrados, ao aumento exponencial do número de mortes pela Covid-19, deputados seguem tentando beneficiar ladrões de terras públicas. A Medida Provisória (MP) 910/2019 virou o Projeto de Lei (PL) 2633/20 e pode ser votado já nesta quarta-feira (20/05) na Câmara.

Em meio a uma pandemia que está matando mais de 800 pessoas por dia no país, temas que não estão relacionados ao novo coronavírus não deveriam entrar em discussão no Congresso. Na Amazônia, a situação é grave. Os hospitais estão lotados e os povos indígenas estão extremamente ameaçados. Os deputados deveriam estar discutindo exclusivamente formas de garantir a vida destas pessoas, e não aprovando um projeto que premia grileiros e expõe ainda mais estes povos da floresta à violência gerada pela invasão de seus territórios e pela contaminação do vírus por estes invasores.

O deputado amazonense Marcelo Ramos (PL/AM) é o relator do PL da Grilagem e quer votá-lo com urgência. A população de seu estado é uma das mais impactadas pelo novo coronavírus, mas ele parece ignorar a crise. Enquanto isso, a sociedade se mobiliza para prestar ajuda emergencial aos mais vulneráveis. O escritório do Greenpeace em Manaus, por exemplo, está sendo usado para ajuda humanitária.

“Estamos na véspera do período criminoso de queimadas na Amazônia e o deputado Marcelo Ramos está correndo para votar o PL da Grilagem, que estimula desmatadores. Não bastasse o sofrimento da população com os problemas respiratórios do vírus, a situação pode se agravar ainda mais pela fumaça das florestas em chamas”, alerta Mariana Mota, da campanha de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil.

“Ao invés de se preocupar em ter o apoio de grileiros para alavancar sua candidatura à presidente da Câmara, o deputado Marcelo Ramos deveria estar tomando atitudes concretas para ajudar seu estado de origem a enfrentar a pandemia”, diz Mariana.
Parlamento digital sem povo

Um assunto de tamanha complexidade precisa ser amplamente debatido com a sociedade, com participação e transparência, para que diferentes vozes ajudem os parlamentares a retirar do texto pontos que beneficiam poucos e prejudicam muitos, o que é impossível no momento. Com o Congresso fazendo votações remotas para conter os riscos de contaminação pelo vírus, a participação social ficou bastante limitada.

Vamos discutir a regularização fundiária sim, mas com tempo para promovermos audiências públicas e amplo debate com agricultores familiares, ambientalistas, procuradores e estudiosos do tema, em um momento adequado.

Da mesma forma que organizações, artistas, cientistas, influenciadores e ex-ministros, junto com a população, disseram em coro “NÃO à MP da Grilagem”, agora é hora de dizer “NÃO ao PL da Grilagem”. Diversos artistas já se manifestaram contra o novo projeto de lei e você também pode ajudar!

Escreva para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e para o relator do PL da Grilagem, Marcelo Ramos, pedindo que não coloquem o PL 2633/20 em votação:

Email: dep.rodrigomaia@camara.leg.br

Twitter: @rodrigomaia e @marceloramosam

Instagram: Rodrigo Maia e Marcelo Ramos
Leia mais
MP 910: ocupação ilegal de terras públicas e a tentativa de regularizar a grilagem. Entrevista especial com Julio Araujo
CNBB pede ao Congresso que não coloque a MP da Grilagem em votação
Não há acordo com a grilagem
Desmatamento em alta, grileiros à solta, crises políticas: queimadas na Amazônia podem ser piores que as de 2019
Em meio a pandemia, deputados tentam votar “MP da grilagem”
Direto do confinamento: Congresso tem de deter escalada da grilagem em plena pandemia
Governo ignora dados do Deter, elabora pacote de ações para regularizar invasões de terras públicas e pode colocar MP da Grilagem em votação no Congresso
“O Black Friday de terras públicas na Amazônia acabou?”. Entrevista especial com Paulo Moutinho
A quebra da ordem constitucional pretendida pelo PEC 80/2019 e MP 910/2019. Nota conjunta
Imazon avalia que medida provisória sobre terras na Amazônia pode aumentar o desmatamento de 11 a 16 mil km até 2027
MP da Grilagem causa rombo de até R$ 88 bi, diz Imazon
Como a 'MP da grilagem' pode mudar o mapa de regiões da Amazônia
MP da regularização fundiária anistia grilagem de terras públicas até 2018
Bolsonaro dá presentão de Natal para quem desmata ilegalmente
Na Amazônia, a floresta está à venda
Bolsonaro abre caminho para grilagem
O Governo não deve premiar os ladrões de terra na Amazônia
Brasil tem 176 milhões de hectares de propriedades privadas dentro de terras públicas
Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

Nenhum comentário:

Postar um comentário