Pages

A máquina do ódio que louva o contágio

Para os grupos supremacistas, soberanistas e neonazistas, "o coronavírus se tornou outra arma poderosa de desorientação em massa. Assim desaparecem do debate os direitos humanos, direitos civis, campos de prisioneiros para migrantes financiados por nós na Líbia, o inferno de refugiados na Grécia, a rota dos Balcãs. E se esses argumentos entram no debate, é apenas em relação ao risco de contágio, portanto, para chegar à costumeira conclusão: o mal vem de fora, e devemos nos fechar aqui dentro".



Do IHU, 02/04/2020

A entrevista com Nello Scavo, jornalista e escritor italiano, é de Pierluigi Mele, publicada por Confini - Rai, 27-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segundo o jornalista, trata-se de "uma modalidade de pensamento, aquela do ódio e do fechamento, que acabou alimentando o que o Papa Francisco chama de "cultura do descarte", como ouvimos daqueles que gostariam de nos convencer que se a morrer pelo coronavírus são idosos, deficientes e sem teto, no fundo seria o mal menor”.
Eis a entrevista.

Nello, nem mesmo diante da dramática situação (com milhares de mortes e infectados pelo "coronavírus") a "máquina do ódio” para. Quem são esses insanos? Onde eles estão?

É uma miscelânea, mas seria errado subestimar essa estranha armada. Há aqueles que perderam espaço na política ansiosos para voltar ao palco, os supremacistas disfarçados de soberanistas, os neonazistas que usam a camiseta, talvez mais apresentável, dos chamados "identitários", os neofascistas da casa sempre à procura de uma arena, os desmiolados da web que se prestam a agir como uma caixa de ressonância. Em suma, mundos não necessariamente em contato, mas com uma consonância de propósitos.

Quem são os "aceleracionistas"? Qual o seu alvo?

São grupos supremacistas e neonazistas norte-americanos que, segundo várias fontes, planejaram, caso alguns deles fossem infectados, entrar em contato voluntariamente com grupos étnicos e categorias de pessoas que gostariam de ver desaparecer, por fanatismo ideológico ou por interesse criminal. Em especial, eles sugerem infectar agentes da polícia e depois comunidades de judeus e muçulmanos. Independentemente do fato de o vírus certamente não conhecer nenhuma barreira étnica.

Sua presença na web é generalizada, o suficiente para preocupar o FBI. É isso?

Um relatório recente do FBI divulgado pela emissora ABC descreve esses grupos e suas intenções. Também foram especificadas as maneiras pelas quais eles sugerem acelerar a infecção, tornando-se efetivamente disseminadores.

Qual é a situação na Itália? As autoridades estão cientes dessa rede?

Em nosso país, prevalece a coalizão de ódio, que usa as fake news como propulsor e coagulante. Para alguns grupos, é uma escolha ideológica. Para outros, apenas um meio como outro para construir e consolidar o consenso. O que eles esperam é que o clima de medo pelo contágio e de incerteza pelo futuro possam servir como um amplificador. De fato, para todos esses grupos, o coronavírus se tornou outra arma poderosa de desorientação em massa. Assim desaparecem do debate os direitos humanos, direitos civis, campos de prisioneiros para migrantes financiados por nós na Líbia, o inferno de refugiados na Grécia, a rota dos Balcãs. E se esses argumentos entram no debate, é apenas em relação ao risco de contágio, portanto, para chegar à costumeira conclusão: o mal vem de fora, e devemos nos fechar aqui dentro. Segundo aquela sinistra "pedagogia do fechamento", que fez a fortuna de muitos líderes políticos, hoje aterrorizados pelas evidências: o contágio se enfrenta juntos, na comunidade entre os povos, o exato oposto do sectarismo identitário. Uma modalidade de pensamento, aquela do ódio e do fechamento, que acabou alimentando o que o Papa Francisco chama de "cultura do descarte", como ouvimos daqueles que gostariam de nos convencer que se a morrer pelo coronavírus são idosos, deficientes e sem teto, no fundo seria o mal menor”.

Como se sabe, a máquina do ódio se alimenta de fake news. Infelizmente, nos últimos dias, até jornalistas competentes espalharam esse veneno. Refiro-me àquele contra o engajamento das ONGs. É assim Nello?

Aquele contra as ONGs está se revelando um incrível bumerangue. Especialmente porque muitos voluntários das organizações (como médicos e enfermeiros) já são funcionários do Serviço Nacional de Saúde e trabalham periodicamente em atividades humanitárias na Itália, no exterior ou em navios de resgate. Querendo conceder um voto de boa-fé, parece que aqueles que se tornaram porta-vozes da campanha da extrema direita internacional estavam, no mínimo, desinformados. Justamente o que a informação não precisa hoje em dia.

Última pergunta: queremos lembrar como está se desenvolvendo o engajamento das ONGs contra o terrível vírus?

Organizações como Médicos Sem Fronteiras, Emergêncy, Mediterrânea, Open Arms, Intersos e muitas outras já têm seus próprios especialistas no campo, que se somam aos milhares de voluntários do Terceiro setor. A esse respeito, nos últimos dias justamente o Fórum do Terceiro Setor, que representa dezenas de associações e organizações, apontava que o número muito elevado de voluntários envolvidos nos ambientes mais díspares e menos conhecidos (como o serviço de babá oferecido gratuitamente aos trabalhadores de saúde ocupados dia e noite nos atendimentos) esteja exposto a riscos muito altos, inclusive sem receber as máscaras. Em suma, a Itália está melhor na linha de frente para dar uma mão a quem está precisando. E merece ser contada.


Leia mais
“É preciso soar alarme sobre a expansão do neonazismo no Brasil”. Entrevista com a antropóloga Adriana Dias
Neofascismo: um fenômeno planetário – o caso Bolsonaro
Neonazistas no paraíso: por que cresce a extrema-direita nos países com maior bem-estar
Disseminação de informações falsas (fake news) sobre coronavírus preocupa especialistas
Migrações e refugiados na era da COVID-19
Novo coronavírus e a falácia dos negacionistas: ‘Morreu, mas era idoso e tinha diabetes’
‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco
A força do Papa em uma praça vazia
‘Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era’
Os esquecidos na pandemia
A pandemia de Covid-19 avançou rapidamente na última semana
Covid-19: cardeal Tagle pede “perdão da dívida” dos países pobres
Porque a peste está dentro de nós
A agudização das condições da existência e a busca de mundos diferentes. Entrevista especial com Andityas Soares de Moura Costa Matos
Coronavírus: risco da disseminação é maior com a circulação de assintomáticos
Sete lições geopolíticas em tempos de coronavírus. Artigo de Alfredo Serrano Mancilla
Epidemia e crise social. Artigo de José de Souza Martins
O medo do futuro incerto. Artigo de Tarso Genro
A experiência da pandemia e a necessidade de uma cooperação global. Entrevista especial com Claudia Feitosa-Santana
O mundo pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi
A pandemia do coronavírus e um dilema sem precedentes: escolher entre economia e saúde
IHU para a quarentena. O Indivíduo e a Sociedade em introspecção
“Brasil toma medidas homicidas ao mudar de rumo na hora que a curva de causos aumenta”. Entrevista com Ligia Bahia
Francisco protagoniza uma impactante oração pelo fim da pandemia em uma vazia e chuvosa praça São Pedro
Três obrigações bioéticas na resposta à Covid-19 e à escassez de recursos
Subnotificação dificulta combate à covid-19 no Brasil
Alternativas para uma economia pós-coronavírus
Pandemia COVID-19 na Era do Capitaloceno: Racismo ambiental disfarçado de consciência ecológica
Reclusão em tempos de coronavírus: “Isolar-se é um gesto de solidariedade”. Artigo de Michela Marzano
A difícil escolha entre a liberdade e a morte (dos nossos avós!)
Covid-19. Falta de EPIs colocam profissionais da saúde em risco e deve gerar uma enxurrada de processos judiciais
Vírus, chegou o momento da audácia
Keynes contra o coronavírus. Artigo de Daniel Castillo Hidalgo
Tempo de vírus. Artigo de Manuel Castells
Judith Butler sobre a Covid-19: ‘O capitalismo tem seus limites’
A crise do coronavírus empobrecerá 35 milhões de pessoas na América Latina
“Para passar esta crise, é preciso colocar em quarentena nossas ambições”. Entrevista com Santiago Beruete
O cuidado pela vida é o melhor caminho para a economia. Nota do Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida - OLMA
Renda Cidadã, para uma quarentena segura
Como se dará a evolução de Covid-19 na população que vive em condições precárias? Entrevista especial com Guilherme Werneck
Dez tendências da mídia que podem mudar com a pandemia
Logística das pandemias. Artigo de Laurent de Sutter
“A recessão em 2020 é inexorável e a palavra-chave para as pessoas é sobrevivência”
Covid-19: “a humanidade inteira” ameaçada, ONU lança plano
Coronavírus: a ética começa com o reconhecimento das nossas limitações
O mundo depois do coronavírus. Artigo de Yuval Noah Harari
Coronavírus. Que a lição fique inscrita indelevelmente: precisamos uns dos outros
Gestos de solidariedade começam a surgir em meio à pandemia do coronavírus
Posso ajudá-lo? Sobre os motivos que nos levam a ajudar os outros
Coronavírus está nos privando da proximidade e do toque, alimentos da nossa humanidade. Artigo de Timothy Radcliffe
Especialista da ONU defende renda mínima universal durante crise do coronavírus
A política anticapitalista na época da COVID-19. Artigo de David Harvey
Pandemia acirra crise do petróleo e também põe em risco transição energética. Entrevista especial com Adriano Pires
Schönborn: pandemia do coronavírus mudará a face da terra
Sem os cortes recentes na Saúde, enfrentamento da pandemia seria menos dramático. Entrevista especial com Fernando Pigatto
O vírus da solidão
Pandemia no Brasil sob o desgoverno Bolsonaro
Alemanha proíbe reunião de mais de duas pessoas em espaços públicos
Coronavírus: 40% da população mundial não têm como lavar as mãos
Covid-19: a pandemia ensina ao mundo a verdade sobre o gasto público
O coronavírus de hoje e o mundo de amanhã, segundo o filósofo Byung-Chul Han
Médicos cubanos são aplaudidos ao desembarcarem na Itália para combater o coronavírus
Coronavírus: “Esta é uma oportunidade ímpar para fazer uma verdadeira transição ecológica”
A pior pandemia experimentada pela humanidade
Sobre a produção do pânico mundial
Lições dadas pelo coronavírus da COVID-19: Um decrescimento “ordenado” é possível
Zizek sobre o coronavírus: Um golpe letal no capitalismo para reinventar a sociedade
As três fases ideológicas do coronavírus
Os perigos e as possibilidades de uma pandemia. Artigo de Nuala Kenny
Coronavírus. Artigo de Raoul Vaneigem
Para entender em profundidade a Covid-19
A pandemia e o fim do neoliberalismo pós-moderno
O coronavírus. “Estamos diante de uma instância biopolítica à qual é preciso dar com urgência uma resposta”. Entrevista com Giannino Piana
Os custos sociais de uma pandemia, que atinge grupos distintos de maneiras diferentes
O vírus põe a globalização de joelhos. Artigo de Luigi Ferrajoli
Economistas avaliam como ‘desconectadas da realidade’ medidas de Guedes para crise do coronavírus
“O egoísmo, o vírus social que alimenta a epidemia”
Coronavírus: “O perigo real é a incapacidade de priorizar os desastres”
“Não há precedentes para a crise econômica causada pelo coronavírus na história recente”, diz economista Monica de Bolle
Declaração da Redbioética – UNESCO sobre a pandemia do coronavírus
Os custos sociais de uma pandemia
“Suportando o peso da Covid-19: Idosos em países de baixa e média renda"
#euficoemcasa. ‘Transformar o medo do coronavírus em um recurso é possível’: os conselhos do neurologista Sorrentino

Nenhum comentário:

Postar um comentário