Pages

Almeida Castro: dignidade e fibra de Lula são estímulo à resistência.

Do NOCAUTE 20 DE FEVEREIRO DE 2020


Após assistir ao interrogatório de Lula em Brasília, o conceituado advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, revela neste texto o impacto da provocado pela dignidade e pela coragem do ex-presidente. Segundo ele, o comportamento de Lula é um estímulo à luta contra “o fascista inepto que preside este país”.
“Saímos agora do interrogatório do Lula em um processo criminal na 10ª Vara em Brasília. Somos advogados de um empresário, corréu e estávamos acompanhando o interrogatório por dever profissional.

Foi impressionante a postura do Lula durante a audiência. A dignidade com que se porta, a eloquência, a inteligência, a coragem no enfrentamento, a ousadia na defesa pessoal. Ao final fez um eloquente discurso.

O Procurador fez questão de frisar que não era o autor intelectual da Denúncia, que era um negro vindo da periferia, quase que agradecendo a Lula pelos avanços conseguidos pelo Governo no período lulista. Ao final o Lula o abraçou .

Ao ver esta audiência eu passo a entender porque parte deste MP político o perseguiu e o denunciou. Passo a ter certeza da posição política, parcial, maldosa deste juiz que hoje é Ministro. Se não o prendessem não teria ninguém para fazer frente ao Lula numa eleição democrática.

Usurparam, roubaram, estupraram a verdade, a democracia. Esse fascista completamente inepto, despreparado e ignorante que preside o país deve ao grupo que dá sustentação ao Ministro da Justiça ter chegado à Presidência. Na verdade é o mesmo grupo, esse bando que leva o país ao caos. Tudo milimetricamente pensado.

Ou resistimos ou todos os avanços serão liquidados. Se tiveram a ousadia de tramar este golpe com o Judiciário, mídia e tudo mais, não vão parar. A fibra de Lula no interrogatório e a dignidade com que se portou são um estímulo à resistência . Mesmo sem ser lulista ou petista, é necessário fazer parte de uma discussão lúcida que nos afaste desse obscurantismo e desse desastre.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário