Pages

Lula e Amorim no The Guardian: subserviente, Bolsonaro vai contra tradição da diplomacia brasileira

Em artigo publicado no jornal estadunidense "The Guardian", o ex-presidente Lula e o ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, relembram os diálogos de paz realizados durante a gestão do petista e também rechaçam a beligerante e submissa postura do governo Bolsonaro perante a tensão EUA x Irã: "Diálogo é a única resposta", defendem

Adicionar legenda
Do 247, 10 de janeiro de 2020
(Foto: 247 | Reprodução)


247 - Em artigo publicado no jornal estadunidense "The Guardian" nesta sexta-feira (10), o ex-presidente Lula e o ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, relembram os diálogos de paz realizados durante a gestão do petista e também rechaçam a beligerante e submissa postura do governo Bolsonaro perante a tensão EUA x Irã: "Como presidente e ministro das Relações Exteriores do Brasil, na primeira década deste século, conversamos com presidentes dos EUA e altas autoridades iranianas na tentativa de construir a paz, que acreditávamos ser o que mais importava para os povos do Irã e dos Estados Unidos", relembram.

"Juntamente com a Turquia, negociamos com o Irã a declaração de Teerã, seguindo um pedido do próprio Barack Obama, feito às margens de uma cúpula ampliada do G8 em 2009, na Itália".

"Esse acordo, celebrado em 2010, aclamado por especialistas em desarmamento de todo o mundo, incluindo o ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica e o Prêmio Nobel Mohamed ElBaradei, tinha o potencial de trazer uma solução pacífica para a complexa questão do programa nuclear iraniano".

"Além de tornar o mundo um lugar mais seguro, estávamos ajudando os dois países, firmes inimigos desde a revolução islâmica de 1979, a desenvolver uma coexistência pacífica e de respeito mútuo, como expresso pelo Presidente Obama".

"Infelizmente, fatores de política interna e externa nos Estados Unidos impediram sua adoção naquele momento. Alguns anos depois, no entanto, Obama assinou um acordo semelhante com o governo iraniano, posteriormente abandonado por Trump".

"Somos, e sempre seremos, defensores inflexíveis da paz. Há uma guerra urgente que deve ser travada por todas as nações: a guerra contra a fome, que ameaça um em cada nove habitantes deste planeta. O que é gasto em um único dia de guerra aliviaria o sofrimento de milhões de crianças famintas no mundo. É impossível não ficar indignado com isso".

No artigo, eles criticam a postura de Bolsonaro: "É profundamente lamentável que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, impulsionado por uma ideologia agressiva de extrema direita e uma vergonhosa subserviência ao atual presidente dos EUA, adote uma postura contrária à constituição brasileira e às tradições de nossa diplomacia, endossando o ato da guerra de Trump , apenas no início do ano em que ele concorrerá à reeleição".

"Como ele ignora os danos humanitários causados ​​pela guerra, Bolsonaro deve levar em consideração as relações comerciais entre o Brasil e o Irã, com as quais temos um excedente de mais de US $ 2 bilhões por ano. Acima de tudo, ele deve se preocupar com a segurança do nosso país e do nosso povo, que estão sendo pressionados a apoiar uma guerra que não é deles".

Nenhum comentário:

Postar um comentário