Pages

Protestos pedem mais ações para conter mudanças climáticas

Nova mobilização do movimento Greve pelo Futuro reuniu milhares de pessoas em Berlim, Varsóvia, Lisboa, Tóquio e Johanesburgo. Na França, manifestantes tentaram bloquear depósito do site Amazon.
Do IHU, 30/11/2019

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 29-11-2019.

Milhares de manifestantes pelo mundo saíram às ruas nesta sexta-feira (29/11) para exigir que líderes políticos adotem medidas concretas para combater o aquecimento global. O movimento ocorre três dias antes do início da Conferência sobre as Mudanças Climática (COP25) em Madri. A mobilização mundial foi iniciada pelo movimento Greve pelo Futuro (Fridays for Future) e, segundo os organizadores, ocorreu em 2.400 cidades em 157 países.

Na Alemanha, o movimento levou às ruas habitantes de 500 cidades. Os organizadores calcularam que 100 mil pessoas aderiram aos protestos. Dezenas de milhares de estudantes concentraram-se em frente do Portão de Brandemburgo, em Berlim.

Ainda na capital alemã, cerca de duas dúzias de ativistas ambientais saltaram para as águas geladas do rio Spree em frente à sede do Bundestag (Câmara baixa do Parlamento) para protestar contra o pacote climático do governo alemão. Eles afirmaram que o conjunto de medidas não é suficiente para reduzir os gases que provocam o efeito de estufa no país. Parte do pacote foi bloqueado hoje pelo Bundesrat (Câmara alta do parlamento), que representa os 16 estados do país, por divergências sobre quem vai financiar algumas das medidas.

Os primeiros protestos do dia foram registrados na Austrália, onde pessoas afetadas recentemente pelos devastadores incêndios florestais que atingiram o país se juntaram a grupos de ambientalistas para protestar contra o governo, que é acusado de favorecer a energia fóssil.

A jovem ativista Greta Thunberg, que deu início ao movimento em 2018, não participou diretamente hoje. Ela ainda está atravessando o Atlântico num veleiro para participar da Conferência em Madri. A COP25 estava prevista para ocorrer originalmente no Chile, mas foi transferida para a Espanha depois da eclosão de protestos no país sul-americano. Ela esperava chegar a tempo de participar dos protestos em Lisboa, mas a viagem foi atrasada pelo mau tempo no oceano.

À distância, Greta publicou uma mensagem de apoio aos manifestantes. "Todos são necessários. Todos são bem-vindos. Junte-se a nós", escreveu no Twitter.


Greta Thunberg
✔@GretaThunberg




In September 7,5 million people around the world took to the streets. Tomorrow we’re doing it again. Everyone’s needed. Everyone’s welcome. Join us! #FridaysForFuture #ClimateStrike #schoolstrike4climate
30,1 mil
17:01 - 28 de nov de 2019
Informações e privacidade no Twitter Ads
6.965 pessoas estão falando sobre isso




Outras manifestações foram registradas na Coreia do Sul, na Polônia, na Inglaterra, na Turquia, na Itália, na Espanha, na França e em Portugal. Na África do Sul, manifestantes empunharam cartazes a com frases como "parem a poluição agora" em frente à bolsa de valores Johanesburgo.

No Japão, centenas de pessoas protestaram no distrito de Shinjuku, em Tóquio, para demonstrar seu apoio ao movimento. Em Varsóvia, na Polônia, ativistas, alguns usando máscaras de gás, estenderam faixas com os dizeres: "Salve nosso planeta" e "Polônia sem carvão em 2030".

Já na França, ativistas protestaram em sedes da empresa Amazon para protestar contra o mega evento anual de compras da Black Friday, que foi acusado de agravar o consumismo desenfreado e aumentar a pressão sobre os recursos do planeta.

Algumas dezenas de manifestantes fizeram uma manifestação ao amanhecer em frente a um prédio administrativo da Amazon em Paris, segurando placas como "Não à Amazon e ao seu mundo". Outros ativistas em Lyon foram mais longe e tentaram bloquear o acesso a um centro de logística da empresa nos arredores da cidade. A polícia agarrou e arrastou vários manifestantes para liberar o acesso.

Na Nigéria, vários jovens marcharam em Lagos com mensagens como "Não há Planeta B" e "Parem de negar que a Terra está morrendo" enquanto veículos que passavam buzinavam, em apoio.
Leia mais


‘Greve do clima’ é escolhida expressão do ano por dicionário Collins
Ativistas decretam o "Block Friday" para denunciar consumo na França
Como é trabalhar em um galpão da Amazon: entrevista com Alessandro Delfanti
ONU: a emergência climática aumentará a fome e as migrações
Mais de 11 mil cientistas assinam artigo para declarar que planeta enfrenta emergência climática
Emergência climática: o alerta de 11 mil cientistas. Seis coisas a fazer para sair da crise
Clima global em 2015-2019: mudanças climáticas aceleram
Emergência Climática – Mudanças climáticas tornarão os eventos extremos do El Niño mais frequentes
''Vocês não agiram a tempo'': o discurso de Greta Thunberg ao Parlamento britânico
Desafios da COP25 e a Greve do Clima 29 de novembro de 2019
Quem vai salvar o Acordo de Paris?
Por que é mais correto falar em “crise climática” e não em “mudança climática”
Crise climática. “Ameaça existencial”
Emergência climática pode ser mais letal à Floresta Amazônica do que desmatamento. Entrevista especial com Vitor Gomes
Mudança de uso do solo é responsável por 44% das emissões de gases do efeito estufa no Brasil, aponta relatório
"Os políticos não admitem o fracasso sobre o clima". Entrevista com Greta Thunberg
“Não devia estar aqui, mas na escola”, diz Greta Thunberg aos dirigentes mundiais na ONU
Meio grau de aquecimento global pode causar diferenças drásticas nos riscos compostos de inundação e de seca
Pior que nossos pais: mudanças climáticas já afetam a saúde das novas gerações
Clima global em 2015-2019: mudanças climáticas aceleram
Emergência Climática – Emissões de gases de efeito estufa subiram 1,6% ao ano entre 2008 e 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário