Pages

O Estado policial democrático. Artigo de Raúl Zibechi

“A acumulação por despojo necessita de um Estado repressivo, de caráter policial, mas que deve ser legitimado pelo exercício regular do ato eleitoral. Este ato não pode pôr em questão nem o Estado policial, nem o regime de acumulação de capital, porque nesse caso os resultados são imediatamente invalidados por antidemocráticos”, escreve Raúl Zibechi, em artigo publicado por La Jornada, 06-12-2019. A tradução é do Cepat.

Do IHU, 07/12/2019

Eis o artigo.

As revoltas em andamento na América Latina têm a enorme virtude de desnudar aspectos do regime de dominação que no acinzentado da vida cotidiana passam despercebidos e são normalizados, mesmo pelas vítimas. Compreendemos, assim, que o Estado - quando lhe tiram os caireles da rima (León Felipe) -, quando é desvestido de qualquer adorno democrático, cidadão, etc., fica reduzido apenas a seu núcleo duro: os aparatos armados.

Nesses dias, no Chile, é possível comprovar, até o extremo, que o governo das pessoas é exercido pelos carabineiros e militares, que são os que substituem a tecnologia da disciplina (da família nuclear à escola, a divisão do trabalho e todo panóptico) pelo uso da violência, assassinando, mutilando e violando em centenas.

Finalmente, isso é o Estado. Um instrumento de dominação implacável, impossível de administrar sem apelar, em última ou em primeira instância - dependendo das conjunturas e disposição das forças sociais -, à repressão.


A elegibilidade de algumas funções do Estado contrasta com a não elegibilidade dos comandos militares e policiais, assim como de juízes e burocratas de vários estamentos estatais – Raúl Zibechi Tweet

Em meio às revoltas populares, observamos como vai ganhando forma um Estado policial, em plena democracia ou, melhor, de caráter democrático, já que as formalidades eleitorais são cumpridas, sem que por isso o modelo de dominação seja colocado em questão. A elegibilidade de algumas funções do Estado contrasta com a não elegibilidade dos comandos militares e policiais, assim como de juízes e burocratas de vários estamentos estatais.

Após 30 anos de democracia eleitoral no Chile, constatamos que esses estamentos continuam sendo pinochetistas. Que após 13 anos de governos do Partido dos Trabalhadores no Brasil, os militares permanecem tão golpistas como em 1964. Exatamente o mesmo acontece no Uruguai, após 15 anos de governos da Frente Ampla e na Bolívia, após quase 14 anos do MAS no governo.

No Chile, o general dos Carabineiros, Enrique Bassaletti, chefe da região leste da Região Metropolitana, saiu em resposta àqueles que acusavam a força de violar os direitos humanos. Após destacar que a sociedade sofre uma doença grave pela explosão da revolta, disse: “Suponhamos que seja um câncer (...), quando o tratamento para este é feito com quimioterapia, em alguns casos, e em outros com radioterapia, matam células boas e células ruins”.

Esse é o tipo de uniformizados que temos, após décadas do fim das ditaduras. Por isso, sustento que são atitudes que já não dependem mais de uma ou várias pessoas, possuem um caráter estrutural. O Estado policial democrático é o modo encontrado pelos de cima para sustentar o regime de dominação, que tem no extrativismo/neoliberalismo seu regime de acumulação e de regulação das relações sociais.


A acumulação por despojo necessita de um Estado repressivo, de caráter policial, mas que deve ser legitimado pelo exercício regular do ato eleitoral - Raúl Zibechi Tweet

É possível dizer, inclusive, o contrário. A acumulação por despojo necessita de um Estado repressivo, de caráter policial, mas que deve ser legitimado pelo exercício regular do ato eleitoral. Este ato não pode pôr em questão nem o Estado policial, nem o regime de acumulação de capital, porque nesse caso os resultados são imediatamente invalidados por antidemocráticos.

Em suma, a chamada democracia só merece esse nome quando é funcional à dominação, que neste período inclui o que Giorgio Agamben chama de estado de exceção permanente. O filósofo italiano define essa situação como uma guerra civil legal contra aqueles setores que, por várias razões, não podem ser integrados, nem, por conseguinte, dominados.

Agamben se inspirou no nazismo e seus campos de concentração para chegar a essa conclusão.

Na América Latina, os não integráveis ou descartáveis são os povos originários e negros, os setores populares e trabalhadores, ou seja, os e as de baixo. É a experiência fresca das revoltas em curso, o que vimos no Chile nesses dias, mas especialmente em cada lugar onde os dominados se rebelam, o que nos permite falar de um estado policial democrático.

Nesse tipo de Estado, a vida das pessoas não vale nada, principalmente aquelas que vivem em áreas do não-ser (Fanon), onde a humanidade não é respeitada e a violência é o modo de regulação das relações entre a sociedade e as autoridades estatais e empresas privadas. Em Santiago, os carabineiros cercaram bairros inteiros e entraram à força em casas particulares, sempre na periferia popular e combativa. A democracia funciona para o terço de cima.

Por último, seria penoso para as esquerdas eleitorais continuarem competindo para administrar esse Estado Policial, como fez Lula no Brasil, cujo governo continuou militarizando as favelas e criando formas mais sofisticadas de presença policial nos bairros populares.

A única maneira razoável é nos organizarmos com maior cautela nos campos de concentração que nossos bairros se converteram com o Estado policial democrático, com o objetivo de derrubar as cercas quando os guardas se descuidarem.

Leia mais

Feministas e povos originários orientam nossos passos. Artigo de Raúl Zibechi
“Pão para hoje e fome para amanhã”. As consequências da crise da esquerda na América Latina. Entrevista especial com Raúl Zibechi
Um psiquiatra para os geopolíticos. Artigo de Raúl Zibechi
Bolívia: um levante popular aproveitado pela extrema direita. Artigo de Raúl Zibechi
Equador. Fim de ciclo e instabilidade sistêmica. Artigo de Raúl Zibechi
Somente os povos que vivem na Amazônia podem salvá-la. Artigo de Raúl Zibechi
A esquerda frente aos direitos humanos na Venezuela. Artigo de Raúl Zibechi
“Sabemos os limites desta direita e devemos pensar no dia seguinte a ela”. Entrevista com Raul Zibechi
Raúl Zibechi e as políticas neoliberais em torno da habitação
Estados mafiosos e poder político. Artigo de Raúl Zibechi
Poder evangélico contra o feminismo. Artigo de Raúl Zibechi
Os movimentos que disputam com a nova direita. Artigo de Raúl Zibechi
Um salto qualitativo nas tormentas. Artigo de Raúl Zibechi
Da guerra comercial à guerra militar. Artigo de Raúl Zibechi
O próximo imperialismo. Artigo de Raúl Zibechi
Nicarágua e a esquerda. Silêncios que matam. Artigo de Raúl Zibechi
Meio século de educação popular. Artigo de Raúl Zibechi
Ciclo progressista chegou ao fim e está em crescimento uma nova direita. Entrevista especial com Raúl Zibechi
Lula. Inocente ou culpado? Artigo de Raúl Zibechi
As milícias crescem velozmente por dentro do Estado. Entrevista especial com José Cláudio Alves
Para lideranças indígenas, governo brasileiro constrói farsa na ONU e milícias tomam o Estado
“No Rio de Janeiro a milícia não é um poder paralelo. É o Estado”. Entrevista com José Cláudio Souza Alves
O elo entre Flávio Bolsonaro e a milícia investigada pela morte de Marielle
As ligações dos Bolsonaro com as milícias
Planos de Bolsonaro elevam risco de expansão de milícias e grupos de extermínio
A distopia miliciana de Bolsonaro
Entre os migrantes esquecidos nas celas das milícias. Todas as mulheres foram estupradas. Um em cada dez se afogou
Ameaçado, casal resiste à milícia de madeireiros na Amazônia
Mais vivo do que nunca, tentáculo político da milícia mira as próximas eleições
Escutas indicam proximidade entre milicianos e vereador investigado por morte de Marielle
Índios acampados em Erechim querem apoio para retirar milícia de reserva
O exemplo do padre que encarou as milícias fascistas e manteve a palestra de Drauzio num colégio

Nenhum comentário:

Postar um comentário