Pages

“Regulamentação da Cannabis é uma solução pacífica para o narcotráfico”, diz porta-voz da feira Expocannabis Uruguay

A porta-voz Mercedes Ponce de Léon falou à TV 247 sobre a discussão da regulamentação da maconha no Uruguai e no Brasil. Para ela, cada país discute o uso da substância de sua maneira, “mas a tendência já é para a regulamentação”. “A guerra às drogas já demonstrou mais de uma vez que é um fracasso", avalia. Assista

Do Brasil 247, 11 de outubro de 2019


Mercedes Ponce de Léon
247 - A porta-voz da feira Expocannabis Uruguay, Mercedes Ponce de Léon, conversou com a TV 247 sobre os benefícios da regulamentação do uso recreativo e medicinal da maconha. Ela contou como está sendo a experiência uruguaia no tema, país que já legalizou a erva e avança na discussão do assunto há alguns anos.

Mercedes disse que o Uruguai está mostrando com sua experiência de regulamentação da Cannabis uma nova alternativa de combate ao tráfico. “A guerra às drogas já demonstrou mais de uma vez que é um fracasso, o que a guerra às drogas faz hoje é ter mais drogas, mais baratas e de pior qualidade. O Uruguai está mostrando no universo da Cannabis uma solução pacífica para o narcotráfico e mercado irregular”.

Ela explicou que os uruguaios usuários de maconha eram criminalizados pelo uso da substância na legislação anterior, já que o uso da Cannabis era permitido e a plantação, a compra e a venda, não. A partir deste empecilho, a discussão sobre novas regras de uso da maconha no Uruguai se instalou, de acordo com a porta-voz.

Mercedes Ponce de Léon disse que cada país tem sua maneira de introduzir o debate sobre uso de Cannabis. No Brasil, o assunto vem à tona por meio da discussão do uso medicinal da substância. “É importante o debate que está acontecendo no Brasil pelo tema da saúde, muitos países estão entrando na temática pela saúde. Cada país vai achar sua discussão e seu caminho, mas a tendência já é para a regulamentação, vai levar tempo e discussão, mas a tendência já é esta”.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:


Nenhum comentário:

Postar um comentário