Pages

Emergência Climática – Os ecossistemas estão cada vez mais sujeitos ao estresse da seca intensa sob o aquecimento global

Episódios de seca por déficit de evapotranspiração com crescente destaque sob o aquecimento global.

Do IHU, 23/10/2019
A reportagem é publicada por Chinese Academy of Sciences e reproduzida por EcoDebate, 21-10-2019. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Para quantificar seus impactos, é necessário um índice de seca que descreva sensivelmente a reação da vegetação à evolução da seca em uma escala de tempo biológica. A diferença entre evapotranspiração real e potencial, tecnicamente denominada índice de déficit de evapotranspiração padronizado (SEDI), pode capturar mais sensivelmente as alterações biológicas dos ecossistemas em resposta à dinâmica da intensidade da seca, em comparação com índices baseados em precipitação e temperatura. Zhuguo MA, diretor do Laboratório Chave de Clima-Ambiente Regional para o Leste Asiático Temperado do Instituto de Física Atmosférica, Academia Chinesa de Ciências e sua equipe, publicou esse resultado em Avanços das Ciências Atmosféricas.

“Em termos do papel desempenhado pelo déficit de evapotranspiração na conexão dos processos climáticos e ecossistêmicos, a SEDI tem o potencial de destacar os impactos da seca nos processos ecológicos”, diz o professor associado LI Mingxing, autor correspondente do estudo.

“Na verdade, vários estudos usaram déficit de evapotranspiração em estudos de seca. No entanto, seu potencial em delinear respostas da vegetação a flutuações climáticas e secas pesadas ainda não foi avaliado especificamente, em contraste com a avaliação de sua capacidade de detecção”, afirma ele. “O objetivo deste estudo foi, com base no déficit padronizado de evapotranspiração, definir um índice de seca e avaliar sua eficácia em destacar as respostas da vegetação à evolução da seca”.

A equipe definiu um índice de seca de acordo com a diferença entre a evapotranspiração real e potencial dos dados de observação e reanálise e determinou as classificações de acordo com uma abordagem de percentil. O desempenho do SEDI além de três índices de seca comumente usados (scPDSI, SPI e SPEI) e a umidade do solo foram examinados.

“Nosso estudo mostra que o SEDI pode detectar razoavelmente secas e transições climáticas secas e úmidas, especialmente na escala mensal, e pode regenerar tendências climáticas de longo prazo. Além disso, o SEDI é mais prático do que os índices de precipitação e temperatura para destacar os efeitos biológicos no clima. Isso ocorre principalmente porque o SEDI envolve processos de água e energia que podem ser afetados pela vegetação “, explica o Dr. ZHANG Xia, principal autor do estudo.

“No futuro, pretendemos focar no potencial de quantificar as relações dos processos ecológicos com mudanças secas e úmidas e o uso em projeções de ambientes ecológicos regionais com mudanças climáticas”, acrescenta o professor da equipe, professor MA.

Referência:

Zhang, X., M. X. Li, Z. G. Ma, Q. Yang, M. X. Lv, and R. Clark, 2019: Assessment of an evapotranspiration deficit drought index in relation to impacts on ecosystems. Adv. Atmos. Sci., 36(11), 000–000.
Leia mais
Alguém ganha com o aquecimento global?
Emergência Climática – Estudo sugere que as mudanças climáticas podem causar seca em áreas de cultivo de trigo
A influência humana na mudança climática remonta ao século XIX
Reflorestamento no Camboja traz chuvas de volta para região seca por causa da perda de cobertura vegetal
Calor extremo, seca e precipitação desastrosa, marcam a primeira metade do verão no hemisfério norte
48,6% dos municípios do país foram afetados por secas nos últimos 4 anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário