Pages

Os mortos que ninguém vê na fronteira do México com os Estados Unidos

Do IHU, 15 Agosto 2019
Por Andro Aguilar, publicada por En El Camino, 22-07-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.


Milhares de migrantes mortos, sem nome e sem vestígios, no deserto da fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A US Border Patrol registrou mais de 7 mil pessoas mortas no deserto do Arizonaao longo das últimas duas décadas. O deserto apaga as marcas de tudo, mas sobretudo dos migrantes. Cruzar nessa época do ano parece uma loucura. Porém, frente ao endurecimento das medidas anti-migrantes e a superlotação dos albergues em outras áreas fronteiriças do México, muitos migrantes estão correndo risco.

Em uma área controlada pelo crime organizado, o sucesso da jornada depende de estar bem "conectado" com os traficantes de seres humanos. Nos últimos meses, pessoas vindas do Caribe, da América Central e mexicanos deslocados pela violência chegaram aos postos alfandegários no estado de Sonora, no noroeste do país, fazendo fila para pedir asilo nos Estados Unidos.

Por que os países têm fronteiras se todos nós vemos as mesmas estrelas? A questão escrita com o giz em uma das paredes de um abrigo que fica a cerca de 100 metros do trilho do trem, “la ruta del Diablo”, que atravessa o oeste mexicano do sul para o norte, usado por centenas de imigrantes Eles procuram chegar aos Estados Unidos.

Abaixo da frase, uma bandeira de El Salvador, em frente, outra da Guatemala se destaca na parede da Casa do Migrante Pueblo sin Fronteras, em Caborca, uma cidade de Sonora, nas imediações do deserto de Sonora.


Norte do México | Fonte: En El Camino

É uma das descobertas de um passeio pela fronteira de Sonora, um dos maiores territórios agrícolas do México.

Todos no abrigo dizem que chegaram de trem. Alguns saíram do estado de Tabasco, outros de Chiapas, ambos no sul do México. E de lá eles se desviaram. Há aqueles que somam até oito trens em sua caminhada.

Nos primeiros dias de julho, eles já sentiram os impactos do acordo de imigraçãoentre o México e os Estados Unidos.

Na rodoviária de Tierra Blanca, no estado de Veracruz, no sudeste do país, um deles reclama, eles não quiseram lhe vender o bilhete para viajar porque ele não trouxe uma credencial que o identifique como mexicano.

Outro relato pior: ele perdeu mil lempiras hondurenhas (cerca de 40 dólares) porque os ingressos dele e de sua filha de nove anos vendidos nas bilheterias, não permitiram entrar no ônibus. Eles tiveram que pegar o trem em Pénjamo, no centro do país, estado de Guanajuato.

"Eu passei algum tempo antes e fiquei mais calmo", um jovem interveio enquanto acaricia um cão pitbull que repousa com todos sob a sombra de um pátio de concreto onde eles lidam com os 37 graus celsius do deserto de Sonora.

O homem que viaja com a filha reclama que não há trabalho. Como eles vão fazer isso, ele afirma, como eles querem ser feitos se os governos não melhorarem os salários ou a segurança.

"A partir de 35 anos não há trabalho, a menos que seja um segurança, você vai ganhar 6.000 pesos mexicanos (cerca de 243 dólares) por mês", disse ele.

Outro homem contextualiza o que isso significa com uma conta mais simples: "O quilo de feijão vale cerca de 100 pesos mexicanos (US $ 5,5)".




O albergue instalado a poucos metros do trilho do trem pertence à organização Pueblos Sin Fronteras, liderada por Irineo Mujica, promotor das caravanas de migrantes que cruzaram o México para os Estados Unidos desde 2018. Foto: Andro Aguilar | En el Camino

A casa deste imigrante é dirigida por Irineo Múgica, que enfrenta uma investigação por uma acusação de tráfico humano. Alguns moradores da área se referem ao local como "ninho de polleros (traficantes de pessoas)".

Mas os migrantes que estão aqui imaginam o que teria passado se não houvesse uma sombra como esta perto das estradas. "Muitos já teriam morrido", adverte um deles.
Alguns metros à frente na linha do trem, quase em frente a um módulo da Cruz Vermelha que atende exclusivamente a migrantes, dois primos hondurenhos ouvem a música trap em uma tenda improvisada que serve de dormitório.

Cristian, com o torso tatuado, acende o fogão ao ar livre para cozinhar batatas em uma panela.

Ele vem migrando há uma década, a terceira parte de sua vida, desde os 17 anos. Em 10 ocasiões ele entrou no México e quatro nos Estados Unidos. Sempre que foi deportado, pegou a estrada de volta.

Ele diz que não faz isso por diversão. É por causa da necessidade de dinheiro, mas principalmente é "forçado a sair pelas gangues de lá (em Honduras)". E que escolhe esta rota porque é mais segura do que o Golfo do México.

Com ele está Elmer, cinco anos mais novo, criado na mesma casa, como irmãos. Cristian diz que vai gastar o tempo necessário para continuar migrando e não tira os olhos dos Estados Unidos. “Deus pode nos impedir, mas só ele, ninguém mais. É que é obrigatório, não é que queiramos”, diz ele.

Caborca é um dos pontos de passagem para quem quer atravessar a fronteira pelo deserto de Sonora e chegar ao estado do Arizona, nos Estados Unidos. Do deserto, duas rotas para atravessar são realizadas. Alguns escolhem ir 153 quilômetros ao norte, em direção a Sonoyta, e outros cinco quilômetros a leste, em direção a Altar.

Laura Ramírez diz que há quatro anos ela perdia seu tempo jogando Candy Crush em seu telefone, até que ela decidiu se envolver um pouco mais no bem-estar de sua comunidade. Certa manhã, ele saiu com comida para distribuir café da manhã para os migrantes que param em Caborca. Ela chegou a 200 pessoas.

Além do café da manhã, a mulher administra os cuidados médicos, dá assessoria jurídica e acompanha as famílias que procuram migrantes perdidos e migrantes que ficaram desabrigados e que ficaram presos nesse ponto do deserto.

Ele está nesse emprego há quatro anos e, em agosto, junto com outras pessoas, ele participará da busca por restos de esqueletos no deserto. Seu projeto é chamado de "Laura, me ajude a voltar para casa".

Por que Caborca é um ponto de encontro para migrantes? Laura encontra duas razões principais: “Primeiro porque, entre aspas, é uma das ‘fronteiras mais seguras’. É o mais longo, sim. Mas não se vê tanto sequestro, embora existam, mas não tanto quanto em Reynosa ou naqueles lados. E aqui, infelizmente... porque a mochila feliz, que desde que saem de lá eles falam que a mochila é a travessia para atravessar esse deserto.



Eles cruzam como "galinhas" ou carregados. “E não porque eles querem, mas porque não há outro jeito de passar. Se eles soubessem o caminho e quisessem andar, não seriam permitidos. É uma condição para transportar esse leitão ”, diz ele.

Vários testemunhos confirmam isso: em Caborca e outras partes da cidade de Sonoyta, os migrantes são contatados para atravessar o deserto com mochilas de pelo menos 20 quilos de marijuana. Há quem diga que a cota atual implica em fazer duas viagens; outros, que devem pagar 300 dólares e também levar a mochila.

Um migrante mexicano com o nome fictício de Adalberto informa que chegou ao município especificamente para cruzar com o pacote pelo deserto. Ele trabalhou no campo ou como assistente de pedreiro até se desesperar.

“Eu vim para o trabalho de arremessar minha mochila, aqui eles me agarraram (...) Você tem que se virar para levantar com as mãos e os pés. Quando joguei dessa vez, voltei. Foi frio, o frio machín (duro) me pegou. O calor e o frio são os mesmos. No deserto você morre de frio e morre de calor (...) Agora eu quero seguir em frente novamente, mas trabalhar duro e ver quem será a herdeira, uma que me queira bem”, diz ele.

José também é migrante, mas seu destino é Sonora. Ele viajou do sul do México para encontrar seu filho de 21 anos e sua filha de 20 anos, e um empreiteiro os fisgou em sua cidade no estado de Oaxaca, no sul, para trabalhar no cultivo de aspargos. Mas os jovens não se adaptaram. Eles tiveram problemas com seus parceiros e a abundância de drogas.

O trabalho nesses campos é difícil, acrescenta. Os empreiteiros preferem os oaxacanos ou Chiapas, em vez de centro-americanos para a conferência, por causa de seu costume para essas tarefas. “Não é difícil para mim com a máfia ou a lei, porque não tenho vícios. Estamos acostumados a trabalhar duro”, diz ele.

O relatório do Semáforo criminal indica que Caborca tem 124% mais denúncia de tráfico de drogas do que todo estado de Sonora. Apenas duas semanas atrás, três pessoas foram mortas no centro da cidade. A nova e militar Guarda Nacional chegou a Caborca em julho deste ano. E com isso, o Instituto Nacional de Migração, o Inami.

Nenhum comentário:

Postar um comentário