Pages

OBAMA: 'UM PAÍS QUE NÃO INVESTE EM EDUCAÇÃO NÃO SERÁ BEM-SUCEDIDO'

Do BRASIL 247, 30 DE MAIO DE 2019


"Se você um país que não tem este tipo de investimento nas pessoas [em educação], ele provavelmente não será bem-sucedido", disse o ex-presidente norte-americano, Barack Obana, durante evento em São Paulo nesta quinta-feira (30)

247 - Em palestra em São Paulo nesta quinta-feira (30), o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que a "chave do sucesso é a educação" e que "dar educação e serviços sociais não é caridade, é uma ferramenta de desenvolvimento econômico". A declaração acontece num dia de mobilizações de estudantes, professores e trabalhadores contra os cortes na Educação feitos pelo governo de Jair Bolsonaro.

"Se você um país que não tem este tipo de investimento nas pessoas [em educação], ele provavelmente não será bem-sucedido", disse o ex-presidente norte-americano, segundo reportagem do site UOL.

Obama disse que "não existe um mercado funcional sem um bom governo" e que sem um bom sistema educacional "não tem um bom mercado". Segundo ele, por meio do investimento na educação, a economia dos países cresce, a força de trabalho tem maior qualidade e as empresas prosperam.

Ele lembrou de uma de suas visitas ao Brasil, em que visitou uma favela no Rio de Janeiro, onde jogou futebol com "meninos como ele".

"A única diferença é que eu tive oportunidades, fui capaz de ter mais conhecimento, superando algumas adversidades. E sempre lembro que, se a gente pode dar as estas pessoas as mesmas oportunidades, uma destas crianças pode acabar inventando a cura do câncer, criar a próxima inovação tecnológica", disse.

Obama enfatizou que tanto o Brasil quanto os EUA têm a mesma origem na desigualdade, mas disse que a Constituição americana deu os caminhos para a democracia ao incluir todas as pessoas. "Quanto maior a inclusão, mais bem-sucedido é o país", afirmou. "Se os negros e as mulheres forem excluídos, você deixará talentos de fora", disse.

Armas

Outro comentário de Obama que se alinha ao debate no Brasil foi quando ele falou sobre a política de acesso as armas. Questionado sobre o pior dia em seus dois mandatos, o ex-presidente citou o atentado de Sandy Hook, onde 20 crianças de uma escola infantil foram mortas por um atirador, além de sete professores e do atirador.

"Minhas filhas não eram muito mais velhas do que as crianças assassinadas, e tive que confortar os pais delas. E alguns aqui podem não saber sobre as leis para compra de armas dos EUA. Elas não fazem o menor sentido, qualquer pessoa pode comprar qualquer arma a qualquer momento e até pela internet. Para mim, ter que falar com os pais que perderam seus filhos foi muito difícil", disse.

"E não pude nem prometer mudanças na legislação que impedissem que algo assim ocorresse com os filhos de outras pessoas. Isso foi a maior frustração para mim", completou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário