Pages

ANGELA DAVIS RELEMBRA ASSASSINATO DE MARIELLE: ISSO ME DÓI MUITO

Do 247, 2 de Maio, 2019


A lendária ativista, professora e filosofa Angela Davis relembrou o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, em entrevista concedida ao Democracy Now, quando citou a perseguição de Donald Trump a deputada muçulmana Ilhan Omar, do Congresso dos EUA; "Nós sofremos o assassinato de uma representante eleita no hemisfério americano, Marielle Franco no Brasil, há pouco mais de um ano. E isso me dói", lamentou a ativista

247 - A lendária ativista, professora e filosofa Angela Davis relembrou o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, em entrevista concedida ao Democracy Now, quando citou a perseguição de Donald Trump a deputada muçulmana Ilhan Omar, do Congresso dos EUA. A reportagem é de Cesar Locatelli.

"Nós sofremos o assassinato de uma representante eleita no hemisfério americano, Marielle Franco no Brasil, há pouco mais de um ano. E isso me dói... Ela recebeu ameaças e foi alvo da mesma forma que Ilhan Omar está sendo alvo hoje", declarou Angela Davis.

Ela também fala da Venezuela e do movimento à direita no mundo:

"O aparente golpe [na Venezuela} que está em andamento agora, apoiado, é claro, pelo governo dos EUA, é uma tentativa de aumentar o efeito do movimento para a direita em todo o mundo - Bolsonaro no Brasil, é claro Duterte nas Filipinas, Netanyahu reeleito em Israel."

Barbara Ransby, historiadora, autora, ativista assessora do Movimento para Vidas Negras e uma das organizadoras do movimento das Mulheres Negras em Defesa de Ilhan Omar também participou da entrevista:

"Recentemente uma livraria próxima a Washington promoveu um evento de um livro antirracista que foi interrompido por nacionalistas brancos, que literalmente invadiram e intimidaram as pessoas. Então, o atrevimento e o desaforo nos lembram muito da Alemanha pré-nazista... E o tiroteio em San Diego. A sinagoga em San Diego, a sinagoga de Pittsburgh, o que aconteceu na Nova Zelândia.

"Todas essas coisas apontam para as maneiras pelas quais a violência racista está sendo alimentada pelas palavras de Trump e outros."

O último livro Barbara Ransby é Making All Black Lives Matter: Reimaginando a Liberdade no Século XXI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário