Pages

O tempo mais difícil, por Enrique Ortega Salinas

Do Jornal GGN, 16 de Abril, 2019


Foto BBC
E também sei de um povo que não vende ou se dobra, que não quebra ou se rende, que não teme ou treme, apesar do permanente assédio e do imenso poder de seus adversários...

Em dezembro, vi pessoas procurando comida no lixo… mas não era a Venezuela, eram os Estados Unidos, não Caracas, mas Los Angeles.

É claro que a Venezuela está indo mal. A questão é por que os canais e canais internacionais do meu país, apenas relatam esses casos no país caribenho e não dizem uma palavra quando isso acontece nas terras do Tio Sam.

Conheço um país que aprisiona crianças com funcionários que as abusam sexualmente porque são imigrantes; mas não é a Venezuela, são os Estados Unidos.

Quando milhões de colombianos fugiram da guerra interna e do regime criminoso de Álvaro Uribe, tanto Hugo Chávez, na Venezuela, quanto Rafael Correa, no Equador, os receberam fraternalmente. No reino de Donald Trump, no final de fevereiro, uma denúncia contra sua política de separar os imigrantes de seus filhos expôs o abuso sexual ao qual os menores em cativeiro foram submetidos. O deputado democrata Ted Deuch disse que 154 autoridades são acusadas de agredir crianças em centros de detenção na área de fronteira, onde duas crianças já morreram. 4556 queixas do Gabinete de Refugiados endossaram suas palavras.

Conheço um país onde a vontade popular é ridicularizada e quem chega à presidência não é o mais votado nas urnas; mas não é a Venezuela, são os Estados Unidos. Hillary Clinton conseguiu 2,8 milhões de votos a mais do que Donald Trump; mas o incompreensível sistema eleitoral norte-americano impediu-o de ocupar a Casa Branca. Como o ex-presidente Jimmy Carter disse: “O melhor sistema eleitoral do mundo é o da Venezuela; o pior, os Estados Unidos “.

Eu também conheço um país onde uma de suas províncias legalizou o trabalho para crianças de 10 anos de idade; mas não é a Venezuela, o país é a Argentina e a província de Jujuy.

Conheço um país onde milhares de jornalistas de oposição são perseguidos, demitidos e assediados; mas não é a Venezuela, mas a Argentina. O caso do uruguaio Víctor Hugo Morales, para quem os juízes dependentes do Grupo Clarín e o macrismo fabricam causas para direita e esquerda, é emblemático, mas não único. Entre os casos mais recentes são os do repórter do El Descobrir, Lucas Martinez, agredido pela polícia da cidade e o fotógrafo do Page 12 Bernardino Avila, que depois de retratar uma mulher que toma um vegetal do solo (durante a chamada “Cuadernazo”) foi preso junto com outros manifestantes por 11 horas.

Eu também conheço um país onde seu presidente despreza mulheres, negros, povos indígenas e gays; mas não é a Venezuela, mas o Brasil. Dois membros do Movimento dos Sem-Terra foram mortos recentemente; mas nem Almagro nem Trump pediram explicações ao governo, nem as grandes cadeias internacionais de desinformação lhe deram o espaço que teriam dado a ele se tivessem ocorrido durante a presidência de Nicolás Maduro.

Eu conheço um país que é um dos mais corruptos do mundo; mas não é a Venezuela, mas o Paraguai, com seu eterno Partido Colorado, um salário mínimo de 370 dólares e um ministro da indústria que se gaba de que metade dos trabalhadores paraguaios ganham abaixo desse valor. Como Oscar Andrade apontou, ele não disse isso com dor, mas com orgulho e satisfação. Não se esqueça que os governos da Argentina, Brasil e Paraguai, foram aplaudidos pelo direito da oposição uruguaia.

Conheço um país onde a cada quatro dias um sindicalista é assassinado; mas não é a Venezuela, mas a Colômbia. A denúncia foi apresentada pela Central Única de Trabalhadores da Colômbia perante a Organização Internacional do Trabalho e a Corte Interamericana de Direitos Humanos; mas a impunidade está em ascensão. As ameaças estão concentradas contra os líderes sindicais do setor de petróleo, professores e agricultura. Nem a CNN nem a Almagro mostraram sua alma dividida em dois por esses crimes que já implicam uma dura tentativa de exterminar o sindicalismo pela direita e pela comunidade empresarial colombiana.

Conheço um país onde qualquer um que ouse criticar o governante é penalizado com a prisão, que, por outro lado, detém o poder sem nunca ter sido endossada pelas urnas; mas não é a Venezuela, mas a Espanha. É incrível que no século XXI a monarquia persista, um verdadeiro ataque contra a inteligência dos povos da Espanha, Inglaterra e Canadá, entre outros; mas mais incrível é que tais monarquias pretendem dar classes de democracia às suas antigas colônias.

E também sei de um povo que não vende ou se dobra, que não quebra ou se rende, que não teme ou treme, apesar do permanente assédio e do imenso poder de seus adversários… mas não é o da Argentina, nem do Brasil nem a do Paraguai, nem a da Espanha, nem a da Colômbia, nem a dos Estados Unidos…

É o da Venezuela!!!!!!

Eu gostaria de acrescentar o seguinte ao excelente artigo: Eu conheço um país que é o maior produtor de DROGA DO MUNDO!!! A Colômbia e outros que são os maiores consumidores de drogas, os Estados Unidos e ninguém diz nada, nem a ONU, nem os direitos humanos, nem a União Europeia, nem a OEA, será que todos estão no negócio! no entanto nos acusam de Venezuela do Estado de Narco… devemos ser muito imorais e desavergonhados para igualar os inimigos do país … sempre que o país precisa de mim, logo me defenderá … escreve-o com tinta indelével aqui não vai acontecer !!!!

Enrique Ortega Salinas, escritor e conferencista uruguaio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário