Pages

Sobre os direitos dos animais e a hipocrisia humana

Do IHU, 15 Março 2019
A reportagem é de Gabriel Bayarri, publicado por Outras Palavras, 13-03-2019.


Devemos reconhecer o papel dos movimentos pelos direitos animais numa relação de irmandade com os movimentos ecologistas, feministas e outros movimentos sociais, que chocam frontalmente contra os valores das extremas direitas.

Incomodada pela crescente popularidade da solidariedade entre espécies, parte da extrema-direita diz aderir à causa. Mas é possível fazê-lo defendendo os rodeios, a caça, os safáris e a devastação das florestas?

Ao falar em animais de estimação, vocês podem ter certeza que em nosso governo teremos uma secretaria específica para tratar dos direitos dos animais, os animais merecem respeito!

Assim Jair Bolsonaro enunciava, durante a campanha eleitoral, sua promessa de construir uma Secretaria de Proteção de Direitos Animais específica para animais domésticos. Durante períodos eleitorais, temos observado exemplos similares em candidatos ultradireitistas ao redor do mundo, como a candidata da Frente Nacional Francesa, Marine Le Pen, que começou a defender terapias com animais e a publicar fotos nas quais aparecia acariciando bezerros, filhotes de cachorros e outros animais que suavizam a dureza de seu projeto xenofóbico de país.

Desde o início do novo milênio foram surgindo projetos de corte ultradireitista que tratavam de disputar a “hegemonia progressista” na defesa animal. Diversos grupos neonazistas ingleses defendiam que as extremas direitas poderiam se apropriar das demandas de coletivos de defesa animal, lembrando que o próprio Hitler, ao mesmo tempo em que exterminava judeus, gays ou ciganos promulgou leis que proibiam desde o comércio de animais até ferver caranguejos. Nos países mediterrâneos, surgiram movimentos como os Patriotas Espanhóis Contra a Tortura Animal (PECTA), a plataforma Defensa Ariana dos Animais, o Movimento Animalista de Brambilla, o 100% Animalisti (vinculados aos partidos pós-fascistas italianos Força Nova e Força Itália) ou o grupo nazista suíço Ofensiva Animalista.

As extremas direitas se aproximavam à defesa dos animais tentando fortalecer uma retórica que as caracteriza: o fortalecimento de lideranças autoritárias que representavam a identidade nacional e a construção de uma fronteira emocional: o medo contra o inimigo. Assim, por um lado, as extremas direitas apostariam no animal como símbolo moral capaz de ampliar o campo de disputa eleitoral nos setores que observam nos traços mais autoritários dos líderes nacionais princípios de degradação da democracia. Por outro lado, o marketing de defesa dos animais ajudaria a reforçar a figura do inimigo, corporalizada principalmente no indivíduo imigrante muçulmano e na comunidade afrodescendente, que seriam catalogados por estes grupos como bárbaros por realizar rituais com sacrifício animal, justificando em sua desumanização uma Guerra Justa de reconquista dos valores tradicionais contra a barbárie.

Apesar dessa retórica de proteção aos animais, as extremas direitas se caracterizam pela defesa de uma série de práticas que encontram tensões com a defesa animal, mostrando suas contradições. Assim, podemos observar Marine Le Pen acariciando vacas ao mesmo tempo em que defende os rodeios, assiste às touradas ou participa em diversas atividades de caças; Bolsonaro pode defender a vida de gatos e cachorros ao mesmo tempo em que apoia os rodeios, a caça, o desmatamento da Amazônia ou promove um modelo de exploração ambiental que causa desastres como Brumadinho, onde as diversas espécies se afogam nos produtos químicos; ou Melania Trump exibe casacos de pele sintética ao mesmo tempo em que seu marido promove uma legislação que permite importar desde os safáris africanos aos Estados Unidos às cabeças de elefantes, rinocerontes ou leões que tenham sido caçados, dando título de troféu nacional para a aniquilação das grandes espécies da Terra. Resulta especialmente esclarecedor o caso do partido ultradireitista espanhol Vox. Além de apoiar a caça, ele tem sido saudado por caçadores que, ao término da jornada, deixam-se fotografar com os cadáveres dos animais abatidos desenhando as letras da agremiação.

Estes atos revelam como as relações entre as extremas direitas e o sofrimento e a morte animal estão ritualizadas, banalizando a violência com a que se relacionam com as diversas espécies. Grandes facções dos movimentos contemporâneos pela defesa animal parecem estar assumindo que nos tempos atuais, de escassez e colapso, o movimento deve entender as relações sistêmicas das extremas direitas com o sofrimento animal. Hoje, os movimentos pela defesa animal articulam o processo de radicalização democrática com a defesa de um ecossistema complexo, que reconstrói e amplia a universalização de direitos e, portanto, abarca pautas maiores que o próprio princípio da defesa e reconhecimento animal. A ideologia destes movimentos começa a assumir em seu ethos contemporâneo as relações de interdependência e ecodependência da espécie humana.

Ante ditas relações sistêmicas, os movimentos pela proteção animal defendem uma abordagem de políticas integrais, denunciando o neoliberalismo estrutural presente nas novas extremas direitas. Revelam uma vocação plural e horizontal que, ao se assumir necessária entre as diversas espécies, transforma-se consequentemente em bandeira ideológica de nossa própria espécie. Em oposição, racismo, machismo, xenofobia e neoliberalismo apresentam na sua estrutura um mesmo princípio de hierarquização autoritária das relações de opressão e violência, contra o qual a defesa animal se opõe frontalmente. A escritora feminista Carol Adams argumenta que o feminismo e os direitos dos animais estão fortemente vinculados, devido à forma com que a indústria utiliza e explora as fêmeas em particular, coisificando e explorando as vidas e corpos dos animais. A forma militarizada com que atuam as extremas direitas traduz-se assim em inimigo dos movimentos pela defesa animal, que são necessariamente ecofeministas e defensores de um sistema complexo e interconectado do qual é preciso cuidar.

Devemos reconhecer o papel dos movimentos pelos direitos animais numa relação de irmandade com os movimentos ecologistas, feministas e outros movimentos sociais, que chocam frontalmente contra os valores das extremas direitas. Não podemos permitir que o processo de construção de vínculos afetivos com os animais, que tem se incrementado nos últimos anos, seja capitalizado pelos seus próprios algozes. A visão sistêmica será uma das pautas determinantes na construção de uma justiça animal que acione estratégias políticas contra a agropecuária industrial, o caos climático e a destruição de ecossistemas promovido pelas extremas direitas canibais, que funcionam devorando corpos e territórios.
Referências:

HERRERO, Yayo, CEMBRANOS, Fernando y PASCUAL, Marta (cords) (2011): Cambiar las gafas para mirar el mundo. Hacia una cultura de la sostenibilidad. Madrid. Libros en Acción.

LAKOFF, G. y M. JOHNSON. 1980. Metaphors we live by. Chicago: University of Chicago Press.

LIMA, Tânia Stolze. 2005. Um Peixe Olhou Para Mim. O povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo: UNESP/ ISA/ NUTI. 400 pp.

MARQUARDT, K. LEVINE, H.M. y LA ROCHELLE, M. Animalscam: The Beastly Abuse of Human Rights. Washington: Regnery P

RIECHMANN J. Ecosocialismo descalzo. Tentativas (con contribuciones de Adrián Almazán, Carmen Madorrán y Emilio Santiago Muíño). Icaria, Barcelona, 2018.

TAMAS, G. M. (2000) ‘On post fascism’, Boston Review, Summer: 2000

Gabriel Bayarri é espanhol, doutorando em antropologia e escritor. Durante o período 2015-2018 foi concejal eleito pelo partido Si Se Puede!, integrante do movimento Podemos na Espanha. Contato: g.bayarritoscano@gmail.com

Michael Dello-Iacovo é australiano e candidato a Deputado do Estado do New South Wales pelo Partido Justiça Animal. Michael é doutorando em ciência espacial e ex-CEO da organização Effective Altruism Australia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário