Pages

PRESSÃO POR LUCRO DAS EMPRESAS É CAUSA DA TRAGÉDIA EM BRUMADINHO, APONTA ESTUDO



Do 247, 9 de Março, 2019



"A lógica do capital nesta área [mineração] e em outras, como petróleo, mostra não ser apenas preocupante, como também predatória, devido à visão de curto prazo dos investidores em mercados de capitais e do comportamento antiético das empresas", diz um trecho do estudo feito por pesquisadores canadenses

247 - De acordo com estudo feito por pesquisadores canadenses da Amec Earth & Environmental, consultoria ambiental e de engenharia, os rompimentos das barragens de rejeitos de mineração como a de Brumadinho e Mariana, ambas em Minas Gerais, ocorrem quando os preços dos minérios estão em alta ou em baixa. O motivo seria a pressão de empresas para ganhar mais ou deixar de perder dinheiro.

Em reportagem publicada pelo UOL, estudo do "Mining Market Cycles and Tailings Dam Incidents" (Ciclos de mercado de mineração e incidentes de barragens de rejeitos), quando os preços sobem, as mineradoras apressam os procedimentos de licenciamento e construção de barragens para faturar logo. No entanto, quando as cotações caem, as empresas cortam custos operacionais, como os de manutenção e segurança, aumentando o risco de rompimentos.

"A lógica do capital nesta área [mineração] e em outras, como petróleo, mostra não ser apenas preocupante, como também predatória, devido à visão de curto prazo dos investidores em mercados de capitais e do comportamento antiético das empresas", diz um trecho do estudo.

De acordo com os pesquisadores, nos 143 casos analisados de desastres em mineração reportados no mundo entre 1968 e 2009, verificou-se que há um padrão nos acidentes

"Quando os preços dos minérios sobem, os procedimentos de licenciamento e de execução da construção de barragens são acelerados por pressão das mineradoras para aproveitar a bonança. Quando os preços caem, há uma pressão, também das mineradoras, para reduzirem custos operacionais, como os de manutenção e de segurança", diz um trecho estudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário