Pages

BARRAGEM EM RISCO: MP-MG RECOMENDA EVACUAÇÃO DE 2,5 MIL EM CONGONHAS



Do 247, 12 de Março, 2019



O MP-MG expediu uma recomendação para a Companhia Siderúrgica Nacional providenciar moradias provisórias com o objetivo de realocar habitantes de aproximadamente 2,5 mil moradores de Congonhas (MG) ameaçados pela barragem Casa de Pedra; de acordo com a Defesa Civil Municipal, após uma eventual ruptura, os primeiros imóveis podem ser atingidos em cerca de 30 segundos

247 - O Ministério Público de Minas Gerais, da comarca de Congonhas, expediu nesta terça-feira (12) uma recomendação para a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) providenciar moradias provisórias com o objetivo de realocar habitantes de aproximadamente 600 casas do município ameaçadas pela barragem Casa de Pedra. Cerca de 2,5 mil moradores que devem ser retirados das moradias. A recomendação foi feita em um contexto no qual estão sendo investigadas as circunstâncias do rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O crime ambiental, que ocorreu no final de janeiro, deixou 200 mortos (identificados), sendo a maior catástrofe ambiental da história do País.

O secretário de Meio Ambiente da Prefeitura, Neylor Aarão, disse ao MPMG que a CSN não fornece informações precisas sobre a barragem e, por consequência, prejudica o plano de evacuação. De acordo com estimativa da Defesa Civil Municipal, após uma eventual ruptura, os primeiros imóveis podem ser atingidos em cerca de 30 segundos. As informações são do jornal O Estado de Minas.

Segundo o promotor Vinícius Galvão, que assina a recomendação, a mineradora CSN terá 10 dias para fazer a retirada dos moradores. Se a empresa não concordar, o promotor informou que vai ingressar com uma ação civil pública contra ela. "A solução definitiva seria ou aquisição de imóveis para essas pessoas, ou a construção de outros dois bairros. O que não dá é as pessoas viveram sob esse risco iminente. Lembrando que essa mesma barragem já apresentou risco de rompimento em 2013 e em 2017", afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário