Pages

Populismo, conceito precário

Cada vez mais utilizada, para demonizar quem se afasta do establishment, palavra desgasta-se e perde rapidamente sentido. Inclusive porque os que a empregam parecem acreditar numa única forma de democracia…
De Outras Palavras, 05/02/2019

Por Peter C. Baker, em The Guardian | Tradução: Felipe Calabrez

(Parte 1)


Quando o termo populismo aparece na mídia, o que acontece com cada vez mais frequência, ele é geralmente apresentado sem qualquer explicação, como se todos fossem capazes de defini-lo. E todos são, pelo menos enquanto puderem empregá-lo para se referir aos fenômenos que o termo supostamente explicaria: Brexit, Trump, a tomada da Hungria por Viktor Orbán, a ascensão de Bolsonaro no Brasil. O termo evoca ressentimentos que estavam latentes do homem comum, trazidos à tona por políticos carismáticos que fazem promessas impossíveis. Geralmente, populismo soa como algo vindo de um filme de terror: uma bactéria alienígena que de alguma forma escapou das defesas da democracia, ajudada, talvez, por Steve Bannon ou por algum outro agente de manipulação de massas – e que está agora envenenando a vida política, criando novas fileiras de eleitores populistas entre “nós”. (A propósito, a maior parte dos escritos sobre populismo presumem uma audiência antipática ao populismo).

Não faltam vozes proeminentes atentando para o quão perigoso é o populismo, e que temos que tomar medidas para combatê-lo. Tony Blair passa seus dias dirigindo o Instituto para Mudança Global (IMG), uma organização fundada por seu site, “para exercer contra-pressão diante da abordagem destrutiva do populismo”. No seu relatório mundial de 2018, a Human Rights Watch alertou as democracias do mundo contra a “capitulação” ao “desafio populista”. A ascensão dos “movimentos populistas”, afirmou Barack Obama em discurso ano passado, ajudou a desencadear um boom global de “políticas de medo, ressentimento e retração” que abre caminho para o autoritarismo. “Não estou sendo alarmista. Estou apenas constatando fatos”, disse Obama.

Quando populismo é enquadrado dessa maneira, a implicação é clara. Todo cidadão responsável deve arcar com a responsabilidade de fazer sua parte na batalha – reconhecer o populismo quando estiver diante dele, compreender seu apelo (mas não sucumbir a ele), e apoiar políticas que refreiem seu avanço, salvando a democracia como a conhecemos. Combatendo a atual infecção ”, escreve Yascha Mounk, até recentemente diretor executivo do IGC de Blair e proeminente escritor anti-populista, “poderíamos construir os anticorpos necessários para permanecermos imunes a novos surtos da doença populista por décadas”.

Mas, à medida que notícias e relatórios de think tanks críticos sobre a ameaça populista continuam se acumulando, acabaram por provocar uma reação cética de críticos que se perguntam se o populismo existe mesmo. Agora é relativamente comum encontrar a ideia de que, assim como não havia bruxas reais em Salem, não há populistas reais na política — apenas pessoas, atitudes e movimentos que o centro político não entende e teme, e quer que você, leitor, também teme, embora sem o ônus de ter que explicar exatamente o porquê. O populismo, nesse enquadramento, é um bicho-papão: uma não-identidade invocada com o propósito de despertar o medo. Este argumento chegou mesmo ao mainstream centrista. “Vamos acabar com a palavra ‘populista'”, escreveu Roger Cohen, colunista do New York Times, em julho. “Tornou-se impreciso ao ponto de perder o sentido, um epíteto usado em demasia para múltiplas manifestações de raiva política. Pior, é carregado de desprezo, aplicado a todos os eleitores que decidiram que os partidos políticos dominantes não fizeram nada por contra a estagnação de suas rendas ou pelo desaparecimento de empregos ou pela sensação de declínio nacional nas últimas duas décadas ”.

Não se pode negar que muito do que se fala sobre populismo mais obscurece do que ilumina, e nos diz mais sobre os cruzados anti populistas do que sobre qualquer partido populista ou eleitor concreto. Mas muito antes do populismo se tornar objeto de fascínio da mídia – antes de se tornar um zeitgeist de uma palavra que explica tudo – um pequeno grupo de acadêmicos estava estudando o tema, tentando descobrir exatamente o que é e quais lições ele tem para a política democrática. O debate que eles produziram é, como muitos debates acadêmicos, intricado e autorreferencial — e sempre viverá à sombra da mídia confusa e do discurso político. Mas nos ajuda a ver que a ideia de populismo é algo mais do que apenas um conto de fadas centrista.

Graças, em grande parte, ao persistente fracasso dos governos em todo o Ocidente para aprovar qualquer coisa que se assemelhe a uma visão credível de prosperidade e segurança compartilhadas na era pós-industrial, estamos vivendo uma época em que teias familiares que conectam cidadãos, ideologias e partidos políticos, estão, se não desmoronando, pelo menos começando a se desfazer e se transformar. Como resultado, a questão do populismo não está desaparecendo. Os próximos anos provavelmente serão marcados pelo seguinte: mais movimentos sendo rotulados como populistas, mais movimentos se chamando populistas, mais movimentos defensivamente insistindo que eles não são populistas, e mais conversas sobre até que ponto o populismo representa o problema ou a solução .

O debate acadêmico sobre populismo nos mostra que compreender essa paisagem exige mais do que apenas uma definição utilizável da palavra maldita. Em suma, isso nos mostra que não podemos realmente falar sobre populismo sem falar sobre nossas concepções conflitantes de democracia — e sobre a questão do que realmente significa para os cidadãos serem soberanos.

Pode ser que pouco da discussão pública sobre a suposta ameaça populista à democracia tenha sido dedicada ao funcionamento da própria democracia. Talvez assumamos, sem pensar muito, que a democracia é uma ideia tão auto-explicativa que já sabemos tudo o que há para saber sobre o assunto. Ou talvez tenhamos considerado a democracia em sua forma ocidental existente — basicamente a democracia liberal — como o único ponto final possível para a evolução da política. O populismo, embora venha em muitas formas, sempre nos lembra que nada poderia estar mais longe da verdade.

Em 2004 um jovem cientista político holandês chamado Cas Mudde publicou “The Populist Zeitgeit“, um artigo que propôs uma nova e concisa definição de populismo – que se tornaria a espinha dorsal dos estudos acadêmicos sobre tema, algo que dificilmente existia na época. Mudde estava convencido de que o populismo era um conceito útil, que significava algo mais específico do que “democracia, mas praticado de uma maneira que eu acho desagradável”. Ele estava especialmente interessado em desafiar duas intuições comuns sobre o populismo: que ele é definido exclusivamente pela retórica “altamente emocional e simplista”, e que consiste principalmente em “políticas oportunistas” que visam “comprar” o apoio dos eleitores.

Populismo, argumentou Mudde, não é apenas demogogia ou oportunismo. Mas não é uma ideologia política totalmente formada, como socialismo ou liberalismo – é, ao contrário, uma ideologia fraca, composta apenas de algumas crenças centrais. Primeiro: a divisão mais importante na sociedade é antagônica entre “o povo”, entendido como fundamentalmente bom, e “a elite”, entendida como fundamentalmente corrupta e desatualizada em relação à vida cotidiana. Segundo: todos os populistas acreditam que a política deve ser uma expressão da “vontade geral” — um conjunto de desejos que se presume serem compartilhados como senso comum por todas as “pessoas comuns”. (Implícito nessa crença é outra: que existe uma coisa como essa “vontade geral”.)

Um movimento populista, portanto, é aquele que consistentemente promete canalizar a vontade unificada do povo e, ao fazê-lo, prejudica os esquemas que servem ao establishment de elite. Como o fundador da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, afirmou, em 2007: “Vou dar voz ao povo. Porque na democracia apenas as pessoas podem estar certas, e ninguém pode estar certo contra elas. ”(Note como, nesta formulação, não há discordância entre “o povo”) Ou, nas palavras mais recentes de Donald Trump, falando em sua posse: “Estamos transferindo energia de Washington e devolvendo para você, o povo… O establishment se protegeu, mas não os cidadãos de nosso país.” (Observe como os membros do establishment estão implicitamente excluídos de ” os cidadãos”.)

Durante décadas, tentativas de conversas claras sobre populismo foram frustradas pela questão de como isso poderia ser atribuído a partidos e políticos tão obviamente diferentes: como Bernie Sanders e Donald Trump, por exemplo, podem ser chamados de populistas? De que maneira o Occupy Wall Street e o Brexit são exemplos possíveis de fenômenos populistas? A definição simples de Mudde pegou porque ele não tem problemas em responder a esse tipo de pergunta. Se o populismo é mesmo ideologicamente “fraco”, então ele tem que se apegar a uma ideologia mais substancial para sobreviver. Mas essa ideologia pode estar em qualquer lugar ao longo do espectro esquerda-direita. Porque, na definição de Mudde, o populismo está sempre pegando carona em outras ideologias; a grande variedade de populismos não é um problema. É exatamente o que se deve esperar.

“O povo” e “a elite”, escreveu Mudde, são agrupamentos sem definição estática de um movimento populista para outro. Essas categorias são, antes de tudo, morais: pessoas boas, elites ruins. A questão de quem pertence exatamente a qual grupo, no entanto, depende do caráter do movimento populista e da ideologia “espessa” à qual o populismo acaba se ligando. Um “povo” populista pode se definir por uma identidade étnica que se sente ameaçada, mas também facilmente por um sentimento compartilhado de ser vítima de exploração econômica. O que importa é que culpa uma classe percebida como elite corrupta; no caso dos populismos de direita, pode também desprezar algumas subclasses, sejam eles imigrantes ou minorias raciais, a quem as elites são acusadas de favorecerem com tratamento especial como parte de seu plano para manter o poder longe de “pessoas reais”.

Quando The Populist Zeitgeist foi publicado, o populismo não era um tema quente: em todo o ano de 2005, o artigo de Mudde foi citado apenas nove vezes. Mas, à medida que o campo dos estudos de populismo se expandiu ao longo do interesse do mainstream no assunto, o artigo tornou-se amplamente reconhecido como um clássico. Por ampla margem, Mudde é agora o estudioso do populismo que mais provavelmente será citado ou entrevistado pelos jornalistas — quase sempre, para artigos em que sua definição se mescla com as mesmas generalizações desleixadas que ele propôs derrubar.

Hoje, nenhum acadêmico contesta a dominância da definição de Mudde, especialmente entre o crescente número de estudiosos que esperam fazer parte do debate sobre populismo como um fenômeno global. Um fator importante em seu sucesso, de fato, é o modo como antecipou eventos na política mundial. A crise dos mercados de 2008 levou ao surgimento de movimentos anti-austeridade — como Podemos na Espanha, Syriza na Grécia e Ocupy em todo o mundo — motivados pela raiva das instituições financeiras e da pequena classe de pessoas que se beneficiaram de seus lucros. Esses movimentos foram obviamente animados por um senso de oposição entre “o povo” e “a elite” — mas as teorias antigas de populismo que o definiam especificamente como de direita, racista ou anti-imigrante não tinham capacidade suficiente para descrever esses novos desenvolvimentos na política populista.

(continua)

Nenhum comentário:

Postar um comentário