Pages

Brasil: Face ao novo Governo que nos valha São Jorge

"O que assistimos ultimamente no Brasil e especialmente durante a campanha eleitoral e agora, infelizmente, no atual governo é a irrupção do dragão. Ele ameaçava a todos e cobrava sacrifícios. Aqui ele foi solto e se expressou por todo tipo de violência verbal e até física contra homoafetivos, indígenas, opositores e mulheres", escreve Leonardo Boff, teólogo, filósofo e escritor. 

Do IHU, 11/01/2019


Eis o artigo:

Face ao novo Governo de ultradireita, furioso e perseguidor, atingindo já direitos fundamentais dos cidadãos, especialmente os salários e os de outra condição sexual, precisamos unir nossas forças de resistência e de crítica, por um imperativo ético, de salvaguarda da democracia e dos comuns que pertencem ao povo brasileiro.

Além desse esforço cívico, precisamos da ajuda do santo preferido dos cariocas que é São Jorge. Sua história legendária nos pode dar ânimo e fortaleza.

Um dragão terrível ameaçava uma pequena cidade no Norte da África. Exigia vidas humanas escolhidas por sorteio. Certo dia, a sorte caiu sobre a filha do rei. Vestida de noiva foi ao encontro da morte. Eis senão quando, irrompe São Jorge com seu cavalo branco e sua longa lança. Fere o dragão e o domina. Amarra a boca com o cinto da princesa e o conduz manso como um cordeiro até o centro da cidade.

Precisamos interpretar esta legenda pois pode melhorar nossa consciência sobre o que somos realmente. Sigo aqui as reflexões da psicologia analítica de C. G. Jung especialmente de seu discípulo preferido Erik Neumann (cf. A história da origem da consciência, Cultrix 1990). Segundo ele, o dragão amedrontador e o cavaleiro heroico são duas dimensões do mesmo ser humano. O dragão em nós é o nosso inconsciente, a nossa ancestralidade obscura, nossas sombras. Nossas raivas e ódios.

Deste transfundo irromperam para a luz a consciência, a independência do ego e nossa capacidade de amar e conviver humanamente, representados por São Jorge. Por isso que em algumas iconografias, especialmente uma da Catalunha (é seu patrono), o dragão aparece envolvendo todo o corpo do cavaleiro São Jorge, bem como aquela do brasileiro Rogério Fernandes.

Somos esta contradição viva: temos a porção São Jorge e a porção dragão dentro de nós. O desafio da vida que sempre nos acompanha e nunca tem um fim definitivo é São Jorge manter subjugado o dragão. Não se trata de matá-lo mas de domesticá-lo e tirar-lhe a ferocidade.

O povo sente necessidade de um santo guerreiro e vencedor, como se mostrou na novela “Salve Jorge” cujo script foi feito por uma grande devota do santo, Malga di Paulo. São Jorge salva as mulheres prostituídas contra o dragão do tráfico internacional de mulheres.

O que assistimos ultimamente no Brasil e especialmente durante a campanha eleitoral e agora, infelizmente, no atual governo é a irrupção do dragão. Ele ameaçava a todos e cobrava sacrifícios. Aqui ele foi solto e se expressou por todo tipo de violência verbal e até física contra homoafetivos, indígenas, opositores e mulheres. Como já escrevemos neste lugar, é a emergência da dimensão perversa de nossa “cordialidade” que, segundo Sérgio Buarque de Holanda, pode se manifestar também mediante o ódio e a inimizade. Ela estava e está sempre presente dentro de nós. Mas criou-se uma condição psico-social-política que pôde sair da escuridão e se manifestar destrutivamente.

Diante do dragão que ganhou visibilidade que vamos fazer? Precisamos acordar o São Jorge que está em nós. Ele sempre venceu o dragão. Vamos usar as armas que eles não podem usar. Às discriminações respondemos com a inclusão de todos indistintamente. Ao ódio disseminado contra opositores, responderemos com amorosidade e compaixão. À criação de bodes expiatórios, responderemos com a defesa dos inocentemente marginalizados e injustamente condenados. Às mentiras e às visões fantasiosas que nos querem levar à Idade Média, responderemos com a força dos fatos e fazer valer o sentido da contemporaneidade.

Importa vencer o mal com o bem. Não revidar com os métodos e ideologias esdrúxulas que apresentam, com a pretensão de não ter ideologia. O que na verdade mais têm os membros do partido e vários ministros é uma bizarra ideologia de fazer sorrir de tão rasa, velhista e ridícula.

Nesse afã, fazemos nossa a oração popular: “Andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos, não me peguem e tendo olhos não me enxerguem... E meus inimigos fiquem humildes e submissos a Vós. Amém”.

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político. Revista IHU On-Line, Nº. 490
"A morte pertence à vida. É seu ponto culminante. Ela nos permite dar um salto para o outro lado de nós mesmos, invisível a nós, mas real". Entrevista especial com Leonardo Boff
Leonardo Boff: amigo do bem
Entre a perversa cordialidade brasileira e o caos destrutivo: um balanço de 2018
Meu tio foi assassinado pelo ídolo de Bolsonaro
Morte, ameaças e intimidação: o discurso de Bolsonaro inflama radicais
Bolsonaro abre a era da extrema direita na presidência do Brasil
Gays, negros e indígenas já sentem nas ruas o medo de um governo Bolsonaro
Planos de Bolsonaro elevam risco de expansão de milícias e grupos de extermínio
Os valores e metáforas do universo Bolsonaro
Bolsonaro é uma ameaça ao planeta
Estamos diante de uma ameaça ultraliberal?
Neoliberalismo, distopias e Bolsonaro presidente
Juristas reúnem relatos anônimos de violência nestas eleições
Bolsonaro é um “perigo real”, afirma bispo brasileiro
Bolsonaro a milhares em euforia: "Vamos varrer do mapa os bandidos vermelhos"
"Elite já releva natureza autoritária de Bolsonaro". Entrevista com o cientista político Alberto Carlos Almeida
Por que Bolsonaro não inventou a pólvora no Brasil
Bolsonaro ameaça oponentes e ataca legitimidade da disputa eleitoral pelo Planalto
Profissionais da violência. Artigo de Eliane Brum
O Jesus da Bíblia e a menina que aprendeu com Bolsonaro o gesto de disparar um revólver
‘Vamos mudar o Brasil nem que seja na bala’
Redes sociais validam o ódio das pessoas, diz psicanalista
“É uma expressão de poder utilizada na tortura”, diz Maria do Rosário sobre agressão de Bolsonaro
O ódio saiu do armário. Entrevista especial com Adriano Pilatti
A esperança fugiu do Brasil. Ficaram só o ódio e o medo


Comunicar erro

Nenhum comentário:

Postar um comentário